Nova espécie de serpente é encontrada em Salgueiro

por Carlos Britto // 17 de fevereiro de 2009 às 16:49

serpente nova São Francisco

Uma nova espécie de serpente pode ter sido encontrada em Salgueiro, no Sertão de Pernambuco. O animal foi resgatado por uma equipe da Universidade do Vale do São Francisco (Univasf), participantes de um programa de conservação da fauna e da flora da caatinga. A ação é parte do projeto de integração do São Francisco com outros rios nordestinos. “O bicho coletado pode ser uma nova espécie ou uma ocorrência nova. Mas já sabemos que é, no mínimo, uma ocorrência nova”, explica o professor Luiz Cezar Machado Pereira, professor da Univasf e um dos responsáveis pelo trabalho. O animal encontrado é uma serpente do gênero thamnodynastes. Todo exemplar da fauna e da flora coletado pelo programa de conservação é analisado por especialistas que estão em contato com universidades de todo o Brasil.

CUIDADOS COM A FAUNA

Uma das etapas do projeto é a implantação do primeiro centro de recuperação de animais silvestres da Caatinga – o Centro de Manejo de Fauna (Cemafauna) da Caatinga, com sede em Petrolina (PE). O objetivo é resgatar, identificar, tratar e destinar os animais silvestres apreendidos nas áreas que serão reservatórios da integração de bacias. Além disso, Centros de Triagem Móveis em contêineres darão os primeiros socorros aos animais silvestres eventualmente feridos. Em situações de maior gravidade, os bichos serão transportados para a Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Veterinário da Univasf.

Outra atribuição do Cemafauna Caatinga é a de controle e estudo de zoonoses e outras doenças de animais silvestres, além da capacitação de nível técnico e universitário na área de clínica e manejo de animais silvestres. O centro vai também desenvolver atividades de educação ambiental sobre Proteção da Fauna para as Comunidades inseridas em trechos do Projeto de Integração do Rio São Francisco.

Nova espécie de serpente é encontrada em Salgueiro

  1. barbosa disse:

    Acho que deve ser a CASCAVEL que o vereador MAJOR ENFERMEIRO diz tá acostumado caçar.Vai ver é do tipo que não amedronta nemhum politico.

  2. Opara disse:

    Parece que se trata das “sete pragas do São Francisco”. Lula que se segure com um santo forte, porque o bicho vai pegar.

  3. cabeção disse:

    Tive pesquisando nos meus livros cientificos politicos e descobrí que este tipo de serpente THAMNODYNASTES é do tipo que picou o senador JARBAS VASCONCELOS e o deixou desnorteado e atirando pra todos os lados.Quero alertar a todos do PMDB que onde o veneno desta serpente bater morre no outro dia.
    Portanto fica aí o alerta.

  4. Thamnodynastes pallidus é o nome científico da serpente também designada popularmente como Cobra-corre-campo, corre-campo, cobra-do-mato, corredeira e ubiraquá. É uma serpente opistóglifa, pelo que a sua mordedura pode ser, ou não, letal. Distribui-se amplamente pela América do Sul, incluindo a Guiana, Suriname, Guiana Francesa, nordeste do Brasil, Peru, Venezuela, Argentina, Colômbia e Bolívia. Chega a atingir um comprimento de 60 cm. O seu corpo é amarelo-bronzeado com duas linhas laterais escuras. As escamas apresentam uma borda negra. Por sua vez, este tipo de dentição característica de determinadas espécies de serpentes, cujos dentes inoculadores de veneno se encontram parte posterior do maxilar superior, apresentando, assim, perigo altamente reduzido para o homem. Dentição característica de alguns membros da família Colubridae aa qual pertence esta serpente. Da sua cor amareleda e do hábito de comer filhotes de outras aves, como o tucano, nasceu o PSDB.

  5. Opara disse:

    Não acredito… Péricles por aqui… Carlos Brito… expulsa esse cidadão, se não este blog vai virar um tédio. Esse cara é conhecidíssimo no orkut, como o rei da chatice kkkkkkk

  6. Zépiauí disse:

    Como a descoberta foi em Salgueiro, gostaria de sugerir um nome:

    Gonzaguis rastejantis…

  7. Opara disse:

    Zé Piauí… boa.

  8. Francisco Ribeiro Filho disse:

    O Professor falou em Gênero. O Nome da espécie é outra coisa. Ainda não tem nome ou precisa ser confirmado caso seja uma mutação de outra espécie. A sequência taxonômica é: Reino, Filo, Classe, Ordem, Família, Gênero e espécie. Sou Biólogo com CRBio Nr 59.290-D, com vinte anos de formação e experiência. Não vamos misturar trabalho científico com Política. O professor da UNIVASF trabalha para o mundo científico.

  9. washington disse:

    concordo plenamente!

  10. Elder disse:

    Zépiau kkkk tou me rachando de rir aqui com o nome sugerido.

    kkkk

    Deveria levar tambem minha sogra para ser analisada pela equipe de pesquisadores da UNIVASF. Considero ela uma espécie não catalogada.

  11. Francisco Ribeiro Filho disse:

    A família Colubridae, como citado acima, existe, na Subordem das Serpentes, Classe Répteis, são as cobras comuns e sem presas. Esta família possui 1.500 espécies atualmente conhecidas. Parabenizo o trabalho da UNIVASF. Petrolina precisa vançar urgentemente do Centro de Zoonoses para Centro de Vigilância Ambiental como existe em Olinda, João Pessoa. A raiva por exemplo não é transmitida somente por Cães, também por Morcegos, Macacos. E isso tem que ser estudado pelo Poder Público.

  12. Watergate disse:

    Pericles ?
    ninguem merece…

  13. Francisco Ribeiro Filho disse:

    O perímetro urbano de Petrolina é habitado por doze espécies de Marcegos. Sendo 5 frugívoros ( alimentam-se frutas ); 2 hematófagos ( alimeta-se de sangue); 1 Nectarídeo ( alimeta-se de nectar); 02 Onívoros ( Carne e Vegetal); 2 Insetívoro ( alimeta-se de Insetos). São protegidos por Lei Federal 9605/98 pois são animais silvestres. Petrolina corre risco de surto de raiva porque os hematófagos podem atacar Gato, Cachorro, Aves, Cavalos. Alguém sabe disso? Isto é Vigilância Ambiental que aqui não tem.

  14. Elder disse:

    Francisco, não seriam Morcegos?

    Marcegos deve ser morcegos MARcianos.

  15. Francisco Ribeiro Filho disse:

    Elder, obrigado pela correção. Morcegos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *