Pecuaristas do semiárido são incentivados a mudar de postura para aumentar rentabilidade

por Carlos Britto // 20 de janeiro de 2012 às 13:40

O último dia de palestras do Seminário Sobre Produção e Comercialização de Carne Leite e Pele em Cabrobó (PE) foi marcado por apresentações que visavam a estimular os pecuaristas locais a mudar algumas posturas que impedem a obtenção de maior lucratividade. Para o supervisor do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural em Pernambuco (Senar-PE), Marcos Dornelas, a maior dificuldade é colocar em prática os conhecimentos disponíveis.

“Pesquisa existe. As instituições estão fomentando esse tipo de trabalho. O que precisa por parte do produtor é pegar esse tipo de conhecimento e aplicá-lo. Claro que isso precisa ser no tempo deles, porque não adianta ter pesquisa que o produtor não vá poder assimilar e aplicar. Não só em termos de conhecimento, mas também financeiramente. O que falta para eles é essa ponte entre a pesquisa e atividade que ele desenvolve no dia a dia”, ressaltou.

Segundo Dornelas, os pecuaristas do semiárido ainda têm uma postura que reduz sua lucratividade. “Na minha visão ele perde do início ao fim do processo, mas principalmente no fim do processo, quando acontece a comercialização. Se ele não tem um produto para atender o mercado, ele vai continuar fora desse mercado. Ele continua abatendo clandestinamente, oferecendo ao mercado um produto que não atende as exigências e especificações que o mercado está necessitando. Infelizmente quem vai sempre ganhar mais é o comerciante que está no fim do processo, o restaurante o atravessador… Por não ter um produto de qualidade para oferecer a esse mercado ele vai continuar perdendo”, lamentou.

Promovido pelo Sindicato Rural de Cabrobó, o Seminário Sobre Produção e Comercialização de Carne, Leite e Pele terá sua seu encerramento nesta sexta-feira (20). A principal atividade do dia será uma visita técnica a uma Fazenda de Caprinos no município de Dormentes (PE), cidade considerada Capital Pernambucana da Caprinovinocultura. (Com informações da Ascom)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *