Bebê morre ainda na barriga da mãe e família denuncia atendimento no HDM/Imip; Unidade responde

13
Hospital Dom Malan, em Petrolina. (Foto: Divulgação)

Na manhã desta terça-feira (17) o relato emocionado de Edvania Ribeiro Silva, mãe da gestante Aline Lopes Ribeiro, de 18 anos, revelou a dor de uma família com a perda de um bebê ainda na barriga de Aline. Edvania denunciou o atendimento prestado pelo Hospital Dom Malan (HDM)/Imip, em Petrolina, à sua filha em sua primeira gravidez. 

“Minha filha estava com 39 semanas de gestação. Foi na sexta-feira sentindo dor com 3 cm de dilatação, chegando lá só aplicaram uma injeção de Buscopan e botaram ela pra casa. Chegou em casa 1 hora da madrugada, ela não dormiu. No sábado, passou a noite sentindo dor também. Aí nós fomos lá [no hospital], umas cinco e pouca da tarde, só aplicaram a medicação de novo e colocaram ela pra casa porque estava com 3 cm de dilatação, não era trabalho de parto. Voltamos pra casa 7 horas da noite do sábado, não deu tempo nem chegar em casa, as dores dela aumentaram mais ainda. Chegamos no hospital de novo, só 3 cm de dilatação, não dilatava para ela ter o bebê normal. A pressão dela estava alta, foi isso que eles deixaram ela em observação, não internaram ela. Ficou a noite todinha do sábado”, explicou Edvania à reportagem do Programa Carlos Britto, na Rural FM.

A partir daí, a mãe conta que o desespero começou. No domingo (15), a equipe médica do hospital queria liberar a gestante. “De manhã queriam liberar ela de novo. Eu disse que minha filha não sai daqui do hospital de jeito nenhum sentindo dor, ela vai ficar aqui”, contou. Por volta da meia noite do domingo, o pior aconteceu. “Quando elas foram ouvir o coração do bebê, não ouviram mais”, contou Edvania, aos prantos.

A mãe contou ainda à reportagem que o pré-natal foi seguido à risca pela filha e que o bebê estava saudável e bem. “Nos nove meses ela não passou um mês sem fazer pré-natal, sem fazer exame. Todas as consultas dela estavam ‘ok’. Ela estava esperando apenas a bebê nascer. Ansiosa, doida para pegar a filha no colo e a gente também”, explicou. A família de Aline acredita que a demora no atendimento causou o falecimento da criança. A retirada do feto foi feita na manhã da segunda (16).

A reportagem entrou em contato com a assessoria de comunicação do Hospital Dom Malan, que enviou a seguinte nota:

A direção do Hospital Dom Malan informa que a paciente Aline Lopes passou por um procedimento cirúrgico no fim da manhã desta segunda-feira (16/11), para retirada do feto. Ela encontra-se com quadro de saúde estável e está recebendo todo o suporte multiprofissional necessário, incluindo amparo psicológico.

Esclarece ainda que, ao ser avaliada pelas equipes de plantão, tanto a gestante quanto o feto apresentavam quadro de saúde estável, sem nenhum tipo de intercorrência, por isso, ao ser internada, na manhã deste domingo (15/11), a orientação médica foi seguir o protocolo de parto normal.

Por fim, a direção do Hospital Dom Malan se solidariza com a paciente e seu familiares neste momento de dor e se coloca à disposição para prestar qualquer tipo de esclarecimentos.

13 COMENTÁRIOS

    • IMIP é cria e responsabilidade do governo do estado, não que o poder público municipal, junto com a comissão de saúde não devam cobrar. Mas devemos chamar também a responsabilidade de quem entregou o hospital para esse instituto gerenciar.

  1. Isso é um absurdo, passei por isso quando fui ganha meu bebe. È um descaso que fazem com as gestantes quando chegam para ter seus bebes, forçam a ter o filho normal mesmo sabendo que algumas não tem condições. Quantas mães já perderam seus bebes por incompetência, negligência dos médicos que estava de plantão. Cabe ao gestor municipal ao estado são eles os responsáveis, isso precisa ser corrigido o mais rápido possível. Graças a Deus eu tive meu filho, mesmo depois de tanto sofrer fizeram meu parto Cesário.

    • Aconteceu comigo também fui ganhar no domingo e não passava de 7 cm de dilatação,ganhei minha filha na segunda de manhã,mais pq a enfermeira me perguntou se eu queria normal ou cesária,eu escolhi cesária.

  2. absurdo..😥😥tantos ocorridos em um mesmo hospital e ninguém investiga e pune os responsáveis, para mudar essa triste realidade, quantas vítimas ainda precisaram perder suas vidas? onde está as autoridades que não toma as providências para que isso não volte a acontecer. Muito triste 😢😔

  3. Graças a Deus eu peguei profissionais responsáveis que cuidaram muito bem de mim no Dom Mallan, nn tem nada de ruim pra falar mas infelizmente existe pessoas que estão la so pelo dimheiro e nn pelo amor a medicina 🤦🏾‍♀️

  4. Eu não sei que profissional são esses do Domalan que as crianças morre por negligência médica si não querem trabalhar der a vaga pra pessoas humanas covardes.!

  5. Aconteceu comigo também fui ganhar no domingo e não passava de 7 cm de dilatação,ganhei minha filha na segunda de manhã,mais pq a enfermeira me perguntou se eu queria normal ou cesária,eu escolhi cesária.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

13 + 6 =