Senador FBC fala em evitar pré-julgamentos sobre futuro Governo Bolsonaro e afirma que defenderá reforma “satanizada” de Temer

1
Fernando Bezerra Coelho. (Foto: Gabriel Siqueira/Blog do Carlos Britto)

Acho que a primeira coisa que precisamos ter é prudência”. A afirmação foi feita na tarde de ontem (22) em Petrolina, pelo senador Fernando Bezerra Coelho (MDB) sobre o futuro governo do presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL), em sua confraternização anual com a imprensa da cidade. O evento reuniu também o prefeito Miguel Coelho (PSB), os deputados Antonio Coelho (eleito/DEM) e Fernando Filho (reeleito/DEM), além de aliados políticos e convidados, no Restaurante Bêra D’água, Orla II.

Fernando Bezerra – que disse ter sido questionado informalmente por jornalistas presentes ao encontro sobre o que esperar da conjuntura político-administrativa do país a partir de 2019 – argumentou que a mudança no cenário imposta pela vontade popular nas urnas “não foi pequena”, e portanto não é possível se antecipar aos fatos. “É uma mudança grande no Senado, na Câmara, nos governos estaduais. Por isso a gente não pode fazer pré-julgamentos, antecipar avaliações”, declarou, em seu discurso.

FBC afirmou ser necessário esperar pelos menos os 100 primeiros dias do Governo Bolsonaro para fazer observações mais definitivas. No entanto, ele frisou que a agenda econômica da equipe do presidente eleito “é a mais adequada” para o Brasil e os problemas que enfrenta. “Precisamos reduzir a carga tributária, precisamos reduzir o tamanho do Estado, precisamos abrir a economia brasileira e ampliar a produtividade”, pontuou o senador.

Governo Temer

Nesse contexto, FBC aproveitou para sair em defesa do presidente Michel Temer, do qual foi líder do seu governo no Senado. Citando as fakes News (notícias falsas) que marcaram a campanha em 2018, o senador afirmou que houve muitas informações distorcidas em torno das reformas trabalhista e da Previdência, propostas por Temer. “A reforma trabalhista, que foi vista como a retirada de direitos dos trabalhadores, e a reforma da Previdência, que foi dita como a retirada de direitos constitucionais, o Brasil vai discutir, nos próximos cem dias. E sabem qual será a reforma aprovada, que será a melhor pro Brasil? A reforma da Previdência, do presidente Michel Temer, é a que vai ser votada e a que será aprovada”, previu.

Apesar das idas e vindas do Congresso em torno dessas matérias, FBC frisou que a proposta do governo em relação à Previdência foi “satanizada” pelas fake news, mas ao contrário do que foi divulgado, não mexe nos direitos dos trabalhadores rurais e nem com os mais pobres, “porque mantém os benefícios de prestação continuada”, assegurou. O senador reforçou em seu discurso que 53% da população de renda mais baixa vivem no Nordeste. Por essa razão, defenderá com unhas e dentes a reforma da Previdência que Temer apresentou ao Congresso, mas não foi aprovada.

1 COMENTÁRIO

  1. Ou seja, vai ficar em cima do muro até ver o governo Bolsonaro dar os primeiros resultados. Daí decide se embarca no governo ou não. Até lá espero que Paulo Guedes já tenha passado a tesoura na codevasf. Empresa estratégica é meu ov….

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome