Furacão devastador: Sandy deixa saldo de mais de 100 mortos, só nos Estados Unidos

6

Pelo menos 101 pessoas morreram após a passagem da supertempestade Sandy pela Costa Leste dos Estados Unidos (EUA), segundo balanço das autoridades divulgado na sexta-feira (2). O estado de Nova Iorque contabiliza o maior número de mortes, 49 – 41 delas apenas na cidade. O bairro de Staten Island é o que mais sofreu com as enchentes.

O prefeito Michael Bloomberg que advertiu que “ainda pode haver mais vítimas”. Em Nova Jersey, onde Sandy provocou enormes estragos, a falta de eletricidade ainda atinge 1,5 milhão de pessoas, com um saldo de 14 pessoas mortas.

As autoridades locais advertem o perigo do uso de geradores: cinco pessoas morreram desde segunda-feira (29/10), envenenadas por monóxido de carbono.

A energia elétrica começava a voltar ontem às áreas de Nova Iorque mais atingidas, mas boa parte dos nova-iorquinos não esconde sua revolta com a demora do restabelecimento da eletricidade e as filas intermináveis nos postos de gasolina.

O prefeito Michael Bloomberg anunciou que cerca de 70 mil lares de Nova York recuperaram a eletricidade desde quinta-feira (01), mas que 460 mil ainda continuam sem luz.

Posteriormente, a Con Edison, principal distribuidora de eletricidade de Nova York, informou o restabelecimento da energia para 65 mil clientes do sul de Manhattan.

Segundo a companhia, a luz voltou aos bairros de East Village e Lower East Side, mas o apagão persiste em 400 mil residências, sendo 160 mil no sul de Manhattan.

A Con Edison admite que a volta da energia elétrica a certas áreas da cidade, como Queens e Staten Island, pode tardar até 11 de novembro.

Maratona cancelada

Diante deste quadro, a realização da maratona de Nova York era alvo de severas críticas e o jornal New York Post publicou a manchete “Abuse of power” (trocadilho com “abuso de poder” e “desvio de energia”), com uma foto de geradores colocados pelos organizadores da prova. A pressão fez Bloomberg cancelar a prova, de última hora, após defendê-la até a tarde de sexta-feira.

Apesar da mobilização de emergência e o anuncio da distribuição de um milhão de refeições aos atingidos, a frustração é intensa nas áreas mais afetadas, como Staten Island.

Críticas

As críticas também atingem os fornecedores de eletricidade, que lutam para restabelecer milhares de linhas derrubadas pelos ventos ou varridas pelas inundações. Sem eletricidade, a água não chega aos arranha-céus, o aquecimento falta e as linhas do metrô continuam sem funcionar nos bairros afetados.

Quanto ao transporte, os ônibus circulam normalmente e o metrô e trens suburbanos retomam os serviços de forma gradual, com a reabertura nesta sexta-feira das linhas para Long Island (leste) e para os subúrbios do norte.

Mas o metrô, que normalmente transporta 5,5 milhões de passageiros por dia, não passa da 34th Street, e o sul de Manhattan continua sem eletricidade.

Segurança

Nova York está conseguindo manter sob controle a segurança e até agora a polícia local evitou roubos ou saques motivados pela falta de alimentos e gasolina, impedindo uma repetição dos fatos ocorridos na tragédia do furacão Katrina em Nova Orleans, em agosto de 2005, quando a cidade que ficou sob as águas sofreu uma onda de vandalismo e violência.

A polícia de Nova York – uma das mais equipadas do país – está presente em diferentes partes da cidade e patrulha as ruas 24 horas por dia. (Fonte/foto: G1)

6 COMENTÁRIOS

  1. Vejam só! Nos Estados Unidos as companhias de energia elétrica há vários dias com dificuldades para restabelecer a energia, se fosse aqui no Brasil, como os brasileiros gostam de depreciar o País diriam que era culpa do Governo, principalmente do PT.
    Se a coisa está feia lá nos Estados Unidos, imaginem em Cuba e no Caribe, a imprensa não mostra.

    • É Dona Maria, não sei se você viu as fotos, mas lá passou um furacão. Destruiu tudo. Dê uma olhada nesta estrada da foto. Em outros site você pode ter uma ideia do tanto de árvores que caíram e derrubaram postes e transformadores. Aqui não caiu nenhuma garoa. Comparar uma tragédia natural desta proporção com 3 apagões em 30 dias, causados por desleixo e falta de manutenção do nosso sistema elétrico é demais. É muita vontade de querer defender o Governo!

  2. engraçado é esse foco nos EUA, enquanto outros países como Haiti e Cuba que também foram devastados pelo mesmo furacão nem aparecem nas manchetes. Por quê toda essa solidariedade com um país que tem toda uma estrutura pra se reerguer enquanto mal fala nos nossos irmãos mais pobres, que devem estar comendo o pão que o diabo amassou.

  3. Vamos aprender a interpretar: Eu escrevi que se fosse essa tragédia aqui no Brasil.
    Desleixo, falta de manutenção que vocês, Dreda e Watergate, estão falando, também acontece nos Estados Unidos, na Europa, no Japão, em todo canto, isso está no caráter do ser humano, acontece é que nossa imprensa principal, que tão bem manipula o povo e o povo se deixa manipular,só mostra o lado bonito desses países, as pessoas que viajam para lá a passeio, só falam do lado bonito, mas se vocês pesquisarem também verão que lá também existe corrupção, descaso e tudo mais de ruim que existe no Brasil, aliás, o Brasil aprendeu muito bem esse desmantelo foi com eles.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome