Pela 13ª vez quenianos dominam prova da São Silvestre em São Paulo

por Carlos Britto // 31 de dezembro de 2012 às 10:39

Os quenianos confirmaram, de novo, que adoram correr a São Silvestre. Pela 13ª vez, superando os brasileiros, que somam 12 vitórias, um atleta do país subiu no lugar mais alto do pódio na prova masculina. O ganhador de 2012 foi Edwin Kipsang, recolocando o Quênia no topo da disputa, o que não acontecia desde 2009.

Com a marca de 44min04, Kipsang sobrou nos metros finais e entrou na Paulista com enorme distância antes os rivais. Assim, teve tempo de cruzar a linha de chegada fazendo festa.

Além da vitória, o Quênia colocou mais dois representantes no pódio, Joseph Aperumoi e Mark Korir, na segunda e na terceira posições, respectivamente. Entre os brasileiros, o mais bem colocado foi Giovani dos Santos.

Sem a presença de Marílson dos Santos e Franck Caldeira, Giovani entrou na São Silvestre como uma espécie de azarão. No entanto, os resultados nos últimos anos, como o bronze nos Jogos Pan-Americanos de 2011, em Guadalajara, e a conquista da Volta da Pampulha, em 2012, em Belo Horizonte, o credenciavam para o título.

A conquista não veio, mas o quarto lugar deixou o atleta de 31 anos feliz da vida. “Atingi o tempo e objetivo que eu queria fazer. Estou feliz. Não deu para ganhar dessa vez, mas, quem sabe, na próxima”, disse, em entrevista à TV Globo.

Com o resultado, os quenianos alcançaram sua 13ª vitória na história da prova masculina. O último triunfo havia acontecido em 2009, com James Kipsang, vencedor também em 2008. O último brasileiro a vencer a São Silvestre, em 2010, foi Marílson Gomes dos Santos. O tricampeão não disputou a prova deste ano.

A prova

Os representantes do continente africano dominaram a prova desde o início. Giomar Pereira da Silva, do Cruzeiro, chegou a acompanhar o grupo até a região do estádio do Pacaembu, mas deixou o pelotão rapidamente, e a briga pela vitória ficou restrita aos estrangeiros.

Os quenianos Edwin Kipsang, Mark Korir e Joseph Aperumoi imprimiram um ritmo forte e passaram a disputar a liderança. O último foi contratado para representar o Cruzeiro, que poucos minutos antes contou com a queniana Maurine Kipchumba para vencer. Giovani não chegou a participar diretamente da disputa pela primeira posição, mas se manteve a uma distância razoável do grupo que liderava a prova.

Mais inteiros, Kipsang e Korir aceleraram e passaram a liderar a corrida de forma confortável na altura do nono quilômetro. Na subida da Brigadeiro Luís Antônio, em um ritmo impressionante, o primeiro se desgarrou e partiu para conquistar a vitória. Aperumoi reagiu nos últimos metros e chegou a ultrapassar Korir. Ainda que tenha demonstrado força na parte final, o representante do Cruzeiro não conseguiu alcançar o compatriota Kipsang. Giovani cruzou a linha de chegada no quarto lugar e foi o melhor brasileiro. (Fonte/foto Estadão)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Últimos Comentários

  1. Foto historica, de pessoas que contribuiram enormimente para o progresso da nossa regiao.