Professor Gilmar Santos lamenta requerimentos barrados na Casa Plínio Amorim e detona “postura paradoxal” de governistas

1
Foto: divulgação

Se não causou surpresa ontem (24) na Casa Plínio Amorim a derrubada do requerimento do líder oposicionista Paulo Valgueiro (MDB) e do seu colega Gabriel Menezes (PSL), pedindo informações à Prefeitura de Petrolina acerca de empresas prestadoras de serviço ao município investigadas pela Polícia Federal (PF), outro requerimento – também barrado – tirou do sério o Professor Gilmar Santos (PT). Autor da proposta, ele solicitava do Executivo a realização de uma audiência pública com o objetivo de debater questões referentes ao processo de regulamentação fundiária.

Em entrevista a profissionais da imprensa local, na sessão de ontem, o petista criticou o veto dos governistas não apenas à sua proposta. “O comportamento dos vereadores da situação, em relação a esses dois requerimentos, é vexatório, vergonhoso, contraria o interesse público”, alfinetou.

Em relação às empresas investigadas, Professor Gilmar justificou que a bancada estava apenas solicitando informações do município, e não julgando o governo. Já quanto ao seu requerimento, o vereador lembrou que Petrolina tem um histórico de diversos bairros que começaram como ocupações, a exemplo do José e Maria, e uma parte deles não teve sua regularização fundiária, deixando muitas pessoas sem escrituras. Além disso, ele alerta para a especulação imobiliária, que ainda é muito forte na cidade e colabora para fraudes. Como exemplo ele citou denúncias de cidadãos que já possuem residências e mesmo assim foram contemplados no Programa ‘Minha Casa Minha Vida.

Professor Gilmar também não engoliu a desculpa dos governistas, de que iriam votar contra seu requerimento porque a atual administração já concedeu até o momento títulos de posse para mais de 5 mil pessoas. “Título de posse não é suficiente para garantir a regularização. Regularização é um conceito amplo, que envolve, além do título, a escritura, mas também a infraestrutura necessária para as pessoas viverem bem”, ponderou.

Paradoxo

O vereador oposicionista citou uma recente audiência pública na Casa, pela qual a população clamou por moradias e cobrou dos representantes do Legislativo que pressionem a justiça para combater as fraudes. “Temos a mesma Câmara que disse que tinha compromisso com essas pessoas, votando contra o interesse delas”, lamentou. Ao comentar a postura paradoxal dos governistas, Professor Gilmar deixou claro que falta “transparência” à base aliada.

1 COMENTÁRIO

  1. Não tem nada de vergonhoso, vexatório e tampouco paradoxal… Muito pelo contrário! TODO E QUALQUER TIPO DE REQUERIMENTO OU PROJETO QUE SEJA PROPOSTO POR ESSE OU QUALQUER OUTRO POLITICO ALINHADO À MAIOR ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA DA HISTORIA POLITICA DO BRASIL, QUAL SEJA: PT (PARTIDO DOS TRABALHADORES) DEVE SER REJEITADO SUMARIAMENTE SEM QUALQUER ANALISE DE MÉRITO. TUDO ISSO PELO SIMPLES FATO DE QUE NENHUM, ABSOLUTAMENTE NENHUM SER VIVO EXISTENTE NA FACE DA TERRA, QUE COADUNE COM OS IDEAIS DO PT, SERIA CAPAZ DE PROPOR ALGO QUE FOSSE REALMENTE BENEFICIAR A COMUNIDADE COMO UM TODO. TUDO QUE VEM DESSA LAIA É CHORORÔ, MIMIMI E INTERESSES PURAMENTE PARTICULARES. SIMPLES!

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome