Vereadores fazem um minuto de silêncio na Casa Plínio Amorim em memória de Joaquim da Compesa

1

A sessão plenária de ontem (8) na Câmara Municipal de Petrolina abriu espaço para uma homenagem póstuma ao militante petista Joaquim Antônio de Oliveira – mais conhecido na cidade por Joaquim da Compesa. Ele está entre as centenas de pessoas que perderam a batalha contra a Covid-19. Por meio do requerimento 303/21, o vereador Professor Gilmar Santos apresentou uma moção de pesar aos familiares de Joaquim, que ajudou a fundar em Petrolina o Partido dos Trabalhadores (PT), legenda da qual pertence Gilmar.

Quero fazer essa referência à história de Joaquim da Compesa, porque ele era muito querido entre os comunitários de Petrolina, muito querido dentro do Partido dos Trabalhadores, cumpriu um papel importante nas lutas pela democracia no nosso município. Era um defensor ferrenho do nosso partido, tinha um grande humor e era também um poeta”, destacou. O vereador aproveitou para fazer um apelo por vacinação em massa, uma vez que Joaquim havia tomado apenas uma dose do imunizante e aguardava para tomar a segunda dose, mas não deu tempo.

Nos apartes, alguns vereadores destacaram sua admiração e respeito a Joaquim da Compesa. Um deles foi Manoel da Acosap (DEM), o qual afirmou que o considerava um conselheiro. “Muitas vezes eu saía do meu gabinete e ele estava debaixo daqueles dois pés de árvore. Eu parava para escutá-lo e para debatermos a boa política”, afirmou Zenildo, sugerindo que a moção de aplausos fosse estendida a toda a Casa Plínio Amorim. Outras palavras afetuosas foram referendadas por Ronaldo Silva (DEM), Zenildo do Alto do Cocar (MDB) e Ruy Wanderley (PSC). Este último declarou que, independente da posição política de Joaquim, ele era quase uma unanimidade na Câmara Municipal. “Uma pessoa amiga de todos, respeitador, tinha um bom papo e um astral lá em cima”, afirmou.

Reiterando os colegas, Aero Cruz disse que Joaquim foi um líder comunitário como poucos em Petrolina e defensor da política na qual acreditava, mas sem desrespeitar os posicionamentos contrários. O presidente da Casa acatou a sugestão de Ruy Wanderley e reservou um minuto de silêncio ao militante petista. Joaquim faleceu no último dia 4/06, aos 69 anos, após quase um mês internado no Hospital Neurocárdio.

Por Antonio Carlos Miranda

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

um × 3 =