Plano de vacinação em Pernambuco muda após atraso de novas doses da CoronaVac/Butantan

0
Foto: Heudes Régis/SEI

A Secretaria Estadual de Saúde (SES) de Pernambuco pactuou, nesta segunda-feira (26), na Comissão Intergestores Bipartite (CIB), que as doses remanescentes da CoronaVac/Butantan devem ser utilizadas prioritariamente como segunda dose, para completar os esquemas vacinais já iniciados contra a Covid-19. A recomendação foi necessária, já que a última remessa do imunizante encaminhada pelo Ministério da Saúde (MS) veio abaixo do esperado.

Ainda foi reforçado que, caso não haja estoque, os gestores municipais devem fazer o agendamento para quando uma nova remessa chegar, prevista apenas para maio. É imprescindível que, quando houver o imunizante, seja feita a segunda aplicação, garantindo a imunidade. “É importante reforçar que o indivíduo que recebeu a primeira dose não perderá essa dose. A medida que cheguem mais vacinas, será finalizado o esquema, sem perda de eficácia do imunizante”, frisou a superintendente de Imunização da SES-PE, Ana Catarina de Melo.

Com esse problema na distribuição da CoronaVac/Butantan pelo Governo Federal, também ficou decidido que, nas entregas futuras, Pernambuco dividirá os imunizantes para ambas as doses. É importante lembrar que, nas primeiras remessas, o Ministério da Saúde orientava dividir as vacinas desse fabricante, guardando aquelas destinadas às segunda doses, já que a segunda aplicação deve ser feita em um intervalo de 21 e 28 dias após a primeira. Já os quantitativos enviados entre os dias 17 e 25 de março, também por recomendação do próprio órgão federal, foram exclusivos para uso como primeira dose. Na ocasião, o Ministério da Saúde assegurou o repasse das segundas doses em tempo oportuno para garantir a correta imunização da população.

Para se ter ideia, de 17 de março, quando os municípios foram orientados a usar todas as doses na primeira aplicação, até hoje, Pernambuco recebeu 1.066 milhão de doses da Coronavac. Deste total, 596 mil foram destinadas para a primeira dose e apenas 470 mil para a segunda. Há, portanto um déficit de mais de 126 mil doses da vacina Coronavac para completar a imunização dos pernambucanos. Na última remessa enviada, em 24 de abril, havia a expectativa de recebimento de pelos menos este quantitativo. Mas houve apenas a entrega de 28,4 mil unidades do imunizante produzido pelo Instituto Butantan. (Fonte: Folha de PE)

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

16 − 11 =