Riscos da gravidez na adolescência são destacados por especialista do HDM/Imip

0
(Foto: Reprodução)

Encerrou-se nesta quinta-feira (7), em todo o país, a Semana Nacional de Prevenção da Gravidez na Adolescência, instituída pela Lei nº 13.798/19. A campanha visa a conscientizar a população sobre os riscos da gestação precoce e tem como objetivo disseminar informações sobre medidas preventivas e educativas.

Como hospital materno-infantil de referência para mais de 50 municípios da Rede de Saúde Pernambuco/Bahia (PEBA), o Dom Malan (HDM)/Imip de Petrolina recebe quase que diariamente adolescentes da faixa etária de 9 a 18 anos. Muitas delas são meninas, que saíram a pouquíssimo tempo da infância e estão prestes a trocar a boneca por um bebê de verdade.

Para se ter uma ideia, em 2017, dos 7.147 partos realizados pelo HDM, 597 (8,35%) foram em adolescentes. Já em 2018, dos 7.173 partos realizados, 887 (12,36%) envolveram o público dessa faixa etária. Os números mostram um aumento de 4,01% nesse percentual. “O nosso índice está abaixo do registrado em Pernambuco, que é de 23% na rede SUS, mas ainda é preocupante”, analisa o coordenador médico do Alto Risco, Marcelo Marques.

De acordo com o especialista o maior risco da gravidez na adolescência é o da prematuridade. “A gestação precoce representa um risco para mãe e para o bebê, já que a adolescente não está completamente preparada física e psicologicamente para uma gestação. A gravidez é considerada de risco e há maiores chances de aborto espontâneo, do bebê nascer com baixo peso e prematuro”, relata.

Outros riscos

Os outros riscos da gravidez na adolescência são: pré-eclâmpsia e eclampsia; complicações no parto que levam à cesariana; infecção urinária; alterações no desenvolvimento do bebê; má formação fetal e anemia. O risco de óbito da gestante também aumenta, assim como o risco de depressão pós-parto e rejeição ao bebê.

A adolescente C.M.F.D (16 anos), tem sofrido na pele essas dificuldades. Ela descobriu a gravidez há menos de 15 dias e já está com quatro meses de gestação. Veio ao Dom Malan para tratar uma infecção urinária. “Ela nem sabe direito o que está acontecendo. É tudo muito novo para nós”, garante a mãe, que está de acompanhante no internamento. Sua estatura e baixo peso preocupam. “Ela vai ser acompanhada de perto aqui no Alto Risco e nós esperamos que dê tudo certo”, destaca Dr. Marcelo.

É preciso que a escola, a família e o médico ginecologista oriente as adolescentes que optam por ter uma vida sexual ativa, pois só a informação e a educação podem evitar uma gravidez indesejada e as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs). “Não existe outra fórmula. É abordar o tema sem tabus e aumentar o diálogo”, afirma o médico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome