Onda de violência contra mulheres em Campo Alegre de Lourdes mobiliza entidade

0

A onda de violência contra mulheres no município de Campo Alegre de Lourdes, norte da Bahia, mobilizou o Fórum de Entidades Populares a clamar por providências das autoridades de segurança pública.

Nesse manifesto enviado ao Blog, a entidade relata exemplos lamentáveis de impunidade e mostra o cenário preocupante em Campo Alegre. Confiram:

Basta de violência: Pelo direito à vida das mulheres de Campo Alegre de Lourdes! 

O Fórum de Entidades Populares de Campo Alegre de Lourdes, no norte do estado baiano, vem a público denunciar os crimes de violência contra a mulher, recorrentes no município. Infelizmente, têm sido constantes os relatos de violência – dos diversos tipos, inclusive físicas – sofridas pelas campo-alegrenses. A maioria desses casos não chega a ser registrado, não entra para as estatísticas oficiais e não é resolvido. Alguns, no entanto, ganham visibilidade a partir da pior forma possível: o direito à vida ameaçado e o feminicídio.

Na semana em que se celebrou o Dia Internacional de Lutas das Mulheres, o 8 de março, a população de Campo Alegre foi surpreendida com a triste notícia do assassinato de Queliane Barbosa Ribeiro. A jovem de 25 anos, mãe de duas filhas, teve sua vida interrompida a golpes de facas pelo ex-companheiro, Donizete Mendes da Silva, que não aceitava o fim do relacionamento. O crime aconteceu na tarde do último sábado (13), no Povoado Lagoa do Caldeirão. Donizete, que feriu mais duas pessoas, está foragido.

O episódio de Queliane chocou a todos/as, principalmente, as mulheres que são vítimas de violência doméstica e sofrem com a inoperância do Estado na garantia do direito de viver, como é o caso de Gildete Mendes de Souza. A agricultora, de 42 anos, moradora da comunidade de fundo de pasto São Gonçalo, vítima de um relacionamento abusivo e agressivo há anos, está sofrendo ameaças de morte pelo ex-marido Edmilson Pereira de Souza.

No dia 8 de fevereiro, Gildete foi até a delegacia local prestar queixa sobre a ameaça de morte a ela e a sua filha de 14 anos feita pelo ex-marido. A agricultora, que está escondida na casa de familiares com suas duas filhas, solicitou uma medida protetiva para poder retornar à sua casa com segurança. No entanto, até o momento, nada foi feito para preservar a vida de Gildete, que já chegou a levar uma facada de Edmilson. O agressor segue na residência da família e continua ameaçando Gildete e suas filhas. O fato chegou a ganhar repercussão nos meios de comunicação do município e, apesar da vítima ter retornado mais cinco vezes à delegacia, ela segue sem respostas sobre seu caso.

Diante desse cenário de opressão e violência contra as mulheres, em que o patriarcado e o machismo imperam, o Fórum de Entidades Populares se solidariza com a família de Queliane nesse momento de dor e com a situação aterrorizante vivida por Gildete e seus familiares. O Fórum de Entidades expressa a sua revolta com a forma descartável que as vidas das mulheres são tratadas e exige que as autoridades locais e os órgãos competentes tomem as providências para preservar a vida de Gildete, e que a justiça seja feita no caso de Queliane. Destacamos ainda que é fundamental que todos os setores da sociedade estejam de fato comprometidos na luta em defesa da vida das mulheres.

Assinam esta nota as organizações que compõem o Fórum de Entidades Populares de Campo Alegre de Lourdes:

Articulação das Associações de Fundo de Pasto de Campo Alegre de Lourdes

Articulação e Coordenação Paroquial da Juventude (ACPJ)

Associação Comunitária de Fundo de Pasto São Gonçalo

Associação Comunitária de Fundo de Pasto de Angico dos Dias e Açu

Associação de Técnicos em Agropecuária e Apoiadores da Agricultura Familiar no Estado da Bahia (ATAF)

Comissão Pastoral da Terra (CPT)

Cooperativa dos Pequenos Apicultores de Campo Alegre de Lourdes (Coapical)

Instituto Regional da Pequena Agropecuária Apropriada (IRPAA)

Paróquia Nossa Senhora de Lourdes

Rede Mulher de Campo Alegre de Lourdes

Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais

Serviço de Assessoria a Organizações Populares Rurais (SASOP)

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome

5 × dois =