‘Farra de passagens’ atinge líderes da Câmara

por Carlos Britto // 19 de abril de 2009 às 19:00

Registros de companhias de aviação obtidos pela Folha revelam que caciques da Câmara dos Deputados, como dirigentes e líderes partidários, financiaram dezenas de viagens ao exterior de familiares e amigos. Entre os quais, os presidentes nacionais do PT, Ricardo Berzoini (SP), e do DEM, Rodrigo Maia (RJ).

Constam da lista também nomes como Ciro Gomes (PSB-CE), ex-candidato ao Planalto; José Genoino (PT-SP), ex-presidente do PT; Armando Monteiro Neto (PTB-PE), presidente da Confederação Nacional da Indústria; Eunício Oliveira (PMDB-CE), ex-ministro das Comunicações; e Vic Pires (DEM-PA), ex-candidato a corregedor da Câmara.

A maioria dos deputados ouvidos pela reportagem justificou os bilhetes aéreos para os parentes alegando que o regimento interno da Casa não proíbe a prática. Os destinos mais recorrentes são cidades badaladas do turismo internacional, como Nova York, Paris, Madri, Miami, Frankfurt, Buenos Aires e Santiago.

O presidente do PT, por exemplo, emitiu em dezembro de 2007 um bilhete para a capital argentina para sua filha Natasja Berzoini. Procurado pela reportagem, não ligou de volta.

Já Rodrigo Maia, além de ter levado a mulher e a filha para Nova York (EUA), bancou também uma passagem aérea para sua prima Anita para o mesmo destino. “Ela foi resolver um problema particular de saúde”, disse o presidente do DEM.
Maia reconheceu que a viagem a Nova York foi a turismo. Ele levou a mulher também a Paris, mas disse que foi em missão oficial a Londres, com escala na capital francesa.

Genoino, que deixou a presidência do PT na esteira do escândalo do mensalão, em 2005, usou passagens para ele, a mulher e o filho para Madri.

Ciro Gomes emitiu duas passagens para Nova York, uma em dezembro de 2007 e a outra em abril do ano passado, para sua mãe, Maria José Gomes. Procurado pela reportagem, Ciro não ligou de volta.

Vic Pires, por sua vez, não se limitou a usar a cota aérea apenas para familiares, tendo agraciado até o namorado de sua filha com uma viagem a Miami.

Monteiro Neto emitiu bilhetes para a mulher, a filha e o filho para lugares distintos: Santiago, Madri e Buenos Aires.
O ex-ministro Eunício Oliveira bancou com recursos da Câmara, em setembro do ano passado, passagens para Miami para a mulher e a filha.

O líder do PP na Câmara dos Deputados, deputado Mário Negromonte (BA), levou para Nova York cinco familiares.
“Eu fiz economia nesses trechos [para sua base eleitoral]. Deixei de viajar, usei milhas, viajei de madrugada com passagens mais baratas. As viagens [a Nova York] foram com essa diferença”, diz. “Se fosse proibido, a Casa não permitiria.”

O deputado José Carlos Aleluia (DEM-BA), vice-líder do partido na Câmara, viajou com a mulher e o filho para Paris e Londres. Disse que foi em missão oficial para a capital inglesa, passando por Paris. “Não há nada de errado nisso. Se a Câmara mantiver a possibilidade de levar parente, vou continuar levando minha mulher. E se eu achar importante, também levarei meu filho”, disse Aleluia.

Na última quinta-feira, após uma sucessão de escândalos relacionados às cotas aéreas, Câmara e Senado divulgaram normas para delimitar o uso do benefício. Cada deputado tem direito, mensalmente, a uma verba para a compra de passagens de acordo com seu Estado de origem. O ato da Câmara que trata do assunto, de 2000, é omisso em relação às viagens ao exterior. Nas medidas anunciadas na semana passada, os deputados não fazem referência a essas viagens.

A Procuradoria da República no Distrito Federal, que investigou o uso das cotas em 2007 e 2008, enviou ofício à Câmara na semana passada citando “inúmeras irregularidades” no uso do benefício, como “uso de passagens para o exterior não relacionado a missão oficial”. O Ministério Público sugere que não sejam emitidos bilhetes “em nome de terceiros”, medida não acatada pela Câmara.

Fonte: Folha de São Paulo

‘Farra de passagens’ atinge líderes da Câmara

  1. Pe. Antonio disse:

    É uma falta de respeito como o cidadaão e com os contribuintes. É revoltante o que a maneira irresponsável com os deputados tratam da coisa publica. Como é que não respeitam o povo brasileiro! É uma vergonha. Não se trata de obedecer ou não Regimento de Câmara, se Regimento proibe ou não. Não é correto, não é justo, não é ético que nós contribuintes paguemos passeio para familiares de deputados e até para anorado de filha de deputado. Isso chega a ser revoltante. É não ter responsabilidade. Eu não entendo como um governador como o recentemente do Maranhão perdeu o cargo por denuncias feitas pela oposição….E esses deputados que usam o dinheiro publico para pagar viagens de seus familiares para passearem fora do país, não acontece nada!!!!!

  2. Hércules Batista disse:

    O regimento interno da Casa não proíbe a prática. O regime interno podem não proibi, mas com certeza o ELEITOR BRASILEIRO pode sim proibi a começar não elegendo nenhum dessas gentes boas, colocando tudo para pagar todas as suas viagens de turismo com dinheiro próprio, por favor, Carlos faça uma enquete para saber o que os bloqueiros acham desta pratica, deve não ter nem um voto a favor para essas caras de pau.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *