Pais de alunos rede municipal contestam ações da Prefeitura de Lagoa Grande

por Carlos Britto // 20 de fevereiro de 2024 às 15:00

Ações contestadas  da Secretaria de Educação da Prefeitura de Lagoa Grande (PE), no Sertão do São Francisco, têm sido alvo de denúncias por parte dos pais e mães de crianças que frequentam a rede municipal de ensino. Ao Blog do Carlos Britto, os responsáveis relataram que os estudantes foram transferidos para escolas distantes de suas moradias, sem consulta prévia aos familiares.

As mudanças, segundo eles, têm causado transtornos, pois, além da distância, há casos em que irmãos foram transferidos para escolas diferentes. “Para os pais e mães que trabalham e têm dois ou três filhos, hoje precisam deixar os alunos em duas ou três escolas diferentes ao mesmo tempo, como é que pode?“, relata Francisco Sousa, avô de duas crianças que estudam em unidades do município.

Segundo ele, as notícias sobre as mudanças foram anunciadas poucos dias antes do início das matrículas, impossibilitando as famílias de se adaptarem à nova rotina em tempo hábil. Francisca Silva, mãe de uma criança com deficiência, diz que optou por não realizar a matrícula do filho de 9 anos, que começou a andar há pouco tempo e possui dificuldade de locomoção, tornando difícil a ida até a nova escola.

No caso das crianças com deficiência, a situação se torna ainda mais desafiadora, afirmam as mães. Devido à distância e às más condições das estradas de acesso, estudantes com dificuldade de mobilidade, como crianças cadeirantes, não conseguem chegar à escola devido às estradas de chão sem calçamento.

Não tem como empurrar uma cadeira em estradas sem calçamento. Não há uma rua asfaltada que ligue esses bairros à escola, é muito complicado“, explica Samara Santana, mãe de uma aluna cadeirante. Além disso, os pais reclamam que até o momento as escolas estão sem profissionais de Atendimento Especial (AE), obrigatórios para auxiliar crianças com deficiência.

Diante do problema, foi criada uma Comissão para reivindicar aos órgãos competentes a resolução da problemática. Os integrantes afirmam ter elaborado um relatório e um abaixo-assinado, já protocolado na Promotoria Pública, eque está aguardando resposta. O objetivo é que as necessidades da população sejam tratadas com seriedade pelo poder público municipal.

Pais de alunos rede municipal contestam ações da Prefeitura de Lagoa Grande

  1. Filiphi disse:

    Não vai dar em nada, a cidade tem Lei e o nome da Lei é Cappellaro! Ele manda e desmanda.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Últimos Comentários

  1. Ciclo da extorsão isso sim, bebidas superfaturadas, espaços superfaturados, atrações superfaturadas, até o estacionamento custa os olhos da cara, numa…