Senado adia a reforma em solidariedade a líder contra Planalto e Lava Jato

3
(Foto: Reprodução)

Sem meias palavras. O adiamento da votação da reforma da Previdência para a semana que vem, decidido (24) hoje pelos líderes e pelo presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), foi uma manifestação de solidariedade ao colega Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), alvo de uma ação de busca e apreensão da Polícia Federal (PF) em seus endereços.

A polícia divulgou que o líder do governo no Senado é suspeito de ter recebido propina de R$ 5,5 milhões, entre 2012 e 2014, em contratos das obras de transposição do rio São Francisco. Tratam-se de delações ainda não comprovadas.

Mas a operação foi recebida no Congresso como uma declaração de guerra da PF e da força tarefa da Lava Jato.

Surgiu às vésperas da votação do pacote anticrime pela Câmara e em meio a articulações do Centrão em favor de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para apurar desvios de conduta na equipe da Lava Jato levantadas por reportagens do site The Intercept Brasil e outros veículos, como o UOL.

Fernando Bezerra está ameaçado de perder o cargo no governo por conta das acusações. E os senadores resolveram mostrar ao Planalto e à Justiça que estão dispostos a transformar o episódio numa crise institucional: a votação da reforma da Previdência foi adiada para a semana que vem e corre riscos de atrasar ainda mais se Bezerra for afastado.

Visita

Faz parte desse recado a visita dos líderes ao Supremo Tribunal Federal (STF) para apresentar ao presidente da Corte, Dias Toffoli, ação que pede a anulação do pedido de busca e apreensão no gabinete do senador Fernando Bezerra Coelho.

À tarde, na sessão do Congresso, outro recado: deputados e senadores deverão derrubar os vetos à lei de abuso de autoridade. Esses vetos foram assinados pelo presidente Jair Bolsonaro atendendo a pedidos da PF e do ministro da Justiça Sérgio Moro, que comandou a operação Lava Jato.

A reação do Senado foi decidida pela maioria dos líderes, especialmente do Centrão (MDB, DEM, PSD, PL e PP), que na prática decide as votações no Congresso, e PT.

O grupo “Muda Senado”, de senadores alinhados com Sérgio Moro, é contrário. Nesse caso, ganhou o apoio de figuras como a presidente da Comissão de Constituição e Justiça, Simone Tebet (MDB), ampliando o racha na Casa.

Tebet foi um dos principais cabos eleitorais de Davi Alcolumbre na campanha a presidente do Senado. Também se afastou outro de seus cabos eleitorais na campanha, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), de quem era aliado no Estado. (Fonte: Tales Faria/UOL)

3 COMENTÁRIOS

  1. O Presidente do Senado agiu como sempre fez, com muito corporativismo. Vocês já viram a sua cara de taxo quando se fala na CPI da toga? Só as Forças Armadas para acabar com essas falcatruas.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome