Família de jovem assassinado no N-10 continua em busca de justiça

por Carlos Britto // 29 de dezembro de 2018 às 14:30

Fabiana Alves é irmã da vítima. (Foto: Duda Oliveira/Blog do Carlos Britto)

Familiares de Fábio Alves da Silva, de 32 anos, assassinado na noite do último dia 10 de outubro, no N-10 do Perímetro de Irrigação Senador Nilo Coelho, zona rural de Petrolina, continuam em busca de justiça.

Em entrevista a este Blog, a irmã da vítima, Fabiana Alves, relatou que o crime pode ter sido encomendado, já que, segundo ela, seu irmão “era um homem de bem“. A família da vítima tem um clube e costuma realizar festas nos finais de semana. No dia do crime, Fábio, que tinha um ‘paredão’ de som, estava fazendo a divulgação dos eventos. “Ele foi baleado quando saiu da vila. Chegaram dois indivíduos e atiraram. Meu irmão ainda foi socorrido, mas não resistiu. Deixou esposa e dois filhos“, relembra Fabiana, que mora com a família na comunidade há quase 40 anos.

Fábio Alves foi morto no N-10. (Foto: Reprodução)

Ela disse que o comentário no N-10 é que ela pode ser morta a qualquer momento. “Comunidade pequena é assim: todo mundo sabe de tudo. Dizem que tem gente fazendo ameaças. Ainda não chegaram até mim, mas muitas pessoas me pedem para deixar isso quieto, para esquecer. Mas eu só vou descansar quando esse homem for preso“, ressalta.

O homem o qual Fabiana se refere é Paulo Sérgio Avelino, que foi preso três dias depois do crime. Ele teria confessado o assassinato, segundo informou a Polícia Militar (PM). Paulo foi preso em uma van que faz o trajeto entre as cidades de Petrolina e Cabrobó (PE), no Sertão do São Francisco. Na ocasião, segundo a PM, um policial à paisana estava na van e ouviu uma conversa dele por telefone, na qual o mesmo afirmava ter matado um homem no N-10. O crime teria sido praticado junto com o irmão do suspeito, Marcelo Avelino, que foi assassinado dois dias após a morte de Fábio, também no N-10.

Segundo Fabiana, a Polícia Civil (PC) já estaria de posse de um mandado de prisão contra Paulo Sérgio, mas ela não teve acesso ao depoimento dele. “Ele não ficou preso nem um dia. Eu só quero justiça, preciso saber porque ele fez isso“, clama ela. “No Fórum, disseram que o caso está em segredo de justiça, mas eu vou continuar atrás. Esse homem destruiu nossa família, minha mãe está doente. Fábio era o alicerce da nossa família. A gente não está vivendo, a gente está vegetando“, disse aos prantos.

Resposta

Em nota, a PC confirmou que o inquérito sobre o homicídio de Fábio Alves da Silva foi concluído, “com definição de autoria, e remetido à Justiça no dia 25 de outubro deste ano“. Conforme a nota, “o pedido de prisão preventiva foi solicitado e a polícia aguarda a manifestação do Judiciário“.

A nota ressalta que “o assassinato de Marcelo Avelino Ramos, um dos suspeitos do homicídio de Fábio Alves, também foi concluído com autoria e remetido à Justiça, no dia 23 de novembro. O autor, José Marcondes Barbosa da Silva, foi preso“.

Quanto às ameaças contra a irmã de Fábio Alves, “a PC aconselha que a vítima procure uma delegacia para formalizar a denúncia e para que sejam providenciadas as medidas cabíveis“. O Blog vai tentar um contato com o Judiciário, para saber por qual motivo Paulo Sérgio Avelino foi liberado no dia em que foi preso.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *