Filha denuncia negligência em Hospital de Petrolina e lamenta: “Eu saí de lá desorientada sem saber o que fazer”

14

GEDC4947Pagar um bom plano de saúde nem sempre é garantia de atendimento médico de qualidade. Em Petrolina, os familiares de uma idosa de 89 anos acusam o Hospital Neorocárdio de negligência médica. Segundo a filha da paciente, Verônica da Silva, um médico do hospital teria se negado a atender sua mãe, mesmo sabendo que o estado de saúde da idosa havia piorado muito, após a última consulta.

Verônica explica que passou mais de uma hora tentando falar com o médico na tarde desta segunda-feira (29) e, quando finalmente conseguiu, ouviu uma resposta que deixou toda a família revoltada.

Eu fui ao hospital com minha mãe, cheguei lá por volta de três da tarde, esperei mais de uma hora para poder falar com o médico e, quando falei, ele disse que não podia atender minha mãe porque assim iria se atrasar muito e só iria sair de lá de noite. Nossa família ficou revoltada, porque ele é o médico dela há muito tempo e não custava nada ele, ao menos, ver como ela estava. É triste”, lamentou Verônica, afirmando ainda que sua mãe está com dificuldades de locomoção.

Sofrimento prolongado:

A filha da paciente relata que o sofrimento da família começou no início deste mês, quando sua mãe começou a ficar com a saúde debilitada. “No dia 4 de abril nós a levamos para se consultar com ele, aí ele atendeu, passou remédio e pediu um exame. Então nós voltamos para casa e, quando tentamos marcar o retorno, a secretária disse que ele estava viajando. Aí finalmente, quando ele chega, não quer atender minha mãe. Eu saí de lá desorientada, sem saber o que fazer”, conta.

Não bastassem todos os transtornos com a doença da mãe, Verônica ainda diz que o médico lhe destratou dentro do consultório. “Ele tinha pedido o exame e nós não conseguimos fazer, então ele veio com ignorância, perguntando por que a gente não tinha feito o exame se já tinha tanto tempo que ele tinha pedido, como se isso dependesse da gente”, afirmou.

O Blog já entrou em contato com a assessoria de comunicação do Hospital, mas até o fechamento desta matéria não obtivemos nenhuma resposta. Reservamos espaço para um posicionamento sobre o caso.

Por Magnólia Costa

14 COMENTÁRIOS

  1. Se à população comecassem à divulgar esses absurdos, talvez esses medicos, passariam à ser mais humanos e não mecenarios….só queria ver se fosse algum da familia dele, se iria deixar sem atendimento.
    Isso é uma vergonha….Dr. coloque em pratica seu juramento.

  2. Quando vemos situações como essas nos perguntamos, se acontecendo com alguém que não conhecemos nos causa indignação, como seria se fosse alguém de nossa família?
    Muitos profissionais da saúde não estão horando os juramentos que fizeram ao se formar, jurando cuidar da vida de seus semelhantes.
    Se essa idosa que tem plano de saúde passa por uma situação lamentável como essa, em um hospital que se diz referencia em saúde na cidade.
    Imaginamos os que tem que passar pela saúde publica.
    Senhor medico não sei seu nome mais deveria pensar que o senhor também deve ter mãe e com certeza não gostaria que ela fosse tratada assim com tanto descaso.

  3. ja pasamos po esta mesma atitudes deses medicos do neurocadio, a medica VANIZE pedriatra estava de plantão um dia de domigo , levamos nosso filho de um mes de nacido pra urgencia,5.50 da manha e ela nõs atendeu super mal e com ignorancia se nos ajudar muito nas duvidas que tinhamos, eu agora se vou pra la de novo ligo primeiro pra la se ele tive não vou VANIZE e o nome dela uma senhora já.

  4. Vejo dois principais problemas – Petrolina é polo regional e oferece a melhor saúde da região, conclusão: todos estão vindo se tratar aqui; Os planos de saúde não querem pagar melhor os médicos e estes não acham justo o que recebem, conclusão: determinam um número X de pacientes de plano para atenderem e depois só marcam consultas particulares. Nunca precisei de hospital público, mas todos aqui na minha casa já sabe, em casos de doenças graves é melhor ir pro Dom Malam, pelo menos teremos a garantia de um primeiro atendimento.

  5. Divulgue o nome do médico. É para o bem de todos. Não adianta
    falar o problema e deixar a população desconfiando de um ou de outro.
    Tornando público, esse cavalo,mercenário toma jeito ou se muda para bem longe daqui.

  6. O Blog antes de divulgar qualquer denúncia deveria ao menos verificar a veracidade dos fatos, antes de prejudicar a imagem de um estabelecimento, principalmente de um Grande hospital como de fato é o hospital Neurocárdio, logo o hospital esta estruturalmente em um prédio composto por 10 andares, onde se constitui em seus quatros primeiros andares (ausentando-se as clínicas UNICARDIO e PREVENCOR que também estão localizadas no 3 andar), os demais andares ( do 5 ao 10 andar), são de total responsabilidade dos condôminos do centro médico Petrolina, onde cada andar é constituído por médicos dotados de pessoas jurídicas (empresas), que não possuem nenhum vínculo com o hospital, e os mesmo oferecem serviços ambulatoriais (Consultas e pequenos procedimentos), serviços esses que infelizmente o hospital ainda não oferece. Sei que muitos moradores de Petrolina também não sabem desta distinção (que o Neurocárdio só é até o 4 andar, os demais é o Centro Médico), como o que de fato deve ter acontecido com o denunciante, mais um blog conceituado como esse é, deveria ao menos checar as informações antes de realizar a publicação, até mesmo para não cometer gafes e está chamando o hospital Neurocárdio de NeOrocardio;
    Isto não se dá ao fato de ser o hospital Neurocárdio e sim de torna claro para o leitor o que de fato aconteceu, pois qualquer leitor desta denuncia irá criar uma má expectativa sobre a qualidade do serviço prestado pelo o hospital relacionado.
    As denúncias em relação ao se tratar de saúde em Petrolina, seja ela de iniciativa publica ou privada é sem dúvida um instrumento para renovações e melhorias neste âmbito, apesar de que Petrolina, não deveria estar com a qualidade que atualmente possui, logo a Universidade Federal UNIVASF, cada ano forma diversos profissionais de saúde, além de diversos profissionais existentes em Petrolina e juazeiro, mais podemos perceber através desta denuncia e de muitas outras já relatadas e as outras milhares não relacionadas as mídias, que Petrolina necessita de estímulos e renovações na saúde, até mesmo para os hospitais de iniciativa privada é difícil manter qualidade no serviço prestado, isso se dá no meu ponto de vista por diversos fatores, primeiramente os recém formados aqui em Petrolina, são em sua maioria alunos naturais de outras cidades/estados e ao se formarem vão embora, fazendo de Petrolina apenas um formado de profissionais e que ao meu ver, deveria existir algum tipo de parceria entre a universidade e o município firmando um período obrigatório de prestação de seus serviços no municipal (mais que justo, já que se sua formação foi aqui), segundo, os recém formados e que queiram iniciar seus trabalho aqui no município, não recebem nenhum incentivo para se estruturarem aqui, pois poderia ser criado alternativas para contratações de todos esses profissionais, criando centros de atendimento médicos populares, financiado pela prefeitura com parcerias das empresas locais (repassando os impostos municipais e federais para estes centros, e pôr fim aos médicos que aqui residem, das duas uma, ou é um médico que não busca se atualizar e se limita em seu consultório com pouquíssimos atendimentos, até por que ninguém vai querer colocar em risco a vida, ou é um médico de renome e tem que dividir seu tempo em atender em quase todos os hospitais públicos e privados, realizar cirurgias, atender em seus consultórios, além de ensinarem na UNIVASF, onde na maioria das denúncias serão estas pessoas de renomes que limitam suas vidas ao atendimento, por que no mínimo médicos como estes demandam pelo menos 15 horas diária para atendimento, enfim, este profissionais são limitados e assim não conseguem atender com a qualidade minimamente exigida em pelo menos um dos locais de atendimento diário, e fazem com que pacientes internados esperem suas visitas que deveriam ser até no máximo 12h até altas horas, bem como seus pacientes do consultório esperarem horas e horas, pacientes para realizarem cirurgias em muitos casos são remarcados, tornando assim um grande problema não só para os pacientes, como também para hospitais que necessitam dos serviços deste profissionais e que ficam reféns deles. DESABAFO PARA REFLEXÃO

  7. Todos nós devemos ter o cuidado antes de emitir qualquer opinião pois toda história tem dois lados e uma só verdade. A filha disse que o médico havia pedido um exame e que a mesma não tinha realizado. O tratamento depende de examinar com as mãos o paciente, mas também, necesita-se de exames para esclarecer o que na consulta não foi possível. Portanto, a responsabilidade é da filha que não cumpriu o que o médico havia determinado.

  8. Enquanto médico for visto como um MITO em nosso país, casos como este e muito piores acontecerão. Todo funcionário tem de bater cartão, tem de cumprir uma jornada de 44 horas semanais, por que o médico não cumpre? Ele é melhor que os outros profissionais? Ele é Deus?
    Por não precisar cumprir horário como todo funcionário é que vemos o mesmo médico ser funcionário do TRAUMA, HGU, MEMORIAL, NEUROCÁRDIO, PRÓ-MATRE, REGIONAL, HOSPITAL DA UNIMED e ainda, atender em sua clínica particular. A faixa salarial de um médico está muito acima da faixa salarial de outros profissionais que têm curso superior e que cumprem uma jornada normal de trabalho, mas o que se dissemina na sociedade é que médico ganha mal e trabalha muito.
    TRATEMOS OS MÉDICOS COMO SERES HUMANOS, SÓ ASSIM CONSEGUIREMOS ENXERGAR OS SEUS ERROS!

  9. Os Hospitais e Clínicas de Petrolina há muito tempo estão repletos de Medicenários (Médicos Mercenários). Louvando a parte atenciosa e dedicada de muitos, há uma turma nefasta para os quais o valor maior não são a vida e a saúde, e sim o balanço lucrativo no fim do mês. Há poucos dias, no Memorial, uma enfermeira displicente furou errado duas vezes seguidas o braço de minha esposa. O soro estava visivelmente inchando o braço dela, e a Médica, também displicente e com um salto alto barulhento (inadequado para um ambiente de silêncio), parecia estar numa festa. Outro dia também, na Imaculada, um médico atendeu a mim e a mais dois pacientes em sete minutos (somando nós três). Visivelmente apressado por que tinha “outros compromissos”. Rasguei a receita (rabiscada e ilegível) e é claro, jamais o procurarei.
    O CRM e a imprensa estão aí para cobrar postura adequada desses maus profissionais.
    Deixemos a postura passiva. Cabe-nos cobrar pela melhoria coletiva.

  10. Eu também queria saber o nome desse médico porque também já fui destratada por um destes médicos que atendem no Neurocárdio por conta do horário e era retorno de uma consulta particular. Ninguém tem culpa se marcam muitas consultas para receberem muito dinheiro. E é um médico renomado,

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome