Após 2 anos, Baque Opará prepara grande prévia para Carnaval de Petrolina

por Carlos Britto // 20 de janeiro de 2023 às 21:35

Foto: Fernando Pereira/divulgação

Após dois anos sem folia em razão da pandemia de Covid-19, o grupo percussivo Baque Opará volta a animar o Vale do São Francisco com a sua tradicional prévia carnavalesca. O cortejo, que segue pelas ruas do Centro de Petrolina, será realizado no dia 11 de fevereiro, com concentração a partir das 16h em frente ao Café de Bule, na Rua Antonio Santana Filho. No local, a animação do grupo e dos foliões fica por conta da DJ Lizandra (confiram o serviço).

O tema deste ano será ‘Eu descendo de todas as tribos, de todos os povos, de todas as cores’. Trata-se do trecho de uma composição da baqueana Nadjane dos Santos (in memoriam), que será homenageada durante o cortejo. A letra deixada por Nadjane foi musicada coletivamente por integrantes do Baque e será tocada pela primeira vez durante a prévia.

O grupo conta atualmente com 70 integrantes, que, com suas alfaias, agogôs, agbês, caixas, timbais e ganzás tocarão ritmos brasileiros e pernambucanos, em especial o maracatu.

Para nós, esse momento da prévia é nosso apogeu enquanto grupo. Estar nas avenidas da cidade ecoando nossos tambores e instrumentos todos em uníssono é muito emocionante. Sentir a energia do público fiel que nos acompanha há 14 anos é luminoso, uma experiência incrível. E esse retorno, após tudo o que vivemos pela pandemia e tantas perdas sociais no Brasil, tem um gosto especial. Estamos radiantes com a chegada desse momento“, destaca Luciana Florintino, uma das fundadoras e membro da Comissão Gestora do Baque Opará.

Por volta das 17h o cortejo terá início, seguindo pelas Avenidas Souza Filho e Guararapes até chegar à Praça da 21 de Setembro, onde a festa continua ao som do Baque Opará Banda e DJ Sandrinha.

História

Fundado em 2008, o Baque Opará é um grupo percussivo que tem como objetivo divulgar os ritmos populares de matriz africana e influência brasileira, especialmente nordestina. Em seu repertório, o coletivo apresenta ritmos como o maracatu, afoxé, samba, côco, ciranda, samba-reggae e funk. Seu nome homenageia o Rio São Francisco, às margens do qual nasceu o coletivo. ‘Opará’ significa Rio-Mar, nome dado ao Velho Chico pelo povo indígena Truká. Daí o grito de guerra que ecoa a cada apresentação (“Opará: batuque do rio que é mar”).

O coletivo é composto, em sua maioria, por estudantes, professores, profissionais liberais, funcionários privados e servidores públicos. Com ensaios semanais, o Baque tem como culminância a realização da prévia carnavalesca, mas também faz apresentações ao longo de todo o ano, em festivais, escolas e eventos diversos, além dos ensaios abertos.

As informações sobre a prévia e o grupo, bem como a programação ao longo do ano, podem ser acompanhadas no perfil do Instagram @baqueopara.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.