Geddel assina medidas de proteção a produtores atingidos pela crise

por Carlos Britto // 23 de janeiro de 2009 às 13:00

 Os efeitos da crise financeira mundial fizeram o Ministro da Integração Nacional, Geddel Vieira Lima, antecipar duas medidas de socorro ao setor produtivo do Nordeste. Ele aprovou ontem pela manhã a renegociação das dívidas dos fruticultores do Vale do São Francisco e a manutenção em 2009 dos mesmos limites de crédito de antes da crise para empresas exportadoras financiadas pelo FNE, o fundo de empréstimos para o Nordeste gerido pelo Ministério da Integração.Essas iniciativas estavam previstas para a segunda quinzena de março, quando ocorre a reunião do conselho deliberativo da Sudene, órgão ligado à pasta da Integração Nacional. Mas “em função da crise que reduziu o consumo de frutos e de outros produtos de exportação do Nordeste foi preciso antecipar as medidas”, explicou o ministro Geddel.

Com a assinatura ministerial, os fruticultores do Vale do São Francisco conseguiram a renegociação das parcelas vencidas a partir de setembro de 2008 e vincendas em 2009, pagando apenas 2% do saldo devedor em atraso. Além disso, poderão tomar novos empréstimos para as safras seguintes. Já as empresas exportadoras, integrantes do Nexport (Programa Nordeste Exportação), poderão contrair empréstimos do FNE até o limite de R$ 40 milhões, nas mesmas condições do ano passado. O ministro Geddel, no entanto, ressalva que “tão logo o mercado financeiro internacional volte à normalidade, nova avaliação será feita”.

As duas resoluções serão submetidas à aprovação ad referendum (aceitação posterior) do Conselho Deliberativo da Sudene, composto por todos os segmentos de interesse do setor, do governo aos trabalhadores.

Com informações do Ministério da Integração Nacional

Geddel assina medidas de proteção a produtores atingidos pela crise

  1. Socrates Augustus disse:

    Vamos esperar para ver o que acontece. Tomará que toda essa dinheirama que vai ser passada para as empresas sirva para garantir um melhor vida aos trabalhadores do vale e que possam ter garantia expressa de seus empregos, seria a hora do sindicato exigir um comprometimento dos empresários quanto a não demissão dos mesmos. Pois muito do dinheiro que entra vai para outros caminhos que não o devido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.