Após nova ocupação do MST, presidente da Valexport e Vinhovasf cobra ações das autoridades para retirar invasores das vinícolas

3

José GualbertoPresidente da Valexport e Vinhovasf, o empresário José Gualberto Almeida posicionou-se sobre a nova invasão do Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) a mais uma fazenda vinícola no município – a Bianchetti.

Em nota enviada à imprensa, José Gualberto disse lamentar esse novo episódio, solidarizando com os proprietários da Bianchetti. Ele também aproveitou para criticar a “ausência” do Poder Público em combater os invasores. Confiram:

Prezados Senhores,

Com grande indignação, venho comunicar também a invasão da Vinícola Bianchetti, pertencente ao Grupo Adega Bianchetti Tedesco, concretizada nesse domingo, dia 10/11/13, pelos grupos do Movimento Sem Terra.

Como empresário e presidente das instituições Valexport e Vinhovasf, e neste ato, representando muitos produtores que têm se solidarizado com a situação atual de invasões frequentes de terras, venho em público, manifestar a nossa indignação e repúdio aos atos que têm acontecido ultimamente no Vale do São Francisco.

Estranhamos sobremaneira a ausência de ações do Poder Público no combate aos atos invasores.

Historiando os fatos, antes mesmo dos casos das invasões das Vinícolas Botticelli, há 30 dias, e da Bianchetti na data de hoje, queremos registrar ainda outros casos, como exemplo, o Manifesto de Repúdio, documento emitido há 2 (dois) meses pelo Conselhos Fiscal e de Administração do nosso Distrito de Irrigação do Perímetro Senador Nilo Coelho, grupo que tão bem representa os nossos produtores, inclusive através de denúncias e queixas prestadas pelo Distrito e Codevasf envolvendo atos ilegais e ocupações em áreas de reserva, por parte do MST, entre outros importantes relatos.

Todos devem imaginar quão terrível se encontra a situação nas vinícolas, vítimas de violência, depredação, desordem e desrespeito a famílias de produtores e funcionários, além dos prejuízos, impedindo o funcionamento normal das empresas, que se mantêm em plena atividade produtiva. As áreas contribuem no sustento da economia da região, gerando emprego e renda, numa região que se consolidou internacionalmente pelos seus vinhos premiados, numa produção anual de 261 mil toneladas de uvas de mesa e cinco milhões de litros de vinhos finos, além da elaboração de 100 mil litros de sucos de uva.

Consternados diante da omissão e/ou lentidão das autoridades, apelamos mais uma vez para que as autoridades se sensibilizem e venham tomar medidas em busca por soluções imediatas, com vistas à estabilização da agricultura irrigada, antes mesmo que as invasões estejam abertas a novas áreas, o que já têm acontecido.

Acreditamos ainda em soluções que vislumbrem contemplar o direito das pessoas que precisam do campo, através de investimentos em projetos de assentamentos legais e produtivos mantidas com ordem e respeito.

José Gualberto de Freitas Almeida/Empresário e Presidente da Valexport e Vinhovasf

3 COMENTÁRIOS

  1. Sou a favor da divisão de riquezas (numa distribuição equitativa e socialmente justa )com quem trabalha e que produz.

    Nada justifica invasão por invasão.

    Conheço a luta do companheiro José Gualberto de Almeida há quase meio século.

    Sou solidário à sua causa -que é comum àqueles (poucos), que trabalham pelo desenvolvimento do nosso sofrido Sertão.

  2. Bem feito pois foi justamento o MST que apoio este cidadão nas eleições de Santa Maria da Boa Vista em 2 ocasiões, pois devemos lembrar que este Gualberto é o atual vice-prefeito de Santa Maria da Boa Vista/PE, ele se colocou como bonzinho e que apoiava o movimento, mais agora passou as eleições e quer é que a policia desça o pau no MST, mais é bem feito pois o MST ainda não aprendeu nesses 20 anos então não irá mais aprender.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome