Onde terminam os manifestantes e começam os vândalos?

2

montagem2A morte cerebral do cinegrafista da TV Bandeirantes, Santiago Andrade, de 49 anos (foto), confirmada na tarde desta segunda-feira (10), necessita de uma discussão urgente no país: onde terminam os manifestantes e começam os vândalos?

Não dá mais para aceitar que reações inerentes à cidadania e à democracia possam se misturar com ações de bandidos, de marginais que deveriam estar na cadeia.

Sim, porque esses tais black blocs nada mais são do que isso: marginais. Quem é manifestante e defende seus direitos de cidadãos, vai às ruas de cara limpa, não escondida por baixos de capuzes.

Quem é cidadão e vai às ruas protestar – a exemplo do que aconteceu na última quinta-feira (6) no Rio de Janeiro, em relação a um reajuste na tarifa de ônibus – não depreda o patrimônio público, nem atira rojão contra um profissional de televisão, um pai de família que tem a vida brutalmente ceifada.

Já passou da hora de as autoridades públicas brasileiras acordarem. Estamos praticamente às vésperas de uma Copa do Mundo. Nosso país será o centro das atenções, mas as atitudes de bandidos travestidos de cidadãos não pode macular o que temos de melhor: saber receber bem que nos visita.

Para finalizar, segue abaixo uma carta de Vanessa Andrade, jornalista, filha do cinegrafista Santiago Andrade. Não há como não se comover. Confiram:

Meu nome é Vanessa Andrade, tenho 29 anos e acabo de perder meu pai. Quando decidi ser jornalista, aos 16, ele quase caiu duro. Disse que era profissão ingrata, salário baixo e muita ralação. Mas eu expliquei: vou usar seu sobrenome. Ele riu e disse: então pode!

Quando fiz minha primeira tatuagem, aos 15, achei que ele ia surtar. Mas ele olhou e disse: caramba, filha. Quero fazer também. E me deu de presente meu nome no antebraço.

Quando casei, ele ficou tão bêbado, que na hora de eu me despedir pra seguir em lua de mel, ele vomitava e me abraçava ao mesmo tempo.

Ensinou-me muitos valores. A gente que vem de família humilde precisa provar duas vezes a que veio. Deixou-me a vida toda em escola pública porque preferiu trabalhar mais para me pagar a faculdade. Ali o sonho dele se realizava. E o meu começava.

Esta noite eu passei no hospital me despedindo. Só eu e ele. Deitada em seu ombro, tivemos tempo de conversar sobre muitos assuntos, pedi perdão pelas minhas falhas e prometi seguir de cabeça erguida e cuidar da minha mãe e meus avós. Ele estava quentinho e sereno. Éramos só nós dois, pai e filha, na despedida mais linda que eu poderia ter. E ele também se despediu.

Sei que ele está bem. Claro que está. E eu sou a continuação da vida dele. Um dia meus futuros filhos saberão quem foi Santiago Andrade, o avô deles. Mas eu, somente eu, saberei o orgulho de ter o nome dele na minha identidade.

Obrigada, meu Deus. Porque tive a chance de amar e ser amada. Tive todas as alegrias e tristezas de pai e filha. Eu tive um pai. E ele teve uma filha.

Obrigada a todos. Ele também agradece. Eu sou Vanessa Andrade, tenho 29 anos e os anjinhos do céu acabam de ganhar um pai. (Foto: G1) 

2 COMENTÁRIOS

  1. ENQUANTO AS LEIS NÃO SE TRONAREM MAIS RÍGIDAS ELES CONTINUARAM FAZENDO O MAL.É BRASIL O PAÍS DO FUTEBOL DAQUI PRA FRENTE PODE SER O PAÍS SEM LEI.AUTORIDADES A COPA DO MUNDO VEM AI,CUIDEM PORQUE O MUNDO TODO ESTARÁ HOSPEDADO NO BRASIL DE OLHOS BEM ABERTOS.

  2. O estado simplesmente perdeu a moral! Um policial hoje não pode mais atirar em bandido senão perde a farda! mas bandido pode atirar em policial e feri-lo que não tem nada! Manifestante que depreda patrimônio público, joga pedra na polícia e fere pessoas inocentes não é manifestante! É BANDIDO! É TERRORISTA E MERECE IR PARA A CADEIA! Vemos a síria? lá é milícia, virou guerra e como lá as leis são diferentes, a polícia e o exército mete bala não quer nem saber! Claro até se eu fosse policial no meio de uma confusão destas e algum manifestante atirar rojão em mim, eu revidaria bala nele, não queria nem saber se iria perder a farda ou não, pois se eu não o fizer, o manifestante certamente irá me ferir! Policial também é pai de família! Cinegrafista, apesar de trabalhar para grupos poderosos da mídia também é pai de família, é uma vida e merece ser respeitada!

    Quer protestar, vão lá sem máscaras, sem pedra, pau, rojão ou sinalizador e protestem com civilidade e com respeito ao patrimônio público e as vidas que estão presentes! Mas não cometam violência não que só faz é destruir e manchar de preto a imagem dos movimentos sociais!

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome