Pacientes sofrem à espera de atendimento médico nos hopitais de Juazeiro

por Carlos Britto // 31 de março de 2009 às 14:00

Pessoas necessitadas de atendimento médico, que se dirigiam ao Hospital Regional de Juazeiro, em funcionamento na Santa Casa da Misericórdia, na última sexta-feira (27) foram obrigadas a procurar outros hospitais. O motivo é que a instituição pública não dispunha de nenhum médico para atender quem precisasse de pronto-atendimento. A população que recorre aos hospitais conveniados ao Sistema Único de Saúde (SUS) não tem recebido o acolhimento que merece.

A senhora Gislane Brito Mateus, residente no Bairro Jardim Flórida, já teve dois infartos e uma isquemia cerebral, doença que em segundos pode causar danos irreversíveis. Na sexta-feira à noite, assistia ao culto religioso quando começou a passar mal. Foi levada às pressas para o Hospital Regional e recebeu dos funcionários a mesma resposta que os demais que recorreram à instituição em busca de alento: “não há médico para realizar o atendimento”.

O médico plantonista não apareceu para trabalhar e os funcionários alegavam que não tinha como entrar em contato com ele. Removida para a PROMATRE, encontra outro cenário que a impediria de ser assistida de imediato: havia apenas um médico atendendo. À espera de atendimento, tornou a passar mal sobre o banco e, somente após uma hora, foi medicada.

Quanto à demora no atendimento na PROMATRE, a enfermeira-chefe, Daniela Matos, disse que o Hospital recebe a demanda inteira de Juazeiro, além de mais 22 municípios baianos. “O que dificulta é que o Cemec e o Regional não têm médicos, ou não estão atendendo. O que acontece de demorar é a questão da superlotação. E a gente está superlotado. Só quem funciona, na verdade, é o hospital PROMATRE,” defendeu.

Procurado pela Reportagem para saber sobre a falta de médico, o administrador do Hospital Regional, Horácio Rapadura, argumentou que o estado arca com todas as despesas materiais da instituição, além de assegurar 54 dos 62 plantões mensais, enquanto a Santa Casa não contribui com compra de medicamento nem com fornecimento de médico, ocasionando o déficit no atendimento. “Em termos de manutenção, o estado mantém integralmente as despesas.

A Santa Casa e o município não podem colaborar com oito plantões?”, indaga. Para o administrador, o município como gestor maior tem que assumir o papel que cabe à municipalidade. “Ele tem que colocar os PSF dele para funcionar, porque as emergências que vêm aqui não são emergência não. É ambulatório. Tem que entender que quem está aqui não só é o Hospital Regional, é a Santa Casa também. A responsabilidade é da Secretaria Municipal de Saúde,” afirma Horácio.

Francisco Marcos Marçal, diretor da Santa Casa de Misericórdia, por sua vez, rebate a falta de assistência médica alegando a incapacidade financeira da instituição. “Os médicos são contratados da Secretaria de Saúde da Bahia. A Santa Casa não tem condições de contratar médicos, porque não tem recursos. No dia que o Regional sair, eu fecho as portas se não houver o compromisso do gestor municipal,” conclui Marçal.

Enquanto as administrações dos hospitais não assumem a responsabilidade devida, os juazeirenses ficam procurando alternativas de atendimento público de saúde e torcendo para que o cenário reverta-se. Assim como na sexta (27), outros dias também ficaram descobertos, sem médicos, como na segunda (30)  No Regional, às 12horas, uma grande fila estava à espera de um médico, previsto para começar a trabalhar às 7h30, mas que ainda não havia chegado.

À espera, os pacientes lamentavam a fome, o calor e o receio que algo pior viesse a acontecer, como o não atendimento médico. Na PROMATRE, só seriam atendidos pacientes com sangramentos e perfurações. Os demais deveriam procurar os postos de saúde municipais. Resultado: pessoas doentes retornando para suas casas e ressabiados por uma andança inútil pelos hospitais de Juazeiro.

Texto de Wllyssys Wolfgang, da Agência MultiCiência

Pacientes sofrem à espera de atendimento médico nos hopitais de Juazeiro

  1. PAULO LIMA DE SOUZA disse:

    Caro Jornalista: Pergunte ao senhor prefeito quando é que a saude de juazeiro vai começar a funcionar,afinal é promessa de campanha,já estar na hora de saber quem estar falando a verdade se é Odiretor do Hospital Regional,a Santa Casa ou o Municipio.Por onde anda a Vereadora Neguinha da Santa Casa que até agora nao fez nada por esta instituiçao.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *