Mulher tem 500 orgasmos por dia com vibração de celular, catracas, carrinhos de compras e até entrevistas de emprego

3

Enquanto para algumas ter orgasmo é algo de alto nível de dificuldade, para a inglesa Zara Richardson isso é tão fácil que virou um problema. Ela sofre de Síndrome de Excitação Sexual Persistente (PSAS), o que torna tarefas rotineiras, como fazer compras e aspirar a casa, atividades altamente excitantes, o que significa que ela pode ter até 500 orgasmos por dia.

Zara Richardson, de 30 anos, afirma que ter diversos orgasmos todos os dias não é o paraíso:

“As pessoas acham que eu devo estar em êxtase a cada dia, mas ter orgasmos constantemente está arruinando a minha vida”, disse a inglesa ao jornal The Sun.

 Ela não tem controle sobre o modo como o seu corpo se sente, o que afeta todos os aspectos da vida: “Uma simples ação pode me induzir a ter um episódio (orgasmo) é um modo exaustivo para viver. Muitas vezes acontece quando eu subo as escadas, passo por redutores de velocidade e sempre quando meu telefone vibra no meu bolso.

Zara fica muito excitada no supermercado.”Eu também tenho orgasmo pegando um alimento no supermercado, passando por portas giratórias e empurrando um carrinho de compras. Acontece até mesmo quando alguém se senta ao meu lado no sofá”.

E assim é o dia inteiro para a inglesa .”Eu acordo me sentindo excitada e volto para a cama me sentindo da mesma forma.

 Ações comuns podem se tornar um pesadelo para Zara. “Eu posso estar de pé numa fila do supermercado e sentir a PSAS começar. E não há nada que eu possa fazer para impedi-lo”, contou a britânica.

Viajar é outra situação que pode acabar desconfortável para Zara. “Viagens de trem são um pesadelo, pois o movimento pode desencadear um ataque”.

Ela concluiu que a síndrome lhe trouxe tristeza. “A PSAS me afastou do sexo e me trouxe depressão “, diz Zara.

A doença também atrapalhou seu lado profissional. “Restaurantes são um pesadelo quando fico um longo período sentada e as ‘dores’ do orgasmo se acumulam. Eu estava numa entrevista de emprego e a sindrome veio”.

A Síndrome de Excitação Sexual Persistente (PSAS) foi documentada pela primeira vez como um transtorno médico em 2001. Zara foi diagnosticada em 2010, depois de sentir-se constantemente excitada.

Ela conta que começou a se sentir excitada o tempo todo por conta da mudança de hormônios e, mesmo depois de ter tido relações sexuais com o seu namorado na época, Rob, ela nunca se sentia satisfeita. “O sentimento nunca vai embora. Tentei me distrair fazendo exercício, tomando banhos quentes ou assistindo a um filme deprimente, mas a sensação continuou. Depois de dois meses de sofrimento em silêncio, eu sabia que o que estava sentindo não era normal”.

 Foi então que ela procurou um médico. “Estava tendo até 500 orgasmos por dia. Isto estava arruinando a minha vida”.

O médico receitou leves antidepressivos, analgésicos e anti-inflamatórios para os dias de crise de Zara. Ela também utiliza compressas quentes e frias para parar os orgasmos. “Eu, às vezes, coloco um pacote de cenouras ou ervilhas congeladas envolto numa toalha sobre minhas partes, porque a frio me faz parar de querer orgasmos”. (Do G1)

3 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome