No Dia Nacional do Reggae, ‘Canta Baixinho’ receberá acústico do Tio Zé Bá

por Carlos Britto // 08 de maio de 2024 às 21:35

Foto: divulgação

O projeto ‘Canta Baixinho para Ouvir Melhor’ vai comemorar o Dia Nacional do Reggae neste sábado (11), às 20h, no Centro de Cultura João Gilberto, em Juazeiro (BA), com o show Tio Zé Bá Acústico (confiram o serviço e outros detalhes aqui). A banda será a sétima atração do projeto idealizado pelo coletivo cultural Indivíduo Coletivo e que pretende possibilitar ao público a apreciação de performances autorais de artistas regionais.

Em seu show acústico, a Tio Zé Bá promete uma apresentação intimista, em consonância com a proposta do projeto “Canta Baixinho”. “Esse show foi pensado para espaços intimistas, com repertório autoral e algumas releituras de músicas brasileiras e do reggae internacional”, conta Maércio José, que, no show, será acompanhado pelas cantoras Ceiça e Danielle.

O ‘Canta Baixinho’ foi lançado em setembro de 2023 com a proposta de contribuir para a divulgação da diversidade de estilos musicais e de artistas que constroem a cena musical do Vale do São Francisco, formar plateia e fazer com que o público vivencie uma experiência de apreciação musical. “O projeto oferece um pouco do que nós buscamos, que é um espaço onde a canção é a protagonista. Nossa ideia é oferecer uma experiência que favoreça a escuta da música regional, sem as distrações dos bares, restaurantes ou dos grandes shows”, pontua Moesio Belfort, um dos membros do Indivíduo Coletivo.

O projeto já recebeu Joyce Guirra, Moesio Belfort, Rogério Leal, Peu Bandeira e Jaidete Varjão e Josemar Pinzoh. Em sua segunda temporada, conta com a parceria da Cia Biruta de Teatro e o apoio da AGF Solar.

Tio Zé Bá

Nascida como um projeto paralelo ao grupo Apocalypse Reggae, em Petrolina (PE), a banda Tio Zé Bá assume local de destaque e de referência na cena reggae do Vale do São Francisco há 15 anos. Sempre abrindo espaço para a discussões de temáticas ligadas às periferias, ao resgate da ancestralidade africana e à aproximação com a cultura pernambucana, o conjunto participou de diversos festivais do Brasil, como o Festival de Inverno de Garanhuns (FIG), Festival Pernambuco Nação Cultural e o Aldeia do Velho Chico. (Texto: Eneida Trindade/para o Blog)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Últimos Comentários

  1. Um Petrolinense real, assim foi Fernando, pois uns chamado carinhosamente de besourinho. Eu me lembro muito bem do SAMBOSSA, Fernando,…