Fruticultores do Vale do São Francisco terão financiamento do governo federal

por Carlos Britto // 28 de janeiro de 2009 às 21:47

Os produtores de frutas da região do Vale do São Francisco – que estão sofrendo com a queda das exportações por conta da crise econômica mundial – vão receber ajuda do governo federal. Em reunião hoje com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, em Brasília, os governadores de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), e da Bahia, Jaques Wagner (PT), garantiram a concessão de um financiamento emergencial aos produtores para o custeio da safra 2009. Os dois chefes de executivo apresentaram ao ministro um dossiê relatando os prejuízos causados pela crise e pelo período de entressafra na região, que é responsável por 42% do total de exportações brasileiras de uvas e mangas “in natura”, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex). O ministro garantiu que o Conselho Monetário Nacional vai aprovar, nesta quinta-feira (29/01), uma linha especial de custeio para a região com recursos do Programa Revitaliza, do Governo Federal, repassados através do Banco Nacional de Desenvolvimento Social (BNDES). O governador de Pernambuco explicou que a linha de financiamento concedida aos produtores do Vale será semelhante à que foi utilizada no reparo dos estragos causados pelas chuvas em Santa Catarina. “O valor deve se aproximar da casa de R$ 170 milhões para o custeio da safra. Isso significa que as empresas que perderam as linhas de financiamento das grandes tradings, que antes compravam e adiantavam recursos e que com a crise internacional deixaram de fazê-lo, vão receber dinheiro para começar a cultura dessas frutas. Isso vai gerar a contratação imediata de pessoas, combater o desemprego, animar o comércio e fazer com que as empresas também possam honrar seus compromissos com os fornecedores”, analisou Eduardo. O governador já agendou uma reunião, para a tarde desta quinta, com representantes dos bancos do Brasil, Nordeste e BNDES, para desburocratizar o repasse desse financiamento aos produtores. O próprio ministro Guido Mantega se comprometeu a formar uma força-tarefa a fim de reforçar a estrutura dos bancos existentes na região para tornar o processo o mais rápido possível, de forma que o dinheiro comece a ser liberado nos próximos 15 ou 20 dias. Os fruticultores que solicitarem o financiamento terão até três anos para quitar a dívida. As taxas de juros devem ficar em meados de 11% ao ano.

Fonte: Diário de PE

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.