Incentivos fiscais garantem 4.222 novos empregos em PE

1

Os investimentos somados projetam uma injeção total de R$ 585,7 milhões em re-cursos no setor industrial e criação de 4.222 oportunidades de emprego. Os dados foram apresentados, na última reunião do ano do Conselho de Desenvolvimento Industrial, Comercial e de Serviços – Condic. Sob a coordenação do secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho, os conselheiros decidiram conceder incentivos fiscais para o conjunto dos 58 empreendimentos, durante encontro na Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco – AD Diper. De acordo com balanço apresentado pelo secretário, ao longo deste ano foram outorgados incentivos a 131 projetos, o que corresponde a um investimento global de R$ 1,5 bilhão e a geração de 9.807 empregos diretos. Em 2007, primeiro ano da gestão Eduardo Campos, 79 projetos foram aprovados e 4.912 empregos criados no Estado. Os destaques da reunião ficaram por conta dos benefícios fiscais para a CIV, que fará uma ampliação estimada em R$ 216 milhões na sua fábrica de vidros em Vitória de Santo Antão. O objetivo é atender futuras demandas de empresas do Pólo Farmacoquímico de Goiana, na Zona da Mata Norte do Estado. A Selmi – fabricante de massas e biscoitos, a ser instalada no Cabo de Santo Agostinho com um capital de R$ 62,6 milhões, investimento capaz de gerar 400 novos empregos – e a Cemil – indústria de laticínios, a ser construída em Caruaru, num investimento de R$ 48,1 milhões e a criação de 142 empregos -, também chamam atenção pelas cifras envolvidas. “Esses números devem ser sublinhados, pois mostram o forte dinamismo da economia do Estado. Apesar de boa parte dos empreendimentos se concentrar no Grande Recife, a política de desenvolvimento do governador Eduardo Campos, também, beneficia municípios do Interior”, observou Fernando Bezerra Coelho.

Ainda com relação à interiorização das indústrias, é possível observar, pela relação das empresas contempladas, que Sertânia será beneficiada com dois empreendimentos – Durancho e Ternura, que somam R$ 9,4 milhões e 111 empregos -; Petrolina com a Fruttus e a Sucovalle – R$ 9 milhões e 84 empregos, no total -; Custódia com a indústria de medicamentos Imec – R$ 2,1 milhões e 233 empregos – e Ribeirão com a DMA Datamétrica, de laticínios – R$ 1,5 milhão e 63 empregos. Carpina, Arcoverde e Belo Jardim, por sua vez, foram beneficiados com as ampliações das bases da Galvanisa – R$ 12,2 milhões e 300 empregos -, Edlimp -R$ 3,3 milhões e 19 empregos – e Madelar – R$ 7,9 milhões e 19 empregos -, respectivamente. Pesqueira, Escada, Limoeiro terão seus parques industriais reforçados com a chegada da Goodlat – R$ 3,7 milhões e 116 empregos -, Valex 2 – R$ 5,4 milhões e 120 empregos – e Lapon Química – 1,3 milhão e 19 empregos -, respectivamente. O esforço do Governo em levar empreendimentos ao Interior também se mostrou bem sucedido e com um diferencial no caso de Gravatá: o uso da mão-de-obra de detentos. De acordo com o presidente da AD Diper, Jenner Guimarães do Rêgo, a Pórtico Esquadrias vai abrir uma unidade onde empregará 42 pessoas que cumprem pena de detenção, na fabricação de artigos metalmecânicos. Trata-se de um projeto que contribuirá com a ressocialização dos apenados.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome