7 COMENTÁRIOS

  1. A falta de justiça que faz com que isso aconteça. Defendo que todo aquela de viola direito dos outros deve ter seus direitos violados. Que pague do mesmo jeito e o mesmo preço. Sabe a razão de tantas mortes no país? A impunidade. A dor de uma família que perde um ente dessa maneira deve ser imensurável ai o marginal se for preso passa pouco tempo e vai ri da cara dos familiares e da sociedade. Por isso muitos cidadãos faz sua própria justiça.

  2. Costumava andar por minha cidade, com certa tranquilidade. Porém hoje, após o ocorrido, inconscientemente, me via desviando de certos lugares até que me deparei com a realidade do meu medo.
    Medo em andar por minha própria cidade. Medo ao avistar um homem no início da rua. Medo de ser a próxima vítima.
    Com o coração amedrontado, peço que as autoridades de nossas cidades, tomem providências sobre segurança em Juazeiro e Petrolina. A violência contra nós, mulheres, só têm aumentado a cada dia. Não aguentamos mais tamanha dor do medo.
    Homens (amigos, namorados, maridos, colegas, familiares), nos ajudem nessa luta. Diga NÃO à Violência Contra a Mulher!!!

    • Não à violência contra qualquer pessoa. De cada 100 homicídios em Petrolina, 95 são homens e 5 são mulheres. O problema é a impunidade. Penas mais severas contra estuprador. Castração química urgente.

      • Tem que liberar porte de armas de fogo ou armas não letais como Tasers ou sprays de pimenta! Como o projeto em andamento no Brasil fala em tratamento voluntário para redução de pena, creio que nenhum estuprador vai se submeter a castração química para ter sua pena reduzida, a maioria vai querer mofar na cadeia, para que depois de solto possa ter suas funções sexuais preservadas. Além do mais o efeito da droga usada na castração é temporária. Não vejo muita eficiência nesta castração química.

  3. Se as vítimas não estiverem mais com o aparelho celular que tentem resgatar o chip delas baixem novamente o whatsapp e recuperem as conversas,pode ser que tenha algo interessante pra ajudar na investigação

Deixe uma resposta para Pedro Silva Cancelar resposta

Comentar
Seu nome