Professora relata, em livro, tradições e rotina da Ilha do Massangano

por Antonio Carlos Miranda // 16 de setembro de 2021 às 22:29

A Ilha do Massangano, com suas tradições e uma comunidade apaixonada por suas raízes, foi parar em 118 páginas do livro de autoria da professora Antonise Coelho. ‘Ilha do Massangano, Uma Terceira Margem no Velho Chico’ (Appris Editora) é resultado de um intenso trabalho de pesquisa feito em 2004 por Antonise para sua tese de mestrado em Sociologia.

Estimulada por um colega professor da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), que se encantou pelo local, Antonise caiu em campo para fazer uma ‘raio x’ social da ilha. O que mais chamou a atenção dela é que os moradores, embora próximos de Petrolina (PE) e de Juazeiro (BA), se sentem orgulhosos apenas de ser “o povo da Ilha do Massangano”.

Prova disso é que muitos deles, que trabalham na cidade, deixam suas casas todos os dias para cumprirem suas rotinas nas fazendas de frutas da região, mas sempre voltam no fim do dia, e não pretendem mudar de endereço.

Atualmente os moradores da Ilha do Massangano (que formam no total mais de 1,5 mil famílias) vivem basicamente da agricultura de subsistência por meio da produção de frutas e verduras, que comercializam nas duas cidades. As roças estão em boa parte do local. O pai de Antonise, por exemplo, mantém um lote por lá, que já chegou a nove hectares. Hoje, são seis. Até por este motivo ela não teve trabalho para levantar todo o material. “Fiquei morando na ilha por mais de um mês, na casa do meu pai, e ia todos os dias pela manhã percorrendo a ilha. É um trabalho que a gente se insere na comunidade, e eles (moradores) me respeitavam porque conhecem minha família. Não fiz esse trabalho, não fui lá, como uma pessoa de fora”, frisou.

Do rudimentar, Antonise destaca também a modernidade que já chegou à ilha através da Internet, dominada sobretudo pelos mais jovens. No entanto, ela se mostra apreensiva justamente quanto ao futuro das próximas gerações, em manter os costumes sem que a tecnologia seja um obstáculo.

Tradições

No seu livro, Antonise também passeia pelas tradições da comunidade ribeirinha. Uma delas são os penitentes religiosos, também presentes na Ilha do Rodeadouro (vizinha à do Massangano); a outra, claro, é o Samba de Véio, reconhecido até mesmo fora do país. Uma das responsáveis – senão a maior delas – foi a saudosa líder comunitária e ex-vereadora Raimunda Sol Posto. Antonise destaca, no entanto, que ainda falta um apoio governamental para valorizar esse ritmo e os artistas por trás dele.

A questão ambiental também não foi esquecida pela autora. Além do lixo, o assoreamento do Rio São Francisco também é mencionado no livro.

Apoio

Antonise conta que seu trabalho de Mestrado havia sido publicado ainda na década passada, quando lecionava no IFSertãoPE, onde atuou por 11 anos. Em 2012, o Instituto doou 500 exemplares para bibliotecas de outros instituições federais, mas ela queria expandir essas informações sobre a Ilha do Massangano para mais pessoas. Ela, então, entrou em contato com a Appris Editora (de Curitiba-PR), cujo selo está ligado às Ciências Sociais. “Eles aplaudiram meu trabalho, que talvez nem eu mesma tinha essa noção”.

Após passar por revisão, o livro recebeu o apoio de amigos da professora, que fizeram o prefácio. Antonise ressalta que fez questão de deixar de fora os detalhes sociológicos e teóricos do Mestrado, deixando apenas a narrativa. “Não é uma obra exaustiva. Não estou falando apenas para o professor ou o estudante de graduação. O livro é de fácil compreensão de todos”, concluiu.

Interessados em adquirir o livro, que custa R$ 46,80, podem acessar livrarias digitais como Magalu e Amazon (inclusive no formato de e-book). Em Petrolina, está disponível na Papelaria Aquarela, na Rua Coronel Amorim (Centro). É possível comprar também via Pix: (87) 9 8848-5350 (número do celular de Antonise).

Professora relata, em livro, tradições e rotina da Ilha do Massangano

  1. Francisco disse:

    Li e recomendo a leitura para outras pessoas.

  2. CLÉA ALBUQUERQUE disse:

    Estou saboreando pela descrição da Professora Antonise ,a vivência dos moradores da ilha do Massagano,que , como ilhéus entre duas cidades ribeirinhas do Rio S.Fancisco ,mantém sua identidade própria com sua tradições e modos vivent e que Antonise soube tão bem descrever e fazer da leitura do seu livro algo prazeroso e e informativo .Despertou-me a vontade de conhecer esta ilha que espero fazer um dia em minhas andanças no médio S.Francisco.

  3. Carla Real disse:

    Este livro relata muito bem as tradições do povo que vive na Ilha do Massangano. Para quem morou às margens do Velho Chico, uma lembrança, e, para quem não conhece, desperta a vontade de visitar aquele lugar.

  4. Antonise Aquino disse:

    Queridas amigas, Carla e Cléa, agradeço-lhes os comentários pela leitura feita do meu livro ILHA DO MASSANGANO: UMA TERCEIRA MARGEM NO VELHO CHICO. Além de gesto carinhoso, vocês abordam muito bem a riqueza de conhecer essa comunidade ribeirinha. Abraço,
    Antonise ( 87) 9 8848 5350

  5. Antonise Aquino disse:

    Francisco, obrigada por seu feedback. Gostaria de saber seu sobrenome para lhe enviar uma resposta mais pessoal. Abraço e muito obrigada.
    Antonise

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *