Obras de revitalização do rio São Francisco atrasam

por Carlos Britto // 29 de junho de 2009 às 13:53

rio4Diferentemente das obras de transposição, que são tocadas em três turnos de trabalho para garantir a inauguração de uma primeira parte até o fim de 2010, o programa de revitalização do rio São Francisco atola. Dos R$ 442,7 milhões previstos no Orçamento federal deste ano para projetos de recuperação ambiental das bacias hidrográficas do São Francisco e do Parnaíba, apenas R$ 71 milhões foram empenhados até maio. Ou seja, o compromisso efetivo de liberação de recursos alcança menos de 17% do investimento divulgado, segundo o sistema eletrônico de acompanhamento orçamentário (Siafi). O valor pago às empresas contratadas no período foi inferior a R$ 1 milhão.

O último balanço do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) reflete a dificuldade de executar o projeto de revitalização das bacias. Somente 26 das 151 obras de recuperação e controle de processos erosivos – que incluem proteção de encostas e recomposição da mata ciliar – foram concluídas ou estão sendo tocadas. Das 20 ações para coleta, tratamento e destinação final de resíduos sóliduos, 17 estão em fase “preparatória” e enfrentam problemas burocráticos.
“Não temos nada contra os atuais projetos, que são bem-vindos, mas não há uma ação articulada e a liberação de recursos é pontual”, afirma o coordenador do Grupo Ambientalista da Bahia, Renato Cunha. Ele lembra que o compromisso de aumentar investimentos na revitalização foi uma espécie de contrapartida do governo para suavizar as críticas ao projeto de transposição, mas o sentimento das comunidades locais com o ritmo das obras é de “frustração total”.

O ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, diz que a ampliação de recursos disponíveis não encontrou projetos suficientemente avançados para deslanchar a revitalização. “Não tínhamos projetos na carteira”, diz o ministro, prometendo acelerar a execução dos programas ao longo do segundo semestre. E acrescenta que tem havido “morosidade” no licenciamento ambiental de algumas ações, a cargo de órgãos estaduais. Como evidência de que as obras ganharão velocidade nos próximos meses, Vieira Lima ressalta que a Codesvasf – estatal responsável pela maioria dos programas – tem licitações em curso no valor de R$ 203 milhões, só na área de esgotamento sanitário.

Informações são do Valor Econômico

Obras de revitalização do rio São Francisco atrasam

  1. Fernando disse:

    Só um idiota acredita nessa tal revitalização. Ausência de projetos!!! papo furado. Petrolina tem projetos aprovados para tornar a cidade 100% saneada, agora, cadê os recursos???

  2. Petrolina Minha Terra Meu Lugar disse:

    O Lulismo é a chaga do Brasil. O Sertão de Pernambuco é mais seco do que o interior do Ceará que é bastante chuvoso, lá tem mega barragem: Castanhão, Orós, entre outros mais 300, falta aproveitá-los.. A transposição (tentaram mudar o nome da obra mas não pegou, vamos continuar chamando transposição) é uma obra faraônica (Lula não podia construir uma pirâmide, hein!, seria quase a mesma coisa), pra ficar pra história que “Lula foi quem fez essa obra”. Se pudesse Lula seria um Ditador, e pior, seria uma ditadura de esquerda. Já existe no seu governo a ditadura do politicamente correto. Se você for contra, por exemplo, ao aborto, tenha cuidado pra tropa de choque do lulismo não lhe meter na cadeia. BASTA AO LULISMO. BASTA A DITADURA DE OPINIÃO. LIBERDADE DE PENSAMENTO JÁ.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *