Após 7 anos, assassino confesso da menina Beatriz é levado a audiência

por Carlos Britto // 22 de novembro de 2022 às 06:39

Foto: reprodução TV Globo

Após uma luta de sete anos por justiça, Lucinha Mota e Sandro Romilton, pais mãe da menina Beatriz Angélica, ficarão frente a frente com Marcelo da Silva, o assassino confesso da filha deles. Beatriz foi brutalmente morta na noite de 10 de dezembro de 2015, durante uma festa de formatura no Colégio Maria Auxiliadora, em Petrolina, onde ela estudava.

A audiência de instrução e julgamento do homem acusado de assassinar a menina Beatriz Angélica Mota, de 7 anos, em Petrolina, começa nesta terça-feira (22). A previsão é de que 16 testemunhas de acusação e de defesa, além do réu, sejam ouvidas no fórum da cidade. Diante da repercussão do caso, haverá reforço policial durante os dois dias de audiência.

Por questão de segurança, a Polícia Militar de Pernambuco (PMPE) não revela a quantidade de profissionais que serão deslocados pra a força-tarefa. Mas, em nota, a corporação destacou que foram convocados policiais do 5º Batalhão e também do 2ºBIESP ( Batalhão Integrado Especializado).

A audiência está prevista para começar a partir das 8h. Marcelo da Silva estará sentado no banco dos réus e acompanhará todos os depoimentos. Preso no Presídio de Igarassu, no Grande Recife, ele já foi levado por policiais penais da Secretaria Executiva de Ressocialização para Petrolina.

A audiência começará com os depoimentos das oito testemunhas de acusação – incluindo os pais de Beatriz – arroladas pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE). Em seguida, será a vez das oito testemunhas de defesa. Por fim, o réu também será interrogado, mas, como determina a lei, terá o direito de permanecer em silêncio.

Sem imprensa

A imprensa não foi autorizada pela Justiça a acompanhar a audiência. Os repórteres poderão apenas fazer entrevistas e imagens em frente ao fórum. Por causa do número alto de depoimentos, o Juízo da Vara do Júri de Petrolina agendou dois dias para a audiência. Caso nem todas as testemunhas compareçam – e o MPPE e a defesa insistam na presença delas – uma nova data será marcada para completar essa fase do processo. Após isso, o representante do MPPE e o advogado de defesa do réu terão que apresentar as alegações finais. Só então, a juíza Elane Brandão Ribeiro irá decidir se Marcelo irá a júri popular. (Fonte: JC Online)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.