Projeto social do MPT-PE beneficia famílias de apicultores no Sertão

por Carlos Britto // 09 de agosto de 2021 às 11:33

Foto: arquivo

Cerca de 50 famílias de apicultores dos municípios de Arcoverde e Ibimirim, Sertão de Pernambuco, serão beneficiadas com a destinação de aproximadamente R$ 120 mil do Ministério Público do Trabalho (MPT-PE) para o projeto ‘Colmeias da Misericórdia’, da Organização Não Governamental (ONG) Terras da Misericórdia. O montante, revertido de multas decorrentes da atuação da Procuradoria do Trabalho no Município (PTM) de Caruaru (Agreste), irá viabilizar o funcionamento de uma fábrica de mel na região, que não está em operação.

A entrega das colmeias acontecerá nesta terça-feira (10). O evento marca o início das atividades da fábrica. Participam do projeto a procuradora-chefe do MPT em Pernambuco, Ana Carolina Ribemboim, a procuradora do Trabalho responsável pela destinação, Vanessa Patriota, o superintendente regional do Trabalho e Emprego, Napoleão Gomes, além do analista de políticas sociais da SRTE, Vinícius Lobo. No mesmo dia, o grupo ainda se reúne com a Prefeitura de Arcoverde, para viabilizar a venda do mel para o município.

As famílias integrantes do projeto têm um incremento de aproximadamente R$ 783 na renda mensal, obtido a partir da produção de 54 quilos de mel por mês, um total de cinco toneladas de mel por mês. Inicialmente as 50 famílias de apicultores e meliponicultores receberão quantidades iguais de colmeias, sendo distribuídas para 35 famílias residentes no município de Arcoverde e 15 famílias residentes no município de Ibimirim. A expectativa é que a produção total de mel, por mês, alcance em torno de três toneladas.

Missão

Para Vanessa Patriota, as destinações realizadas pelo MPT têm o potencial de aproximar ainda mais o órgão ministerial da sociedade. “As reversões que realizamos validam a importância social do trabalho promovido pelo MPT junto à própria sociedade. Nossa atuação vai além do acionamento judicial. Colaborar com iniciativas que promovem a geração de emprego e renda para a população vulnerável do estado é muito importante. Para nós, é a melhor forma de concluir uma ação”, coloca a procuradora do Trabalho.

Junto com um projeto surge um sonho: gerar renda para os mais pobres. Acreditamos nas possibilidades da nossa comunidade, ajudando os mais vulneráveis a organizar a comunidade e viabilizar pequenos grandes projetos. Assim vejo a parceria com a Superintendência Regional do Trabalho e o Ministério Público do Trabalho, que se unem a nós, uma instituição aberta ao mundo do trabalho, da geração de renda e da economia de partilha, em favor do pobres“, pontuou o padre Adilson Simões, à frente da ONG.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *