Crise hídrica e desertificação na pauta de 4° simpósio que começa nesta terça em Petrolina

por Carlos Britto // 18 de maio de 2015 às 18:56

iedo embrapaComeça nesta terça (19) e prossegue até a quinta-feira (21) em Petrolina o 4° Simpósio de Mudanças Climáticas e Desertificação no Semiárido Brasileiro. Promovido pela Embrapa Semiárido, o evento acontecerá na sede do órgão federal, a pouco mais de 50 quilômetros da cidade. A abertura será a partir das 8h, com as inscrições e entrega do material referente ao tema aos participantes.

De acordo com o pesquisador Iedo Bezerra Sá, que faz parte da comissão organizadora do simpósio, nesta edição serão apresentadas algumas experiências exitosas registradas pelo mundo em relação à questão. Daí a importância de palestras que serão apresentadas, a partir de amanhã, por especialistas de países como Israel, Estados Unidos (entre outros) durante o encontro. Também estarão presentes a Petrolina pesquisadores da Embrapa de outras regiões do país.

O simpósio será realizado em cima de quatro eixos temáticos: Funcionalidades do ecossistema; Desafios ao melhoramento genético de plantas frente às mudanças climáticas, no intuito de que essas espécies se adaptem mais rapidamente a essas mudanças; Sustentabilidade para agregação de valor a produtos agropecuários; e Mudanças climáticas e recursos hídricos.

Neste último caso, explica Iedo, o debate vem para reforçar outros já realizados sobre a grave crise hídrica que atinge a região, diante inclusive da iminência de um colapso que pode afetar não só a agricultura, como também o setor de energia, navegação, piscicultura – entre outros.

simposioDesertificação

Outro tema importante trazido à baila será a desertificação. Segundo o pesquisador, embora os fenômenos da natureza colaborem para o problema, a ação humana continua sendo o principal agente causador. “O mau uso da terra, ou seja, o desmatamento, vem piorando a cada ano. Estamos mostrando os dados, mas infelizmente as medidas corretivas não estão sendo tomadas”, alerta.

Para se ter uma ideia, Iedo explica que um dos cenários mais críticos quanto ao aumento da desertificação é justamente o que abrange o Sertão do São Francisco – entre os municípios de Petrolina, Afrânio, Cabrobó, Lagoa Grande e Santa Maria da Boa Vista. “É tão grave que chega a inviabilizar qualquer atividade produtiva”, revela. Ele frisa que um dos desafios é acabar com as queimadas, praticadas por desconhecimento ou mesmo má fé dos proprietários de lotes.

O pesquisador adiantou ainda que a desertificação ganhará um destaque especial na Revista Brasileira de Geografia Física, editada pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), a qual selecionou 20 trabalhos sobre a serem apresentados no 4° Simpósio, para publicá-los.

O evento, que é itinerante e volta a acontecer em Petrolina, é destinado ao público em geral, mas destinado sobretudo a professores, estudantes, pós-graduados, pesquisadores – entre outros segmentos. “São duas coisas que estão muito atreladas e fazem parte, atualmente, de uma pauta mundial”, pondera o pesquisador. Presidente da Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Senado, Fernando Bezerra Coelho é uma das autoridades que confirmaram presença no evento.

Crise hídrica e desertificação na pauta de 4° simpósio que começa nesta terça em Petrolina

  1. Tabosa disse:

    Carlos Brito hj estava ouvindo seu programa quando houvi um Senhor falando sobre as viaturas do SAMU e fazendo comparações desnecessarias com Juazeiro,sou seu ouvinte sou de petrolina mas acho que um programa como o seu não deveria dar espaços para besteira como aquelas,comentários preconceituso para com a nossa cidade irmã Juazeiro,uma pessoa daquelas não merece nem ser citado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *