Juros abaixo de 10% pela 1ª vez na história

por Carlos Britto // 11 de junho de 2009 às 08:48

O Comitê de Política Monetária (Copom) teve nesta quarta-feira (10) a decisão histórica, por seis votos a dois, de reduzir os juros básicos da economia brasileira para 9,25% ao ano. Com a queda de um ponto percentual, já que o índice anterior era de 10,25%, o país vê pela primeira vez a taxa Selic abaixo de 10%.

A decisão é considerada surpreendente pela maioria dos especialistas, que esperavam um corte de 0,75%. No relatório, os integrantes do Copom destacaram que a medida levou em consideração as perspectivas para a inflação em relação à trajetória das metas. “Levando em conta que mudanças da taxa básica de juros têm efeitos sobre a atividade econômica e sobre a dinâmica inflacionária que se acumulam ao longo do tempo, o Comitê concorda que qualquer flexibilização monetária adicional deverá ser implementada de maneira mais parcimoniosa.

O Copom acompanhará atentamente a evolução do cenário prospectivo para a inflação até sua próxima reunião para então definir os próximos passos da estratégia de política monetária”, explicou o documento. O próximo encontro do Comitê está marcado para os próximos dias 21 e 22 de julho.

  1. Roberto Guedes disse:

    O juros baixou… mas o valor do plantão dos médicos de Petrolina aumentou em 90%!!!!

  2. JOÃO CARLOS disse:

    Vocês não imaginam o peso que cada décimo de juros que caem tira das costas do governo… e das nossas… do pagamento dos juros da dívida pública. Cada 1% representa algo em torno de 10 BILHÕES de REAIS que o país paga a menos de juros. Já que nossa dívida pública é mais de 1 TRILHÃO de reais. Sem falar da nossa dívida externa em dólar, com a queda do dólar também diminue nossa dívida.

    Os bancos ganham menos, diminue a especulação e o dinheiro migra para o setor produtivo.

    Quer dizer, nunca o Brasil esteve numa situação tão previlegiada de sua história em relação a seus índices econômicos, apesar da queda do PIB. Espero que o Brasil saiba aproveitar esse momento impar da nossa história.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *