Secretário sai em defesa da organização do evento que debateu elaboração do novo PMSB de Petrolina e contesta professor

3
Foto: Blog do Carlos Britto

O secretário municipal de Infraestrutura, Fred Machado, saiu em defesa da organização do encontro que debateu no dia de ontem (29) propostas e sugestões para elaboração do novo Plano Municipal de Saneamento Básico (PMSB). O evento ocorreu na Fundação Nilo Coelho, Centro da cidade.

Isso foi decidido com nosso prefeito, com o procurador, com a empresa (contrata para levantar detalhes sobre o setor). O intuito foi para não gerar questões políticas, de quererem jogar a prefeitura contra a Compesa, ou a Compesa contra a prefeitura. Então a gente achou melhor essa metodologia, de cada um fazer sua observação, comentário, dúvida por escrito. Até porque, pelo decreto, a gente teria um horário para ser cumprido numa audiência pública. Se a gente abrisse o microfone, não ia ter o controle, ia passar do tempo e poderia virar um tumulto”, argumentou.

Fred destacou, no entanto, que as perguntas não respondidas durante a reunião foram todas catalogadas. “A empresa tomará todas as notas possíveis e as que forem pertinentes a gente vai contemplar no plano”, assegurou.

Sobre os comentários do professor e geógrafo David Silva, que contestou o processo de elaboração do atual PMSB, alegando que o plano de 2011 (na gestão do ex-prefeito Julio Lossio) seria mais completo, Fred viu com naturalidade. “Se ele tem alguma contribuição a fazer dentro do plano, como cidadão que está morando aqui, a gente só agradece”, declarou.

Esclarecimento

O secretário aproveitou apenas para esclarecer a crítica do professor em relação a ter se recusado a recebê-lo em seu gabinete. Fred disse que no dia em que Davi o procurou, estava de saída para uma reunião urgente com o prefeito Miguel Coelho. “Eu falei para ela que naquele momento não poderia atendê-lo, e que voltasse em outra ocasião que a gente conversava. Pedi para minha secretária pegar os dados dele. Infelizmente ele criou esse tumulto na audiência. Foi dito como a gente conduziria a audiência, e ele queria realmente holofotes em cima dele. Mas a gente está aberto. Se ele quiser ir à Secretaria, é só marcar”, finalizou.

3 COMENTÁRIOS

  1. Acho que uma audiência pública, não seja o suficiente. Deveria ser marcado um tempo para cada cidadão se expressar, e não fazer indagações por escrito. Não se possui a certeza, de que as perguntas não respondidas, obterão as respostas e repassadas aos seus feitores. A conclusão, que se pode tirar é que se trata de um processo fechado, sem a efetiva participação da população. Infelizmente.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome