Traficantes levam prejuízo de quase R$ 3 milhões após erradicação de mais de 70 mil pés de maconha em Juazeiro e outras cidades da região

1
(Foto: SSP-BA/Divulgação)

Mais de 70 mil pés de maconha, distribuídos em quatro roças, foram erradicados até a sexta-feira (11), durante operação conjunta entre unidades da Polícia Militar, Departamento de Polícia do Interior (Depin) da Polícia Civil (PC), forças de segurança de Pernambuco e Polícia Federal (PF). As ações aconteceram nas cidades de Juazeiro, Curaçá, Canudos e Campo Formoso – todas no norte do Estado.

No povoado de Riacho Seco, em Curaçá, uma roça com mais de 27 mil pés de maconha foi incinerada. Em Campo Formoso, localizados, em uma única plantação, quase 43 mil pés da erva. Já nas cidades de Juazeiro e Canudos foram queimadas mais de 800 mudas.

(Foto: SSP-BA/Divulgação)

De acordo com a titular da 17ª Coordenadoria Regional de Polícia do Interior (Coorpin) em Juazeiro, delegada Lígia Nunes, também foram encontrados nos locais materiais usados na irrigação e cultivo da maconha, além de espaços preparados para receber as sementes. “Tudo foi incinerado junto com o entorpecente”, informou a delegada. Ela acrescentou que ninguém foi encontrado, mas as unidades de cada cidade darão continuidades às investigações para prenderem os proprietários dos cultivos. De acordo com os cálculos da delegada, os grupos criminosos que agiam nas regiões tiveram um prejuízo de R$ 2,8 milhões.

Também participaram da operação as Companhias Independentes de Policiamento Especializado (Cipes’s) Caatinga e Semiárido, equipes do Corpo de Bombeiros Militar, do 72°Batalhão de Infantaria do Exército e do Instituto de Criminalística (IC) de Pernambuco.

1 COMENTÁRIO

  1. Ao contrário da besta estatal, o mercado mesmo negro sabe contornar os prejuízos ajustando preços, logística, etc. Logo, logo os traficantes recuperarão tal prejuízo, já nós contribuintes dessa babaquice ficaremos com menos dinheiro por causa dessa imbecilidade de guerra às drogas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome