Uma voz que se calou

por Carlos Britto // 12 de abril de 2009 às 06:52

Depois de anos lutando contra um câncer faleceu na noite de ontem (11) o deputado federal Carlos Wilson (PT). Ex-governador, senador, presidente da Infraero, Carlos Wilson Rocha de Queiroz Campos tinha 58 anos e era natural do Recife. Há dias o político estava internado em estado grave no Hospital Santa Joana.

Filho do ex-senador Wilson Campos, Carlos Wilson ingressou na política muito jovem, como assessor da Presidência do INCRA, em 1972, na gestão de Moura Cavalcanti. Aos 25 anos foi eleito o deputado federal mais jovem da legislatura 1975/1979. Militou na Arena até 1980, quando ingressou no PMDB, já no seu segundo mandato parlamentar. Nessa época, foi eleito segundo secretário da Câmara.

Sua atuação nos primeiros anos de congressista foi pautada pela defesa da Sudene e de políticas sociais e econômicas diferenciadas para a região Nordeste. Em 1987, Carlos Wilson foi eleito vice-governador na chapa comandada por Miguel Arraes. Três anos mais tarde, tornou-se governador do Estado de Pernambuco, quando Arraes deixou o cargo para disputar a eleição para a Câmara dos Deputados. “Cali”, como era mais conhecido o político, comandou o Estado durante 11 meses.

Em 1995, já no PSDB, Wilson foi eleito senador, sendo o mais votado na ocasião, mesmo integrando a chapa liderada por Gustavo Krause (PFL), derrotado por Miguel Arraes (PSB). Em 1998 Cali foi candidato a governador, apresentando-se como opção de terceira via ante Jarbas Vasconcelos (PMDB) e Miguel Arraes (PSB). Ficou em terceiro lugar, com cerca de 7,5% dos votos. Carlos Wilson também disputou outra eleição majoritária, em 2000, quando se candidatou a prefeito do Recife pelo PPS. No primeiro turno chegou em terceiro, e no segundo declarou apoio a João Paulo (PT), na eleição histórica em que o petista venceu Roberto Magalhães (PFL).

Dois anos mais tarde, em candidatura avulsa pelo PTB ao Senado, em virtude da verticalização, mas já aliado ao então candidato Luis Inácio Lula da Silva (PT), não conseguiu a reeleição. Mesmo recebendo 1.330.451 votos ficou atrás de Marco Maciel (PFL) e Sérgio Guerra (PSDB).

Aliado e amigo do presidente eleito, Lula, Carlos Wilson foi convidado para comandar a Infraero. Foi presidente da empresa até 2006 quando disputou nova eleição para deputado federal, já filiado ao Partido dos Trabalhadores (PT). Foi o sexto melhor colocado, com 141.203 votos. Nos últimos anos do mandato, manteve-se a maior parte do tempo em licença médica, na luta contra o câncer que enfrentou até a noite de ontem.

Uma voz que se calou

  1. Pascal disse:

    Com seus erros e acertos,políticos e não políticos , oriundos da sua condição de “humano, demasiadamente humano” – como diria Niestzche – lamento a perda e solidário fico com a família enlutada.

  2. ricardobanana disse:

    NÃO SÓ PERNAMBUCO MAIS O BRASIL PERDE COM A MORTE PRECOSSE DO DEP. CARLOS WILSON.AOS 58 ANOS. POLÍTCO DE UMA VIDA CURTA MAIS DE AÇÕES BEM DEFINIDAS…………..

  3. CUIDADO!!!!!! disse:

    Você fica elogiando, não vai demorar muito os comentaristas de deplantão vão está aí xingando o defunto.

  4. Opara disse:

    Em respeito ao falecido… nada a declarar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *