Esquentou: Presidente da CPI da Covid no Senado dá voz de prisão a ex-diretor do Ministério da Saúde

por Carlos Britto // 07 de julho de 2021 às 18:45

Foto: Waldemir Barreto/Agência Senado

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), determinou nesta quarta-feira (7) a prisão do ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde Roberto Dias. Segundo Aziz, a decisão foi tomada porque Dias mentiu e cometeu perjúrio, isto é, violou o juramento de falar de verdade.

Até a última atualização desta reportagem, Roberto Dias ainda não havia deixado o Senado. Esta foi a primeira prisão determinada pela CPI da Covid.

Roberto Dias foi convocado a dar explicações sobre as acusações de que teria pedido propina de US$ 1 por dose de vacina em negociações e teria pressionado um servidor do ministério a agilizar a aquisição da Covaxin, vacina produzida na Índia. Dias nega as duas acusações.

Durante o depoimento, Aziz acusou Roberto Dias de ter mentido e ter omitido informações da comissão.

A decisão de Aziz provocou reação da advogada de Roberto Dias. Ela afirmou que a prisão é um “absurdo” e que o ex-diretor deu “contribuições valiosíssimas” para a comissão. A advogada ainda questionou se Roberto Dias continuaria na condição de testemunha ou se havia passado à condição de investigado. “Se estiver na condição de investigado, eu vou orientar que ele permaneça em silêncio“, declarou a responsável pela defesa do ex-diretor.

Reação

Aliado do Palácio do Planalto, o senador Marcos Rogério (DEM-RO) perguntou a Aziz em qual fato e em qual argumento o presidente da CPI se baseou para determinar a prisão.

Aziz, então, respondeu: “Perjúrio desde o início.”

Marcos Rogério, na sequência, indagou: “Qual o fato?“.

Aziz, em resposta, disse: “Vários. Vários. Vários. Dizer que não tinha conhecimento que ia se encontrar com o Dominghetti. Marcar uma audiência relâmpago…“.

A senadora Simone Tebet (MDB-MS), então, sugeriu uma acareação entre Roberto Dias e Elcio Franco, ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde.

Omar Aziz respondeu que não fará acareação “com dois mentirosos“.

O líder do governo no Senado, Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), se dirigiu a Aziz e pediu respeito aos direitos de Roberto Dias. “Vossa excelência nunca se afastou desta posição de equilíbrio”, argumentou Bezerra.

Aziz, então, respondeu que não aceitará que a CPI vire “chacota”.

Se eu estiver cometendo abuso de autoridade, que a advogada dele me processe. Nós não estamos aqui para brincar, para ouvir historinha de servidor que pedir propina. Ele que recorra na Justiça, mas ele está preso e a sessão está encerrada. Pode levar“, completou.

Após o encerramento da sessão, o vice-presidente da CPI, Randolfe Rodrigues (Rede-AP), disse considerar a situação “lamentável”.

Ainda buscamos negociar com a defesa do senhor Roberto Dias para ele trazer fatos concretos. Lamentavelmente, não foi possível, não se concretizou. Repito: a atribuição [de determinar a prisão] é do senhor presidente e fez o uso da sua prerrogativa“, declarou. (Fonte: G1)

Esquentou: Presidente da CPI da Covid no Senado dá voz de prisão a ex-diretor do Ministério da Saúde

  1. Renan disse:

    Sequer existe crime de perjúrio no ordenamento jurídico brasileiro. Palhaçada é a palavra que define essa coisa. O tal do Aziz devia dar uma viajada, descansar. Ahhh lembrei que o passaporte dele tá retido por decisão do STF, já que o mesmo é metido em roubalheira e a mulher e o irmão já foram até presos por corrupção e desvio de dinheiro público. Que bacana!!

    1. Defensor da liberdade disse:

      Artigo 342 do CP manda lembranças.

  2. Marcos Macedo disse:

    Certo temos no atual cenário que para alguns grupos está mais que bom, mas para a maioria da população a situação é de descrédito absoluto.
    Deu tudo errado pro povo, mesmo que alguns finjam.
    Sorte nossa, porque a insanidade não prospera.

  3. thiaro disse:

    aziz e renam apurando crimes de corrupção, NOJO DE POLITICA!!!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *