Gerente regional da Compesa afirma que prefeitura só vai recuperar 10% do saneamento da Bacia do Dom Avelar: “Vamos aproveitar o que for feito”

2
João Raphael Queiroz, gerente regional da Compesa. (Foto: Blog do Carlos Britto)

O gerente regional da Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa), João Raphael Queiroz, concedeu entrevista ao Programa Carlos Britto, na Rural FM, hoje (17), para falar sobre o saneamento em uma das áreas mais complicadas de Petrolina, a bacia do Dom Avelar (zona norte), onde a prefeitura, após muita celeuma com a Compesa, iniciou as obras de recuperação do saneamento, apesar de a Companhia ser a responsável pelo sistema de água e esgotos na cidade.

Durante a entrevista, João Raphael destacou o anúncio feito recentemente pela Compesa, que irá investir recursos que chegam, segundo ele, a quase R$ 24 milhões na mesma área em que a prefeitura iniciou a recuperação do saneamento com investimentos de R$ 4,6 milhões.

O anúncio desse investimento vem desde dezembro de 2017, quando concluímos os estudos e conseguimos a verba. Estávamos impedidos de executar esse serviço devido à concessão, que a gente não tem aqui. Por duas vezes tentamos sentar [com a prefeitura], em 2018 e no início deste ano, por intermédio do Ministério Público Estadual e do Ministério Público Federal, mas isso foi em vão. Perdemos todo esse tempo, vimos que não avançaríamos com essas tratativas e entramos com um pedido na Procuradoria Geral do Estado para que a gente pudesse incluir uma cláusula na nossa licitação”, explicou o gerente.

Segundo João Raphael, os trabalhos realizados pela prefeitura não serão desfeitos. “Tem áreas de expansão na região do Dom Avelar, que cresceu bastante. A gente prevê recuperação da rede que foi implantada na década passada, que hoje está muito deteriorada. Então, todo esse recurso a gente vai aplicar nessa bacia. Caso a prefeitura tenha feito alguma coisa e a gente consiga aproveitar, vamos aproveitar, não vamos desfazer nada feito pela prefeitura. Mas não é o ideal, pois temos dois recursos implantados no mesmo local”.

O gerente regional da Compesa ainda disse que, em toda a bacia do Dom Avelar, serão substituídos 120 mil metros de tubulação. “Se fizermos uma análise comparativa, de tubulação que foi colocada de forma errada, temos 120 mil metros de ramais a serem implantados. Se você comparar com a licitação da prefeitura, são 13 mil a serem implantados. É uma diferença muito grande. Nossa proposta é resolver toda a bacia, não só o Dom Avelar, mas também os bairros Santa Luzia, Terras do Sul, Padre Cícero, São Jorge, São Joaquim, Vila Débora…toda aquela região será contemplada com a nossa licitação”, afirmou.

Recuperação pela Prefeitura

Questionado sobre os serviços de recuperação que o município vem realizando na bacia, onde o a prefeitura afirma que os moradores já estão vendo os resultados, João Raphael disse que os serviços estão sendo feitos nos locais onde a rede foi implantada por último, por isso a prefeitura não estaria tendo dificuldades.

A parte que a prefeitura está trabalhando é no Padre Cícero, onde [o saneamento] é mais recente. Quando ela chegar ao ‘miolo’, que é na Avenida dos Minérios, na Rua da Oração, Rua do Sentimento, Rua da Caridade, que é mais complicado, a gente vai ver que vai despender (gastar) muito recurso para fazer as adequações necessárias. Nesse local a gente pretende recuperar tudo. Lógico, o que for reaproveitável a gente vai reaproveitar. Analisando a licitação da prefeitura, ela só vai recuperar 10% do que está implantado ali”, afirma João Raphael, estabelecendo um prazo de um ano e meio para finalizar os serviços. “Essa obra está estimada em 18 meses para que a gente possa concluir. Com esse recurso a gente resolve, definitivamente, o problema daquela localidade”, finalizou.

2 COMENTÁRIOS

  1. O problema é a senhora Compesa e seus gestores são pirracentos e enrrolões. A Prefeitura elaborou um planejamento executivo, elaborou projetos, buscou recursos financeiro, licitou a obra, teve a concorrência nacional, esperou o tempo necessário pra assinar a ordem de serviço. E aí?
    E aí com esse tempo todo que teve vem a infeliz da COMPESA (e como pesa), licitar o mesmo objeto, mentindo pro povo com valores inclusive errôneos e fazer aquela população de otarios.
    Inclusive a responsabilidade era pra ser dessa senhora COMPESA.
    Fugil dela e ainda vem falar mal da ação da prefeitura que tá por sua atendendo os reclames daquele povo.
    Penso que a prefeitura municipal deveria de uma vez por todas assumir essa concessão, e mandar a mal prestadora da COMPESA pra baixa da égua.

  2. Não temos dúvidas de que tanto a COMPESA em Petrolina, como em outras cidades precisam ser privatizadas, ou por outra, como podem ser superavitárias, digo, cidades ribeirinhas, haverá claro que interesse por parte da iniciativa privada, com um adendo, que essa privatização não tenha endereço de beneficiar ninguem em particular, que não tenha caixa 2 para campanhas políticas. Para que isso não ocorra, o Povo tem que estar atento, os Órgãos de Controle como TCE, MP e afins, tenham voz na fiscalização do Edital de Convocação, e em todo o processo de licitação. Os interesses em jogo são muitos, e, normalmente a população é esquecida nesses processos.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome