Implantação de Conselhos Regional e Federal dos Técnicos Industriais e Agrícolas “é divisor de águas” para categoria, avaliam representantes

3

Uma luta de mais de quatro décadas, transformada em realidade no dia 26 de março deste ano, está pautando o 1º Encontro de Técnicos Industriais do Vale do São Francisco. A lei 13.639 será debatida pelos profissionais da região durante o evento, que acontece no auditório do Senai, das 15h às 17h, e das 20h às 22h.

Sancionada pelo presidente Michel Temer em 26 de março deste ano, a lei cria os Conselhos Federal e Regional dos Técnicos Industriais e Agrícolas. De acordo com o técnico em Edificações e professor do Senai/Petrolina, Marcelo Barbosa Carvalho, essa conquista representa “um divisor de águas” para a sua classe.

Ele explica que a lei é calcada em três pilares essenciais: a fomentação do ensino técnico no Brasil, a liberdade e valorização profissional e a segurança à sociedade. “Hoje os técnicos passam a estar ligados a um Conselho próprio, e isso traz mais fiscalização, mais benefício, mais controle das competências de cada área a ser executada. Então, essa lei traz muitos benefícios, principalmente no reconhecimento ao profissional técnico no Brasil”, avalia.

Marcelo diz ainda que a conquista será significativa em relação ao cenário pelo qual os técnicos até então se inseriam. A categoria era filiada ao Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (CREA), desde 1968, mas tinha praticamente um papel de mero coadjuvante. “O CREA limitava os técnicos a pagarem anuidade e votarem. Mas não tínhamos direito a uma representação dentro do Conselho, e nem de sermos votados”, destaca, acrescentando que por conta disso os técnicos sentiam-se desvalorizados e não viam no CREA uma entidade que os representasse.

Sintec-PE

Presidente do Sindicato dos Técnicos Industriais de Pernambuco (Sintec-PE) e 1º secretário da Federação Nacional dos Técnicos Industriais (Fentec) – do qual o Sintec-PE é filiado –, Jessé Barbosa Lira corrobora com as palavras de Marcelo. Ele está em Petrolina para o evento de hoje, justamente com o intuito de reforçar a implantação dos Conselhos junto aos técnicos da região.

Jessé lembra que os técnicos precisavam “se libertar” da discriminação em que eram submetidos. “Quando eles se formavam, eram obrigados a ir para lugares distantes do Interior se houvesse um engenheiro nos grandes centros”, conta.

Ele diz que só tomou conhecimento da realidade dos técnicos há duas décadas, por meio de um amigo, quando era professor e coordenador de Escola Técnica e também atuava na Companhia Hidroelétrica do São Francisco (Chesf). A partir de então, encampou a luta, que segundo ele contou a colaboração fundamental do deputado federal Giovani Cherini (PR-RS).

A reivindicação dos técnicos data de 5 de novembro de 1968, quando foi aprovada a Lei 5.524, estabelecendo atribuições a esses profissionais. No entanto, só foi parcialmente obedecida pelo sistema após Decreto 90.922, de 6 de fevereiro de 1985, que regulamentava a lei. Em 2013, as tratativas políticas se fortaleceram quando a categoria buscou o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) para que avaliasse a situação dos técnicos. As coisas começaram a mudar a partir de um grupo de trabalho criado pelo TEM para realizar audiências públicas nos Estados para avaliar a reivindicação da categoria.

Para Jessé, o momento agora é de informar e conscientizar os técnicos sobre as entidades as quais os nortearão a exercer o seu papel a serviço da comunidade.

3 COMENTÁRIOS

  1. Que expressão mais provinciana essa de chamar de “INTERIOR” local que não esteja na capital!!! Temos nomes. Uns moram no São Francisco, outros moran no Araripe, outros no Pajeú etc. Mais especificamente moramos nos municípios, sejam em cidades, distritos, povoados ou no zona rural. Um dia essa mediocridade será banida deste país!

  2. Bom dia à todos! Me chamo Marcos Aires, e também sou Técnico em Edificações, formado em Brasília com Extensão Projetista em Projetos Arquitetônicos & Cia, e escolhi a linda Petrolina para morar e onde faço meus trabalhos em Projetos 2D (plantas baixa, detalhamentos, cortes, fachadas, coberturas etc.) & o 3D )Perspectivas, Maquetes Eletrônicas por Revit…). Realmente é muito bom e importante mesmo esse belo avanço como divisor de águas para todos nós da categoria, Parabéns pelos diversos esforços de todos vocês do Senai + Sindicato dos Técnicos…
    Umas dúvidas em cima dessa nova lei que tenho aqui, dos Técnicos Industriais, para o Professor Marcelo e à todos demais…

    ??? PRIMEIRA PERGUNTA(dúvida), Nesse caso será instalado uma SEDE PRÓPRIA desse novo Conselho dos Técnicos Industriais aqui em Petrolina-PE ???
    E também nesse caso vendo esses esforços de todos vocês com toda experiência e lutas pela categoria desde de sempre é claro!

    ??? SEGUNDA PERGUNTA(dúvida), Nesse caso SERÁ montado uma chapa de vocês para esse novo conselho com Presidente, Vice-presidente,Tesoureiro, Secretários Etc. Para concorrer essa nova eleição a seguir que será votado pelos Técnicos Industriais… E sendo assim que seria os nomes para cada cargo desse citados ???

    ??? TERCEIRA PERGUNTA(dúvida), Nesse caso a anuidade de nós Técnicos Industriais será no máximo de R$ 50,00 (cinquenta reais) ???
    Desde já fico muito grato pelo empenho de todos nessa bela luta para melhores resultados para todos nós Técnicos que tanto fazem esforços para se formar e buscar melhorias no geral.
    Abraço!
    Att, Marcos Aires, Técnico em Projetos Arquitetônicos & Cia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome