Moradora com dengue pede providências para terreno baldio que serve de criadouro para Aedes no Dom Avelar; Secretaria responde

1
Foto: Wanderley Alves/Blog Carlos Britto

Reclamações quanto a terrenos baldios são recorrentes em Petrolina e, junto com eles, vêm as denúncias de focos de dengue. Dessa vez, a crítica parte do bairro Dom Avelar, zona norte de Petrolina. A moradora Joana D’arc, que reside na Avenida dos Sentimentos, está preocupada com a situação, ainda mais porque ela foi diagnosticada com dengue há cerca de 10 dias.

Joana acredita que existe relação com um terreno irregular no bairro. “Na minha casa eu tenho todo cuidado, todos os dias. Olhando tudo, colocando água sanitária nos ralos. Mas minha preocupação não é com a minha casa, é com os terrenos baldios. Quando a gente liga pros órgãos da Prefeitura de Petrolina, ninguém atende. E quando atende, diz que vai mandar”.

Segundo ela, durante o tempo em que mora no bairro, só recebeu o agente de endemias duas vezes em sua casa. “Moro no bairro há cinco anos e só recebi duas vezes a visita do agente de endemias. Há quatro dias liguei para o Informa Petrolina e pedi para falar com um agente de endemias. A senhora que me atendeu, atendeu muito mal, e disse que ia anotar meu endereço, meu nome e que mandava uma pessoa aqui para vir verificar o que estava acontecendo. Só que ninguém apareceu”, lamentou.

Em sua residência, além dela, sua filha também está com dengue, e elas só tiveram a confirmação da doença porque foram atendidas em outra cidade. ”Fui obrigada a tirar fotos do meu corpo e da minha filha e enviar para outro município para outros médicos e enfermeiros para me avaliar, porque não pude contar com a saúde em Petrolina”, afirmou Joana.

Resposta

A reportagem entrou em contato com a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), que afirmou, por meio de nota, que os agentes de endemias continuam seus trabalhos, mesmo com a pandemia do novo coronavírus e pediu a colaboração da população no combate ao mosquito Aedes aegypti. “Os agentes de endemias de Petrolina estão trabalhando normalmente no controle das arboviroses, mesmo diante da pandemia do novo coronavírus. A Secretaria de Saúde reforça que as pessoas precisam ficar atentas e realizar a limpeza dos seus quintais, não deixando água parada, seja em um reservatório descoberto ou uma tampinha de refrigerante com água de chuva. O trabalho do agente é de orientação, visto que 90% dos criadouros do Aedes encontram-se no ambiente domiciliar, sendo de responsabilidade do morador fazer a eliminação dos mesmos”, destaca.

“Com novas recomendações do Ministério da Saúde por causa do coronavírus, apenas os quintais das residências estão sendo vistoriados. Ou seja, se a moradia não tem corredor que dê acesso ao quintal, o agente não poderá adentrar à residência. Esse cuidado objetiva evitar contato direto e próximo com os moradores. Neste período de isolamento, em que muitas pessoas estão em casa, é fundamental aproveitar o tempo para impedir a proliferação do mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue, zika e chikungunya. Denúncias de possíveis focos de mosquito Aedes devem ser feitas à Ouvidoria do município, através do número 156”, encerra a nota. Sobre a avaliação de casos de dengue, a Secretaria afirma que continua realizando os exames e encaminhando ao Laboratório Central de Saúde Pública de Pernambuco.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome