TRE-PE pune coligação de Marília por tentar associar Raquel a Bolsonaro

por Carlos Britto // 20 de outubro de 2022 às 11:00

Fotos: reprodução

A desembargadora eleitoral auxiliar do Tribunal Regional Eleitoral de Pernambuco (TRE-PE), Virgínia Gondim Dantas, determinou a perda de 5 minutos de tempo de televisão da candidatura de Marília Arraes (SD), da coligação ‘Pernambuco na Veia’, por tentar associar a imagem da adversária ao governo do Estado, Raquel Lyra (PSDB), da coligação ‘Pernambuco Quer Mudar’, ao atual presidente e candidato à reeleição Jair Bolsonaro (PL).

A campanha de Marília fez veicular uma inserção de TV na qual dizia que apoiadores e a candidata ao cargo de vice-governadora da chapa concorrente seriam “contra Lula e a favor de Bolsonaro” no segundo turno das eleições presidenciais de 2022”, segundo informou a desembargadora.

Percebe-se que a mensagem é capaz de criar estado mental e passional de vinculação da candidata Raquel ao Presidente Bolsonaro, que, repise-se, não encontra respaldo na realidade do momento vivenciado e nem nas reportagens carreadas, sobretudo diante do acirramento do certame eleitoral no âmbito nacional, com reflexos na política estadual”, afirmou Virgínia Gondim, na decisão.

Embora a Justiça Eleitoral tenha determinado a suspensão da veiculação do anúncio, a propaganda com este conteúdo continuou a ser transmitida nas redes de TV e também passou a ser veiculada por emissoras de rádio. O direito de resposta concedido a Raquel será distribuído em várias inserções ao longo da programação das eleições.

Suspensão

Em outra decisão, o desembargador eleitoral auxiliar Dario Rodrigues Leite de Oliveira, determinou a suspensão imediata de inserções de propaganda eleitoral promovida pela coligação Pernambuco na Veia que associam a outra chapa concorrente à licitação da concessão de linhas de transporte intermunicipal do Estado. Em seu despacho, o desembargador informou que a candidata que encabeça a coligação Pernambuco Quer Mudar não é proprietária da empresa vencedora do certame.

O magistrado classificou como inverídicas as informações contidas na peça publicitária e determinou que sua veiculação fosse suspensa, sob pena de multa diária de R$ 5 mil por cada inserção indevida a ser aplicada contra a coligação de Marília. As emissoras de rádio do Estado também estão intimadas a não mais reproduzir o conteúdo e incorrerão em multa de R$ 10 mil por dia, em caso de descumprimento. As informações são do TRE-PE.

TRE-PE pune coligação de Marília por tentar associar Raquel a Bolsonaro

  1. Luiz disse:

    Essa (papangú) Marília Arrasamuitopouco, não tem o mínimo de decência para com o eleitorado pernambucano. Tudo que ela fala tem que atingir principalmente a figura do presidente Bolsonaro.
    Isso é demonstração de desespero, falta do que dizer e desvio de ideias.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.