Tragédia na Bahia: Marinha revisa número de mortos em naufrágio para 18

por Carlos Britto // 24 de agosto de 2017 às 18:02

A quantidade de pessoas mortas no naufrágio de uma lancha na travessia Mar Grande-Salvador, ocorrida na manhã desta quinta-feira (24), caiu para 18. A informação foi divulgada pelo comandante do 2º Distrito Naval, Flávio Almeida. Inicialmente, acreditava-se em 23 mortos.

Mais cedo, a Associação dos Transportadores Marítimos da Bahia (Astramab) também divulgou um novo número, sobre os passageiros que estavam a bordo no momento do acidente. Primeiramente foi informado que 133 pessoas, incluindo quatro tripulantes, estavam na embarcação. Depois foi divulgado que, na verdade, 120 passageiros estavam na lancha, que suportava 160 passageiros, um número maior do que a quantidade que estava a bordo.

A embarcação saiu às 6h30 do Terminal de Vera Cruz, na ilha de Mar Grande, em direção à Salvador. Dez minutos depois, o acidente aconteceu. Oitenta e nove pessoas foram resgatadas, sendo que 70 foram levadas à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Mar Grande, 15 para o Hospital Geral de Itaparica, enquanto quatro vítimas estão na capital baiana, distribuídas entre os hospitais do Subúrbio e Geral do Estado (HGE). (Fonte: Jornal A Tarde/ Foto: Raul Spinassé/Agência A Tarde)

Tragédia na Bahia: Marinha revisa número de mortos em naufrágio para 18

  1. Manuela Lima disse:

    Espero que sirva de exemplo para as navegações que fazem travessia Petrolina/Juazeiro.
    Já que por diversas vezes a barquinha está atolando nas pedras e tendo que esperar outras para tira-las na pancada.
    As autoridades deveriam colocar lanchas de corpo de bombeiro ou marinha para fazer segurança disso já que equipamentos todos sabemos que eles tem.
    Ou querem esperar acontecer uma tragedia desse tipo que ocorreu em Salvador para tomar as providencias cabiveis ?
    Ja aconteceu de passar uma hora de relogio parada no rio por motivos de barquina atolar nas pedras e so sair depois que outra vem e começa empurrar na pancada, correndo o risco ate mesmo de uma lesao no casco da barquinha vindo a futuramente ocorrer algo serio.
    So vao acreditar que pode acontecer algo quando acontecer é isso?
    Acham que as coisas so ocorrem com os outros?

    Cade a segurança nessas navegações?
    Pq não fazer obrigado o uso do colete durante a travessia? Melhor previnir do que esperar um mal maior acontecer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *