Profissionais de saúde receberão dose de reforço de vacina

por Carlos Britto // 26 de setembro de 2021 às 15:46

Foto: Tânia Rêgo / Agência Brasil

Os profissionais de Saúde passarão a receber dose de reforço da vacina contra a Covid-19. A decisão foi tomada por gestores do Ministério da Saúde e secretários estaduais (Conass) e municipais de saúde (Conasems). A decisão foi anunciada pelo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, em suas redes sociais. Ele disse que a dose deve ser aplicada após os seis meses da imunização completa. A vacina usada será preferencialmente da Pfizer.

Acabamos de aprovar a dose de reforço para profissionais de saúde, preferencialmente com a Pfizer, a partir de seis meses após a imunização completa”, escreveu. A dose de reforço já havia sido aprovada para idosos a partir dos 70 anos e em imunossuprimidos. Todos os imunossuprimidos que já tomaram a segunda dose da vacina há 21 dias poderão receber o reforço. No caso dos idosos, eles devem ter tomado a segunda dose há mais de seis meses.

A necessidade de doses de reforço de vacinas contra o coronavírus vem sendo discutida em âmbito mundial. Estudos mostram que a proteção das vacinas cai com o tempo. O Ministério da Saúde realiza um estudo em parceria com a Universidade de Oxford para avaliar a necessidade de terceira dose da vacina contra a Covid-19.

O estudo, que começou em agosto, vai verificar a intercambialidade da Coronavac com outros imunizantes disponíveis para a população brasileira. Ele deve abrir uma nova frente: o teste da meia dose de reforço. A ideia é saber se as pessoas que receberem a metade de uma dose completa na terceira aplicação ficam igualmente imunizadas.

Recuo

A decisão de aplicar a terceira dose em profissionais de saúde foi tomada dois dias após o Ministério da Saúde recuar e voltar a indicar que adolescentes sem comorbidade recebam a vacina contra a Covid-19. A pasta preparou nota técnica e informe aos gestores do SUS com orientações para recolocar o grupo de 12 a 17 anos na campanha de imunização. A Saúde ainda recomenda só vacinar estes jovens sem comorbidades após garantir o reforço da vacinação de idosos e grupos mais vulneráveis, encurtar o intervalo entre as aplicações das vacinas, além de imunizar adolescentes com deficiência ou privados de liberdade. (Fonte: Folha/PE)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *