Queda de braço entre Compesa e prefeitura respinga nos petrolinenses

2

Esgoto ImbirasOs esgotos estourados e a água suja que escorre sem parar são uma cena comum em vários bairros de Petrolina. Em muitas comunidades, o problema não é resolvido por causa do jogo de ’empurra-empurra’ entre Compesa e prefeitura. A população reclama dos transtornos, mas não sabe nem a quem recorrer.

O problema acontece, por exemplo, no Jatobá e Henrique Leite (área central) e em toda área do Dom Avelar (Zona Norte). Segundo o gerente regional da Compesa, Igor Galindo, a prefeitura é responsável pelo esgotamento sanitário dos bairros, mas as obras ainda não foram concluídas.

“No bairro Dom Avelar, que é uma área grande da cidade, o município assumiu o projeto e ficou com todo esse recurso. O contrato ainda está em aberto na prefeitura. A Compesa não pode entrar com uma obra na comunidade, já que existe um mesmo contrato para o local, isso é uma questão jurídica. No Henrique Leite e Jatobá, os serviços não foram concluídos por parte da prefeitura. A Companhia está tentando recuperar o sistema, mas o esgotamento lá é precário”, explicou.

A prefeitura alega que a Compesa não estaria mais repassando a contrapartida das obras, o que estaria prejudicando o andamento dos serviços. No entanto, de acordo com Igor, o valor não foi mais repassado pela Companhia devido à nulidade do contrato de concessão entre as duas instituições.

“Nos locais em que a prefeitura estava fazendo o esgotamento sanitário, existe uma contrapartida que é do município. Essa contrapartida era ressarcida pela Compesa à prefeitura. É um recurso pequeno, em alguns locais chega a 3% do valor financiado. Quando o contrato foi nulo, a Compesa deixou de repassar essa contrapartida porque se não há mais contrato acaba aí a responsabilidade da Companhia”, informou.

Paliativos

Em relação ao bairro São Gonçalo, na Zona Oeste da cidade, o gerente regional explica que a Companhia não opera na comunidade, assim como em outros bairros onde a Compesa oferece apenas um suporte, fazendo paliativos para reduzir os transtornos causados pelos esgotos.

“No São Gonçalo, a rede foi feita pela prefeitura, há coleta, mas o esgoto não tem destino final, nem tratamento. A Compesa hoje dá um apoio ao bairro, mas ela não opera no local. Onde a Companhia não opera, ela também não cobra”, concluiu.

Por Monyk Arcanjo

2 COMENTÁRIOS

  1. Os esgotos estourados e a água suja que escorre sem parar são uma cena comum em vários bairros do Recife e RMR, isso ocorre porque existem muitas estações elevatórias e de tratamento sem manutenção e algumas desativas, fazendo com que a Compesa não realize o tratamento de esgostos exigidos pela norma de concessão, provocando, em alguns locais crime ambiental, onde os esgotos são lançados nos rios sem nenhum tratamento, além de a Compesa operar, em algumas situações, sem licença ambiental, o que já caraceriza crime ambiental. Tudo isso pode ser verificado se a ARPE e o Ministério Público exercerem seu papel de fiscalizar e punir os responsáveis.

  2. Respinga em nós moradores, pagamos impostos para ter um serviço de qualidade e no entanto ganhamos ruas esburacadas e esgoto a céu aberto escorrendo pelas ruas, aqui no Jatobá não aguentamos mais, além de buracos, esgoto, temos a total escuridão e insegurança com várias casas arrombadas. Não sei de quem é o dever se da compesa ou prefeitura, só sei que quero soluções imediatamente!

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome