‘Rolo compressor’ dos governistas na Câmara de Petrolina autoriza pedido de Simão

por Antonio Carlos Miranda // 27 de outubro de 2022 às 18:46

Foto: Nilzete Brito/Ascom CMP arquivo

Mesmo com a perda de algumas peças em sua bancada, o prefeito de Petrolina, Simão Durando Filho (UB), deu mostras de que o ‘rolo compressor’ do governo na Câmara de Vereadores continuará lhe dando o respaldo necessário para aprovar, sem sobressaltos, os projetos enviados à Casa Plínio Amorim. A sessão plenária desta quinta-feira (27) foi mais um bom exemplo disso.

Amparado pela maioria governista, Simão conseguiu emplacar o projeto de lei 017/22, que solicita uma autorização para abertura de um crédito especial no Orçamento deste ano do Fundo Municipal de Saúde (FMS), além das Secretarias Municipais de Educação, Cultura e Esportes (SEDUCE) e da Fazenda e Planejamento. O valor total do crédito é de mais de R$ 10,2 milhões.

Pela proposta, o gestor pretende remanejar os recursos orçamentários desses órgãos para o pagamento da folha de pessoal. A justificativa, no entanto, não convenceu a bancada de oposição. Um dos primeiros a suscitar questionamentos, o vereador Professor Gilmar Santos (PT) alegou que o projeto não traz detalhes de quem seria o pessoal que o prefeito pretende pagar. Gilmar aproveitou para lembrar que os governistas aprovam, desde 2018, um valor de 40% para o remanejamento orçamentário ao qual o ex-prefeito Miguel Coelho e, agora, Simão têm direito sem a necessidade de pedir autorização à Casa.

É uma farra. Não há transparência. De 2017 pra cá, a gente tem solicitado a justificativa para a população entender onde o dinheiro vai ser aplicado, mas eles nunca enviam. E o que é que acontece? Possivelmente o dinheiro da população esteja sendo utilizado em algum esquema escuso. Observem o que aconteceu com o ‘Minha Casa Minha Vida’”, alfinetou o oposicionista, referindo-se à uma operação deflagrada no início da semana em Petrolina, pela Polícia Federal (PF), referente a possíveis irregularidades no programa federal ‘Casa Amarela’ (que substituiu o Minha Casa Minha Vida).

Incomodado com as críticas do colega, o governista Zenildo do Alto do Cocar (MDB) rebateu Gilmar ao argumentar que a Prefeitura de Petrolina é uma das mais transparentes do país. Ele também refutou as denúncias de esquema na gestão, reforçando que o projeto seria aprovado porque o município precisa de estrutura para o gestor trabalhar. “Nós confiamos no prefeito Simão Durando, que vem fazendo um grande trabalho”, declarou Zenildo, acrescentando ainda que a bancada têm independência.

Irmão do atual prefeito, o também governista César Durando (UB) explicou que o remanejamento é uma praxe de todas as gestões, orientado por bons técnicos, e Simão tem essa equipe para auxiliá-lo. Sem se referir a Gilmar, César disse que “alguns vereadores usam de hipocrisia e jogam para a plateia” quando criticam o projeto. “Ninguém aqui está aprovando empréstimo. Está aprovando um remanejamento dentro do orçamento”, completou.

Votação

O projeto 017/22 foi aprovado em primeira e segunda votações. Na primeira, recebeu 14 votos a favor e quatro contra; na segunda, 13 a favor e cinco contra. Os votos contrários na primeira foram de Samara da Visão (PSD), Professor Gilmar, Ronaldo Silva (PSDB) e Alex de Jesus (Republicanos). Já na segunda, a matéria não recebeu aval de Ronaldo Silva, Júnior Gás (Avante), Marquinhos do N4 (Podemos), Alex de Jesus e Professor Gilmar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.