TCE-PE divulga diagnóstico sobre situação das escolas de Pernambuco para retorno às aulas

0
Escola Municipal Ariano Suassuna -Petrolina. Foto: relatório TCE-PE

O Tribunal de Contas do Estado de Pernambuco (TCE-PE) divulgou, na última quinta-feira (17), o resultado de um levantamento feito pela Coordenadoria de Controle Externo (CCE) para verificar, junto ao Poder Público, as medidas implementadas para garantir o retorno seguro dos alunos às aulas presenciais, baseadas no protocolo estabelecido pelo Governo do Estado.

O diagnóstico abrangeu escolas da rede estadual e municipal de Pernambuco. “O diagnóstico sobre a situação da rede estadual já estava no nosso cronograma, planejado junto à relatora das contas da Secretaria de Educação do Estado, conselheira Teresa Duere”, afirmou Adriana Arantes, coordenadora de Controle Externo do TCE-PE.

“Em relação às escolas municipais, o levantamento entrou no bojo das ações da Operação Eleições, iniciada no final de outubro passado pelo TCE-PE, para verificar o cumprimento, por parte dos gestores, de algumas exigências legais no período eleitoral. Aproveitamos para fazer também essa verificação nas escolas, com o objetivo de garantir o retorno seguro dos alunos e professores na retomada das aulas”, disse ela.   

Resultados 

As equipes do Tribunal entrevistaram gestores e fizeram visitas aos municípios e órgãos públicos do Estado para avaliar vários aspectos, sejam pedagógicos ou de logística, como por exemplo, a estrutura física das escolas, as melhorias feitas, a aquisição de materiais e equipamentos para higienização, e de proteção individual, a preocupação com o distanciamento mínimo entre os alunos, funcionamento da cozinha, banheiros e higienização – entre outros.

Os auditores visitaram 67 escolas de ensino médio da rede estadual, num trabalho que envolveu 42.386 alunos e 2.308 servidores. Do total de escolas do Estado, apenas duas não cumpriam o protocolo definido pelo governo. 

Em relação à rede de ensino dos 184 municípios pernambucanos, a fiscalização atingiu 513 escolas, correspondendo a 125 mil estudantes e 13 mil servidores. O diagnóstico municipal mostra que a maioria das escolas ainda não definiu protocolo com as regras de retorno às aulas presenciais (73,1%), não definiu os critérios para decidir sobre o retorno às aulas (69,2%), não realizou levantamento sobre necessidade de contratação de profissionais (58,6%), sobre custos de adaptações físicas e sanitárias (76,3%), e sobre impacto financeiro nos contatos de merenda, transporte escolar e serviços de manutenção e limpeza (81,1%), entre outros problemas.

Além disso, nas vistorias, constatou-se número insuficiente de pias e problemas na infraestrutura das escolas como paredes mofadas, pisos deteriorados, móveis quebrados e instalações insalubres e sem condições de uso.

Petrolina

O relatório apontou que em Petrolina, de modo geral, “as escolas do município estão se preparando satisfatoriamente para o possível retorno às aulas presenciais. Os dados e informações obtidos através deste Procedimento Interno de Levantamento, em especial os check lists das escolas visitadas e as respostas da Secretaria de Educação ao questionário, foram sintetizados e enviados à CCE para consolidação”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome