Hospital HGU envia nota sobre paciente vítima de enfarto

por Carlos Britto // 12 de junho de 2009 às 14:46

A Assessoria de Comunicação do Hospital Geral e Urgência (HGU) enviou uma nota à imprensa esclarecendo o que aconteceu com a senhora Maria das Dores da Silva Andrade. Confira:

NOTA À IMPRENSA:

A Sra. Maria das Dores da Silva Andrade deu entrada no Hospital Geral e Urgência (HGU), em Petrolina, às 17h24, da última terça-feira (9). Após passar por exames, a mesma foi diagnosticada patologia coronariana, com necessidade em internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

A Sra. Maria das Dores da Silva Andrade não constava na relação, acessada pela Internet, de usuários da operadora de saúde da qual a paciente era usuária e, portanto, Sra. Maria e seus familiares foram orientados a encaminhá-la ao Hospital de Urgência e Traumas de Petrolina.

A mesma foi transferida em carro de parentes, por decisão da família, para o Hospital de Urgências e Traumas de Petrolina, às 22h30.

O HGU reitera que zelar pela privacidade de seus pacientes é um dos seus principais compromissos e lamenta que certos casos venham a público sem as devidas precauções.

A DIREÇÃO

12 de junho

Hospital HGU envia nota sobre paciente vítima de enfarto

  1. Zabelê disse:

    E a morte inesperada e muito estranha de Seu Mário Souza, no dia 25.4.2009?, ai no HGU,como é que fica?.Foi excesso de medicamentos? de cuidados?, foi fatalidade?estava escrito?. A sociedade petrolinense espera até hoje um pronunciamento do hospital.

  2. Dr House disse:

    A responsabilidade é do médico plantonista que a atendeu , deveria ter recomendado a remoção da paciente em ambulância com suporte avançado , acompanhada de médico, visto tratar-se de uma doença que poderia evoluir desfavoravelmente para o óbito. Esse fato é comum aqui em Petrolina, onde os pacientes que não possuem convênio procuram atendimento em hospitais particulares, mas na hora em que se cogita internamento em UTI ou seja solicitado um exame caro os mesmos não têm condições de arcar com as despesas e terminam retornando para o atendimento do SUS. Vale salientar que os hospitais particulares cobram em média 10000 reais em espécie como garantia pelo atendimento e internamento em UTI, isso é um absurdo! Fico me perguntando , pra que serve a área vermelha no Hospital de Traumas ? porque houve demora na sua admissão na emergência? Fizeram ao menos medicação adequada para a mesma? O SAMU aqui só serve mesmo de taxi, é comum se receber pacientes graves sem o devido acompanhamento médico, algumas vezes quando tem o médico, o paciente chega sem imobilização ou acesso venoso , coisas que não se permite quando se imagina que o paciente socorrido corre risco de vida. O SAMU tem que ser revisto, tem que selecionar os médicos que atuam nele, alguns colegas só querem mesmo é sombra e água fresca. Meus sentimentos aos familiares da Srª Maria das Dores.

  3. Dr House disse:

    A minha sugestão ao hospitais particulares é que remunerem bem os plantonistas , mas na hora de contratá-los solicitem seus diplomas, verifiquem a formação , se esses médicos têm experiência em atender urgência e emergência, se são realmente capacitados para a função. Pelo que tenho visto aqui em Petrolina, a amizade e as indicações falam mais alto! Estamos aguardando o novo Hospital da Unimed, espero que ocorram melhorias urgentemente.

  4. Roberto Guedes disse:

    JÁ NÃO BASTAVA AS VITIMAS DO JALECO BRANCO AGORA É A VEZ DAS VÍTIMAS DOS BUROCRATAS….O animal denominado PLANTONISTA que estava no HGU deveria ter estabilizado o quadro da paciente antes de enviar a qualquer outro hospital. Ao outro animal que comentou o notícia denominado DR. HOUSE procure saber das coisas antes de falar e não acredite em tudo que se vê na mídia… a família no ardor da perda fala muita coisa sem pensar. Até onde eu sei, por ter uma prima enfermeira lá, a Sala Vermelha no hospital de Traumas funciona como uma UTI e não há nenhuma burocracia para admissão, pois o próprio pessoal das ambulâncias dão entrada direto no setor. O erro, no meu entendimento, partiu do PLANTONISTA que autorizou a transferência sem estabilização do quadro da paciente.
    De toda forma, é uma pena.
    Meus pesames a família da vítima!!!

  5. Gilberto Orlando disse:

    Mais uma vez vimos que os médicos de Petrolina são incompetentes e só pensam em dinheiro. Bem possível que o atendimento foi o de sempre: leito-a-leito, os pacientes no leito a beira da morte e os médicos no leitos do conforto médico dormindo.. enquanto isso o quadro do paciente se agrava e a conta bancária do médico engorda!!!!!
    Liberar paciente em estado grave porque o plano de saúde não deu cobertura??????? Até onde eu sei a ética médica zela pro preservar vidas, agora vejo que o mais importante para eles é tomar o dinheiro dos planos de sáude… QUE VENHA A NÓS O VOSSO DINHEIRO!!!!! Se dependermos dos médicos estamos perdidos!!!

  6. Dr Grey disse:

    Nós todos sabemos como certos planos de saúde tratam seus pacientes. Eles não negociam a carência e o cliente pensa que pode contar com os seus serviços. Concordo que faltou tato do médico plantonista e isso deve ser averiguado pelo hospital.
    Mas também a atitude do plano de saúde deve ser levada em consideração.
    E tomara que o novo hospital da unimed não seja como de algumas capitais, um caos só.

  7. Roberto Guedes disse:

    E tem mais… se o HGU deu o primeiro atendimento e viu a gravidade da paciente só poderia liberar numa UTI MÓVEL, caso a familia quisesse levar em um carro particular deveria ter assinado um TERMO DE RESPONSABILIDADE, pois a mesma estava aos cuidados do médico PLANTONISTA e do hospital HGU. Sem esse termo a culpa é do HGU que deve ser processado por OMISSÃO DE SOCORRO!!!!!

  8. ISSO É OMISSÃO DE SOCORRO disse:

    PELO DESCRITO NA PRÓPRIA NOTA DO HGU O QUE OCORREU FOI: OMISSÃO DE SOCORRO. ELAS FORAM PRIMEIRO CHECAR PLANO DE SAÚDE AO INVÉS PRESTAR O SOCORRO. O CORRETO É DAR O SOCORRO À VITÍMA E A FAMILIA FICAR NA RECEPÇÃO VENDO A PARTE BUROCRÁTICA, NO CASO DE NEGATIVA DO PLANO DE SAÚDE QUANDO QUADRO CLÍNICO JÁ ESTIVER ESTABILIZADO E O PACIENTE TIVER CONDIÇÃO DE DESLOCAMENTO SEM COMPROMETIMENTO E RISCO DE VIDA ISSO É FEITO. O MINISTÉRIO PÚBLICO TEM DE INTERVIR NISSO, POIS O HGU TEM DE RESPONDER PROCESSO POR OMISSÃO DE SOCORRO E NEGLIGÊNCIA!!!!!!
    MAIS UMA VEZ O DINHEIRO FALOU MAIS ALTO QUE A VIDA DE UMA PESSOA!!!

  9. Dr House disse:

    Mais uma vez , o frustrado Roberto Guedes, louco pra ser médico ,só que sua diminuta inteligência não o permitiu. Enquanto for detentor de uma oligofrenia extrema ,nunca conseguirá vestir um jaleco branco. Ainda tem tempo, estude , a Univasf está na sua porta, se não quiser estudar, o que é muito provável, vá morar na Bolívia, lá não precisa fazer vestibular, quem sabe lá sua oligofrenia supere as expectativas.

  10. Dr House disse:

    Sr Gilberto Orlando, na verdade , o plano de saúde é quem tira o dinheiro dos médicos. Você foi contagiado pelo vírus da oligofrenia que acometeu o Roberto Guedes, coitadinho, já se encontra em fase terminal, só um transplante de cérebro o salvará.

  11. O Plantonista disse:

    FÁCIL EMITIR COMENTÁRIOS SEM SABER DOS FATOS!
    D. Ma.das Dores chegou ao hospital com queixa de dor torácica há +/-12h de evolução, quando foi atendida pelo plantonista diurno que suspeitou IAM e procedeu com anti-agregante plaquetário, analgésicos potentes, sedativos etc. conforme protocolo em suspeita clínica para tal e solicitou dosagem de enzimas.
    A paciente evoluiu estável, aguardando exames, sem intercorrências, relatando terem passado as dores com as medicações recebidas (SIC).
    Assumi o plantão noturno.
    Após receber o resultado dos exames solicitados pelo outro médico do dia, COMUNIQUEI IMEDIATAMENTE À MÉDICA DA UTI QUE IRIA SUBIR UMA PACIENTE QUE ESTAVA INTERNANDO, CLINICAMENTE E HEMODINAMICAMENTE ESTÁVEL, COMPENSADA, MAS QUE NECESSITAVA INTERVENÇÃO EM UTI, APRESENTANDO ALTERAÇÕES DO TRAÇADO ELETROCARDIOGRÁFICO E ENZIMAS ELEVADAS, CONFIRMANDO IAM.
    COMUNIQUEI À FAMÍLIA, QUE APESAR DA PACIENTE ENCONTRAR-SE BEM E SEM QUEIXAS HAVIA SIDO CONFIRMADA A SUSPEITA CLÍNICA, PORTANTO A PARTIR DE AGORA NECESSITAVA SEGUIMENTO EM UTI.
    A família a princípio assustou-se com a notícia e inclusive orientei à filha que estava lá que não voltasse a conversar com a mesma para não passar estresse, isso aumentaria os riscos de complicação, pois percebi seu semblante completamente mudado após confirmação do diagnóstico.
    Um dos familiares me adiantou dizendo que não solicitasse internamento, pois com certeza o convênio não iria autorizar relatando-me que a mesma tinha poucos dias com o referido o plano de saúde. Imediatamente RESPONDI QUE NADA DEVERIA SER REALIZADO ANTES DE TENTAR UMA AUTORIZAÇÃO DO CONVÊNIO E ASSIM PROCEDI.
    Percebendo ansiedade dos familiares em remover a paciente, alertei que a paciente deveria FICAR EM REPUOSO ABSOLUTO, inclusive frisei que não deveria sequer levantar do leito, mesmo estando em aparente bom estado geral.
    QUANDO INDIQUEI INTERNAMENTO DIRETO À UTI FICA CLARO QUE DE AGORA EM DIANTE ELA DEVERIA ESTAR EM UTI, INCLUSIVE QUALQUER TRÂNSITO DEVERÁ SER EM UTI MÓVEL!
    Não entendi como uma paciente acabava de ser solicitado internamento em UTI, os familiares acharam que mesmo sem autorização do convênio deveriam levá-la de forma comum e em transporte próprio.
    Toda transferência de pacientes entre hospitais deve ser realizado em ambulâncias, não em carro de particulares.
    Sei que no afã e desespero diante da situação os familiares queriam o melhor pra ela, mas em qualquer momento sob minha aprovação para ser dessa forma.
    Trabalho em urgência e emergência há 20 anos, inclusive já trabalhei em emergência cardiológica, com cursos como ATLS e passagem pelo SAMU sob seleção curricular. Jamais permitiria que uma paciente com IAM confirmado ou suspeito fosse transferida em transporte comum apenas com familiares.
    Deixo aqui meus pêsames aos familiares nesse momento de dor.
    Quando as fatalidades consecutivas surgem, vêm acompanhadas de múltiplos questionamentos e muitas vezes tenta-se encontrar o culpado em causar o IAM, principal determinante de tudo.
    Quanto ao Dr. House e Dr. Roberto Guedes (precipitados em emitir comentários sem conhecer detalhes dos fatos), se trabalham em emergência, isso também poderá acontecer com vocês, principalmente quando não há apenas um paciente na emergência para se atender ou evoluir! Se não tivesse as condições ideais para transferir, não permitiria da forma como aconteceu, mesmo sob consentimento informado (ou termo de responsabilidade como você chama), pois são leigos e desconhecem as surpresas de uma pessoa em franco IAM.
    Espero em DEUS, pois a Ele devo tudo e todas as coisas em minha vida, que a família receba o conforto necessário nesse momento de dor, evitando que precipitados em desconhecer os fatos venham emitir opiniões que só prolonguem a dor.

  12. Carlos Martins disse:

    Foi assim que Cristo foi a cruz e até hoje a gente chora. Quem somos nós para julgarmos? Não temos respaldo legal e nem informações suficientes para isso. Se dependesse de alguns como o Sr. Roberto Guedes a profissão desse rapaz teria sido jogada ao lixo. E o pior que ele faria isso sem nenhum pudor. Senhores, existem órgãos competentes para isso, pq ficarmos nesta gana por sermos o que não somos? Melhor cobrarmos do CREMEPE a análise dos fatos. E se o plantonista estiver sendo verdadeiro (que não é incomum), acho que os que atiraram as primeiras pedras deveriam numa atitude grandiosa pedir desculpas por mais uma vez que vieram aqui falar bobagem. Sou plantonista de UTI há vários anos e vou dizer: “pra morrer comigo é difícil”, mas algumas vezes isso acontece mesmo em ambiente de UTI. Pq será? Pq quem decide isso não somos nós…engana-se quem acha que não há um plano “superior”. No dia que esse plano nos cita, não há médico no mundo que reverta tal decisão. Mas na nossa cultura é difícil entender isso, até pq estamos nos afastando cada vez mais da espiritualidade. Só Deus pode trazer o conforto aos parentes desta vítima.

    Aos médicos deixo essas sabias palavras

    Da incapacidade de não interferir; do entusiasmo exagerado pelo o que é recente e desdem pelo que é tradicional; de valorizar mais o conhecimento do que a sabedoria, a Ciência mais do que Arte, e o talento mais do que o bom senso; de tratar os pacientes como casos, de fazer a cura da doença mais penosa do que a tolerância da mesma, Senhor, livrai-nos.

    Sir Robert Hutchinson

  13. Pe. Antonio Moreno disse:

    Lamentalvelmente, é essa uma p´ratica recorrente na Saúde de Petrolina. Solidarizo-me com a familia da paciente que veio a falecer. Concordo com a análise do leitor identificado como Dr. House. Todos médicos, os gestores de Hospitais publicos e privados precisam de maior sensibilidade humana, para humanizar hospitais e atendimento médico em nossa cidade. Acima de qualquer outro interesse todos devem ter clara consciência do valor e da dignidade da vida humana, da pessoa que tem diante de si. Não podem o zelo pelo patrimônio, pelas finanças do Hospital Público e a burocracia do Hospital público estar acima do interesse em salvar uma vida. Nada justifica nem a não internação na UTI do Hospital privado e a demora em internar uma paciente que exige cuidados especiais, de urgencia. Isso não pode continuar. E a população não pode deixar que a vida do ser humano continue a ser vitima desse tipo de coisa. O atendimento em ambos hospitais não foi o que merece uma vida humuna.
    Vivi muitos momentos dramáticos com minha mãe internada ai em Petrolina, que antes de falecer, passou um mês em UTI. Não teve burocracia nesse sentido, por parte da parte administrativa e do médico responsável e mais alguns outros que foram profundamente humanos. Mas por outro lado, há atendimento que clama aos céus por falta de humanidade. Precisa acabar essa história de um paciente deixar de receber etendimento de urgência como esse dessa senhora, em Hospital Privado, só porque o seu plano não cobre a despesa ou porque ela não tem o dinheiro na hora para pagar. Creio que é um dever moral, ético, questão de humanidade, atender…..Concordo que depois de salva a vida humana, o Hospital recorra a todos os recursos para reaver o vaor gasto pelo internamento inclusive do poder público, que tem obrigação de ressarcir essa despesa. Mas despachar a pessoa em perigo de óbito só por falta de plano ou de dinheito isso é muito desumano. Também acho que O hospital não pode exigir pagamento antecipado de nada, para poder fazer um procedimento de urgencia quando o procedimento precisa de autorização do Plano de saúde de noite. Imagine, se a famiília não tem no momento….. Tem que ser feito aquilo que é necessário fazer e no dia seguinte resolver essas questões…..Ninguém poder deixar de ter um atendimento em um Hosítal Privado em situação semlehante a essa em causa só por falta de plano. Deve haver uma legislação que obrigue os Hospitais, em situações semelhantes, atender a pessoa humana. E o Ministério público tem de estar ao lado do povo, para defender a vida dos cidadãos, para obrigar, que o Poder Público assuma as despesas do Hospital Provado que atendeu um paciente cuja obrigação é do Poder Público. São muitas questões relacionadas com a saúde e a Vida humana que devem merecer um debate maior, envolvendo a sociedade, os médicos, Hosítais, plano de Saúde e o Poder Público, incluindo O Ministério Público. Vamos reagir de forma mais enérgica e propositiva….. Essa situação não pode continuar assim….

    Estou expondo meu sentimento e minha a minha visão dos fatos a partir do ponto de vista do paciente, pois sou usuário de plano de saúde….. já precisei de atendimento do Sus e sei de como o ser humano é atendido nos hospitais das duas redes. Não quero generalizar também o tratamento e o atendimento médico. Tenho encontrado médicos que merecem nosso reconhecimento e nossos aplausos em ambas as redes. Mas o contrário também é verdadeiro.
    A conclusão é que precisamos urgentemente de um grande debate envolvendo todos, pois não se pode fechar os olhos para não ver que a Saúde precisa tomar um rumo diferente…..

  14. Expedito disse:

    ROBERTO GUEDES o TERMO DE RESPONSABILIDADE que você fala não possue valor jurídico algum, não impede que seja condenado ou fique isento de responsabilidade. Pelo exposto, cheguei a conclusão que a negligência e demora no atendimento foi no Hospital de Urgências e Traumas, culminando com o êxito letal da paciente.

  15. Expedito disse:

    AGORA DR JÚLIO VAI TER DIFICULDADES EM CONSEGUIR MÉDICOS PARA PETROLINA:

    Entidades médicas e prefeito assinam acordo

    Na foto, o chefe de gabinete da prefeitura, Félix Valente, o secretário de saúde, Gustavo Couto, o presidente do Cremepe, Andé Longo, e o prefeito do Recife, João da Costa

    O presidente do Conselho Regional de Medicina de Pernambuco (Cremepe), André Longo, e do Sindicato dos Médicos de Pernambuco (Simepe), Antônio Jordão, assinaram, na manhã desta sexta-feira (12), um termo de compromisso para a valorização do trabalho da categoria e qualificação da rede municipal de saúde.

    A iniciativa assegura o encerramento da greve dos profissionais que são servidores municipais, iniciada na última segunda-feira (08). A solenidade foi realizada na sala de reuniões do gabinete do prefeito, no 9º andar do edifício-sede municipal, contando com a presença dos secretários municipais, assessores, presidentes e diretores da administração indireta, além de representantes da rede de saúde da cidade.

    Segundo o prefeito do Recife, a assinatura do termo de compromisso com a categoria é mais uma ação política de governo para buscar a eficiência do serviço de saúde municipal, evitando a redução de despesas, mesmo diante de um cenário de crise econômica. “Estamos fazendo um grande esforço para garantir a valorização dos profissionais da Saúde, e, ao mesmo tempo, assegurar uma melhoria nos serviços e na estruturação da rede, visando a melhor qualidade de vida da população da cidade”, afirmou João da Costa.

    De acordo com o secretário municipal de Saúde, Gustavo Couto, além da valorização do servidor, o termo assinado será de fundamental importância para a reestruturação da rede. “Esse é um passo enorme para a melhor qualificação dos profissionais de saúde, fruto do conjunto de ações políticas para a melhoria da condição de vida da população do Recife”, afirmou o secretário.

    Para o presidente do Cremepe, André Longo, a solenidade é um marco para os profissionais da área médica do Recife. “Esse não é só um termo de compromisso salarial, mas também a intensificação de medidas que vão repercutir diretamente no melhor atendimento na rede de saúde do Recife, garantindo a qualidade na assistência para a população”, revelou.

    O presidente do Simepe, Antônio Jordão, concordou que a cerimônia é um momento singular para a categoria. “É um grande passo no avanço da construção de carreira para os servidores municipais da saúde. Estamos no caminho certo, seguindo com uma decisão política adequada”, afirmou.

    Melhorias na estrutura física das unidades, realização de novo concurso público para preenchimento de vagas em aberto, realização de atividades científicas para preceptores e qualificação dos espaços de prática para o ensino fazem parte dos avanços contidos no documento pactuado. Nela também estão definidos os novos valores salariais para os profissionais que atuam na rede municipal.

    Até julho de 2010, o salário-base dos médicos diaristas 20h e dos plantonistas 20h passará de R$ 1.178,90 para R$ 3.060,00. Já o dos profissionais que atuam no Programa de Saúde da Família (40h) sairá dos atuais R$ 2.357,81 para R$ 6.120,00. Com as gratificações, médicos diaristas 20h receberão R$ 3.496,00; plantonistas 20h, R$ 5.580; plantonistas 20h – Samu, R$ 6.030,00; e os do PSF, R$ 7.836,00.

    Da Assessoria de Comunicação do Cremepe.

  16. O observador disse:

    É impressionante como tudo que ocorre de errado nessa cidade agora é culpa dos médicos. Gente ponham a mão na consciência e reflitam, as instituições(hospitais) tem muito mais responsabilidade sobre esses fatos que os profissionais, muitos destes trabalhando nesses serviços sobre pressão da diretoria ou dos próprios donos dos estabelecimentos. Todos aqui sabem que antes de ser atendidos por um médico tem antes que passar por recepcionistas auxiliares de enfermagem e outros profissionais que seguem normas burocráticas da direção. Portanto não são médicos que mandam nos hospitais que dizem o que deve ou não ser atendido ou internado e sim esses indivíduos, os médicos são apenas empregados como qualquer outro precisamos diminuir esse senso de falsa justiça querendo crucificar apenas um quando todo o sistema é cheio de falhas, não sejamos hipócritas. Com relação ao trauma todos sabem que a UTI sempre esta lotada consequentemente nem um médico aprendeu a fazer milagre da multiplicação de leitos de UTI

  17. jaleco branco disse:

    Infelizmente mais uma vítima! quem será o responsável? Os planos de saúde só atendem bem quando é para o usuário aderir. A sensibilidade fica bem distante do social o que vale é o poder econômico. Depois que a senhora morreu ficou as funerárias brigando para vender o caixão. Que vergonha!!!! Não queirão colocar a culpa no Hospital de Traumas………………………

  18. Drº Carla Gracielly disse:

    Sei que é difícil apontar culpados, mais podemos raciocinar através dos fatos. Se tratando de uma família humilde, sem conhecimentos, seria pouco provável ir de frente ao medico. Já que o mesmo encaminhou a paciente para o hospital de traumas, sabendo ele, que uma pessoa com infarto agudo do miocárdio não tem condições alguma de andar. Precisando ser transportada em uma unidade móvel equipada.. Seria esse o erro numero 1.?? Quando se escolhe a profissão de medico, escolhe-se também salvar vidas, seja ela portadora de um plano de saúde ou não. Mesmo sabendo que a paciente teria que de urgência ter o suporte de uma unidade de terapia intensiva, o medico não se preocupou em momento algum em verificar se no trauma teria esse leito disponível. A paciente chegando ao hospital publico foi atendida pela medica de plantão, onde ficou horrorizada pelo fato da paciente chegar andando sem suporte algum. Seria esse o erro numero 2 ??
    A lei é clara, não tendo disponível na rede publica um leito em UTI , seria imprescindível a remoção para um hospital da rede particular onde os custos seria pago pelo município.Essa liminar existe, graças a nossa promotora Ana Rubia. Só precisam colocar em pratica. Porque isso n foi feito??
    Mesmo portando a carteira do plano Unimed, sendo que ao chegar ao HGU, seu nome não constava no sistema , dificultando o atendimento. E mesmo com o contrato explicando claramente no titulo VII, subtítulo I onde fala da segmentação ambulatorial que, cobertura de atendimento caracterizado como urgência ou emergência que demandem atenção continuada, pelo período de até 12 horas. Porque não ficou pelas 12 horas?? Ou ainda explicado no contrato, titulo XVIII onde fala da remoção inter-hospitalar, para uma unidade do SUS . Ela foi andando com o apoio da filha. Será que uma filha ama tanto sua mão a ponte de tirá-la de um hospital com maior suporte para levá-la a um do governo, onde n possui as condições necessárias de atendimento?? Podemos brincar com a vidas dos outros. Só não podemos brincar com a justiça! E essa será feita!

  19. Parente da vítima disse:

    Eu entendo a preocupação do plantonista em querer se defender de tal omissão, pois só agora é que a consciencia veio a pesar mais que o dinheiro. De fato, na data em epígrafe a vítima deu entrada naquela instituição de saude HGU, onde iniciou-se um calvario até a morte, pois o citado médico, diagnosticou através de exame o IAM, como consta exame de sangue e ECG. NÃO houve em hipotese alguma intenção da filha remover sua mae, sabendo da gravidade do problema , repassado pelo próprio médico para outro hospital. Agora diga-me qual é o ser humano que tendo um plano de saude como a UNIMED removeria seu ente DE UMA HOSPITAL PARTICULAR PARA UM DO SUS ??:???. O que se apura é descaso do médico diante de tal fato, pois no momento do encaminhamento o mesmo só disse leve a devagar, e virou as costas pra paciente e foi ver televisão, se quer falou em ambulância. Até o mais leigo do ser humano sabe que o médico é pra salvar vidas e não ceifa-las, como também existe uma LEI que o paciente no estado em que ela se encontrava , qualquer hospital teria que dar assistencia, mesmo que o paciente não tivesse plano algum. Agora a justiça deve apontar quem realmente fora omisso e não deixar que mais uma vida seja esquecida.

  20. Eugenia disse:

    Triste fato que pessoas como tal Dr House que faz comentário sobre a vida pessoal do tal Roberti Guedes, que coisa feia gente, respeitem um assunto serio desses que pode acontecer com qualquer Petrolinese.

    Respeitem o espaço e o assunto.
    Meus sentimento a família, e Deus nós livre de um hospital e acontecimentos desses.

  21. Parente da Vítima disse:

    CLAMAMOS AO PODER PUBLICO, QUE SE FAÇA JUSTIÇA!

    QUE PUNA O RESPONSÁVEL!!!
    OU MELHOR OS IRRESPONSÁVEIS…..

  22. Sobrinha da Vitima, Jacquelyne disse:

    Ou ler todos os comentarios e saber de todos os fatos citados e q sei atravez de meus familiares, me parte o meu coracao em saber q infelizmente o Brasil nunca ira mudar, Hj vivo a quase 10 anos no Estados Unidos e me ogulho pq ja passei por varios apuros em parti medica e aq eu nao possuo nenhum seguro de saude, e todas as vezes q fui a uma emergencia eles nao olha cor nem tipo, nem ao menos seguro de saude, pricipalmente falando se de caso grave como foi o de minha tia, Deus tem de misericordia pq infelizmente nos dias de hj nao eh mais o medico quer salvar vidas, eles se formam pelo o salario nao pela a profissao, Aconteceu hj ela esta em paz ao lado de Deus pai, e ele lah sim ve tudo q se passa aq na terra, que se puna o responsavel alias ele sera punido mesmo nao sendo aq na justica dos seres humano ele sera na Justica Divina essa sim eu creio tem poder, Tia meu bem, perdao em ter te ver parti meu coracao chora e esta pequenininho mas Deus viu e acolheu minhas lagrimas por ti, beijos eu te amo…..e a voces digo aqui se faz aqui se paga, Deus e Fiel!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *