Tóquio: Com ouro na maratona aquática, brasileiras vão levando maioria das medalhas

por Carlos Britto // 04 de agosto de 2021 às 07:50

Foto: Reuters/reprodução

Das quatro medalhas de ouro do Brasil nas Olimpíadas de Tóquio, três vieram com mulheres. A mais recente delas, com Ana Marcela Cunha nos 10km na prova de maratona aquática, na manhã desta quarta-feira (4), na marina de Odaiba. Além de Ana Marcela, a ginasta Rebeca Andrade e a dupla de velejadoras Martine Grael e Kahena Kunze também foram ao alto do pódio no Japão.

Do total de 15 medalhas conquistadas, sete foram com o naipe feminino – e há mais uma garantida com Bia Ferreira no boxe, a oitava. Uma representação muito relevante do poder das mulheres na delegação nacional dentro dos Jogos Olímpicos com mais presença feminina em todos os tempos.

A mulher pode ser o que ela quiser, onde quiser, na hora que quiser. O tanto que a gente vem recebendo de ajuda e igualdade representa muito e faz diferença nas medalhas do brasil. O COB [Comitê Olímpico do Brasil] tem ajudado, acreditado independentemente se é masculino ou feminino. Hoje, no esporte existe uma meritocracia das coisas. As mulheres estão vindo com tudo, com aquele gostinho especial”, afirmou Ana Marcela, de 29 anos.

O país começou a participar das Olimpíadas na Antuérpia, em 1920, mas só com homens. A estreia “delas” se deu apenas em 1932, com a nadadora Maria Lenk. Medalha saiu apenas em Atlanta 1996. Desde então, no entanto, elas nunca mais pararam. (Fonte: GE)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *