Artigo do leitor: Um político que fez a vida valer a pena

2

Ainda no espírito de comoção, o professor  Genivaldo do Nascimento rende homenagens ao ex-vereador Miguel Amorim. Nesse artigo, o professor reconhece o seu legado e lembra de fatos que marcaram sua vida ao lado de Miguel. Confiram:

O filme “Antes de Partir”, com Jack Nicholson e Morgan Freeman, começa com o narrador perguntando quais coisas fazem uma vida valer a pena.  A resposta: o que fazemos dela  e o olhar do outro acerca disso,  ou seja, são as outras pessoas que dirão se a nossa vida valeu a pena. Assim, a opinião sobre as nossas ações determinará quando partirmos desse mundo,  o valor de nossas vidas.

A vida do ex-vereador Miguel Amorim valeu a pena.  Isso porque falaremos dele coisas que o dignificam. Falaremos que ele viveu sempre em Rajada, entre os amigos, filhos, esposa e parentes. Nunca cogitou morar longe de sua comunidade, isto é, gostava de estar no meio e perto de nós (não perdia uma dança de São Gonçalo na região).  Falaremos que ele, em tempos de seca (que foram muitos), procurava conseguir emprego para as famílias mais necessitadas. Falaremos do Miguel que sentava nos bares e nas casas para conversar. Diremos que ele fazia isso não como político, mas como um rajadense que amava o seu lugar. Falaremos do Miguel que tinha sempre uma mão amiga. Diremos que ele cumpria com a palavra dada. Exemplo: sempre que prometeu uma bola de futebol ao time de Demar de seu Antônio Acelino ou ao de Agostinho de seu Fernando, ele cumpriu a promessa  (e lá íamos nós jogar com bola nova no campo do Gesso).

Segundo alguns estudiosos, a liderança é um estilo de vida e não uma posição política. Os grandes líderes já vêm ao mundo com o espírito conectado às demandas dos outros. Essa energia faz com que eles estejam sempre tentando ajudar o próximo. Esse tipo de pessoa se sente mais feliz quando consegue melhorar, mesmo que pouco, a vida do outro. Diremos que Miguel Amorim tinha esse espírito. Isso, com certeza, fez a vida dele valer a pena.

Para muitos, o tempo hoje passa de forma acelerada. É por isso que muitas vezes sentimos a sensação de estarmos nos afogando com tantas coisas para fazermos e gostaríamos que o dia tivesse mais de 24 horas. Essa angústia é causada por uma estranha inversão: no lugar de dominarmos o tempo, ele é que nos domina. Porém, o importante é saber o que fazemos com o tempo e não o que ele faz conosco. Falaremos que Miguel soube aproveitar bem o seu tempo, dado por Deus, para ser feliz e ajudar os outros. Isso fez a vida dele valer a pena.

Nessa nova travessia, vá em paz, Miguel. Você que, mais do que representante político de Rajada, era um dos membros da nossa comunidade (não por acaso, nós sempre o chamamos e chamaremos de Miguel, da mesma forma que falamos com um parente nosso).

 Genivaldo do Nascimento/Professor

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome