Prefeitura de Petrolina desocupa casas ilegais no Pedra Linda

por Carlos Britto // 07 de abril de 2009 às 20:35

A Secretaria Municipal de Planejamento da Prefeitura de Petrolina cumpriu o prometido: desocupou, ontem (06) uma área invadida pelos sem teto no bairro Pedra Linda, onde até casas de alvenaria já estavam construídas. As máquinas da prefeitura derrubaram todas elas, gerando muita revolta.  

Numa reunião ocorrida no mês passado entre representantes da prefeitura, associação de moradores e líderes das famílias de sem teto, havia sido firmado um acordo de que os “invasores” do Pedra Linda seriam cadastrados e contemplados pelo programa habitacional do município, conforme os critérios.

O presidente da associação do bairro, Avelar Nunes, no entanto, se disse surpreso com a atitude da prefeitura e tachou de “mentiroso” o vice-prefeito Domingos Sávio, que tinha participado da reunião. O diretor de Habitação da Secretaria de Planejamento, Ednaldo Lima, partiu para o revide, afirmando que Domingos manteve sua posição e que ele (Avelar) sabia que a prefeitura ia desocupar o local porque o mesmo estava sendo utilizado de forma irregular.

A área ocupada tinha sido doada pela prefeitura há cinco anos e os beneficiários ficaram de assinar um Termo de Ocupação de Unidade Imobiliária de Interesse Social (conhecido como Terreno do Pedra Linda). No último final de semana eles foram convocados pela Secretaria a comparecer na Escola Municipal Anete Rolim para efetivar o documento.

Ednaldo Lima garantiu que um projeto de moradia popular na área invadida do Pedra Linda está em curso, conforme cronograma estabelecido pelo Programa Minha Casa, Minha Vida, do governo federal. As informações são do Gazzeta do São Francisco.

Prefeitura de Petrolina desocupa casas ilegais no Pedra Linda

  1. andrade disse:

    isso é que é cuidar das pessoas!!! Valeu Domingos! Valeu Prefeito, vocês tem um jeito diferente de cuidar das pessoas!!!

  2. ATENTO disse:

    Ednaldo Torres, quem te viu e quem te vê… Sou contra invasão de terreno, seja público ou privado… mas a PMP bem que poderia resolver este problema de forma menos truculenta… Esperar que o governo federal resolva assunto da PMP é bom demais… Na campanha era “vamos manter bemas pessoas”, tomaram posse, agora é “vamos bater bem nas pessoas”.

  3. David nomero De Macedo disse:

    SE É INVASÃO TEM QUE ACABAR E PARAREM DE FRESCURA, POIS O MUNICIPIO TEM QUE CONTROLAR SE NÃO VIRA FAVELA E BADERNA IGUAL AO RIO DE JANEIRO, UMA CIDADE CITIADA PELAS FAVELAS SEM CONTROLE DO ESTADO.

    A FALTA DE PODER CHAMA A DESORGANIZAÇÃO, CHAMA A INVASÃO, CHAMA A MARGINALIZAÇÃO QUE CHAMA A VIOLÊNCIA.

    O ESTADO TEM QUE INTERVIR COM O PODER QUE LHE É DADO PELO POVO.

  4. vergonhoso disse:

    A obrigação do municipio de fornecer habitação ao povo já virou marginalização, violencia. A culpa é do povo todo mundo sabia que este pobre rapaz não tinha capacidade para ser prefeito.

  5. Passou disse:

    Na administração passada casos mais graves como o caso do Porto Fluvial, onde o prefeito não tinha responsabilidade direta porque se tratava de questão do Estado, o prefeito da época interveio juntoa ao Juiz e conseguiu suspender a derribada dos casebres. Alugou um prédio, alojou o pessoal e providenciou construções de casas pra aquela gente. Críticas aconteceram, porque nem Jesus se livrou delas. O importante é que, naquele caso, houve sim um cuidado dignificante. Aos poucos Petrolina vai reconhecendo como é saudoso o prefeito Odacy. Além do mais o nosso prefeito anterior, quando não conseguia resolver um problema não deixava de dar aquela atenção aos pobres e ricos de forma equânime. Gradativamente a história se confronta com os nossos dias e um futuro se constroe resgatando os melhores nas próximas eleições. Odacy nós teremos você de volta. Voce teve apenas 2 anos. Nós queremos mais.

  6. roberto carvalho disse:

    a lembrança do caso das famílias do porto e bem oportuna para se ver o que era cuidar das pessoas.

  7. ARY BEZERRA disse:

    O caso do Porto é bom de ser relembrado para q a população conheça bem as pessoas q se prontificam a representá-la. Quem não lembra de Ednaldo Lima lá, quase virando um mártir, pq não podia botar o povo pra fora, pq o povo tinha direito, pq se estavam ali é pq não tinham pra onde ir. E a agora? mudou tudo, ele está do outro lado. Bote o povo pra fora, passa o trator, pisa, esmaga.
    O que ele queria era um salário, não conseguiu o de vereador tratou logo de arrumar uma vaguinha na prefeitura, sem contar q ele era candidato em outro grupo politico e que confirma q o salário é qem diz a algumas pessos o q elas devem ou não defender.
    Eis a Nova Petrolina!

  8. Francisco disse:

    Foi triste a derrubada da igreginha que vinha sendo construída…Meus Deus. é muita violência.

  9. Junila ALves disse:

    Democracia é isso. Gosto de ver como o povo se manifesta. A ideia dos blogs oportuniza o povo a opinarem sobre os assuntos do seu Estado, principalmente do seu Municipio que lhe falam diretamente. Quero, com a permissão dos comentadores acima, Ari Bezerra e Passou, fazer minhas as suas palavras … Eramos felizes e não sabia. E esse Ednaldo, acho que é o mesmo que a vereadora Maria Helena criticou hoje na Petrolina Fm pelo mesmo motivo qu e voces abordam. Alias esses radicais do PT, são os piores quando o poder lhes chegam as maõs… , claro com excessões. Obrigado pelo espaço.

  10. Junila Alves disse:

    Perdão pelo “lhes chegam”
    corrijo: lhes chega …

  11. Opara disse:

    A Prefeitura agiu certo. Tem que parar com essa onda de invasão em Petrolina. Se toda pessoa que invadir for contemplada com uma casa, o critério para doação de casas será o de quem invadir primeiro. A coisa tem que ser com planejamento… e tem que ter um limite, senão não sobra dinheiro para outras obrigaçoes do poder publico.

  12. Mara disse:

    se são tão machos, domingos, ednaldo, lóssio etc pq não resolvem a questão dos mototaxistas?????? hein? é mais URGENTE

  13. Marcia Maria Menenzes disse:

    Sou contra quaisquer ato ilegal… Provem a quaisquer coisa que tenham direito…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *