Em Petrolina, FBC e Paulo Câmara saem em defesa da classe política brasileira

8

Embora tenha evitado comentar o cenário eleitoral para 2018, o senador Fernando Bezerra Coelho e o governador Paulo Câmara – duas das principais lideranças do PSB no Estado – saíram em defesa da classe política durante o Seminário ‘Pernambuco em Ação’, realizado na última sexta (14) em Petrolina. O primeiro a falar foi FBC, que aproveitou para manifestar solidariedade ao ex-presidente Lula, condenado pelo juiz federal Sérgio Moro a nove anos e seis meses no caso do triplex do Guarujá (no litoral paulista).

“Força, presidente (sic). Vamos divergir, vamos enfrentar. Mas na política, no bom debate, e não na criminalização da política. Ninguém vai sair dessa crise querendo varrer a classe política. Vamos sair dela pela política e com os políticos”, ponderou o senador.

Paulo Câmara seguiu na mesma linha. Segundo ele, está havendo no País uma campanha destrutiva contra a classe política brasileira. “Mas digo o contrário: só com a política a gente vai conseguir fazer com que o Brasil volte aos eixos”, declarou.

Ele lembrou que muita gente o tacha de “não político” pelo fato de ter uma vida dedicada ao serviço público – ele é auditor do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Mas afirmou que, quando foi convidado pelo então governador Eduardo Campos para disputar sua sucessão, em 2014, ele sabia que só conseguiria manter o caminho exitoso de Eduardo, em seus dois mandatos administrando Pernambuco, se apostasse na política.

“Esse aprendizado é contínuo, mas tem de ser feito com a ajuda de muita gente, com a ajuda do povo. Temos de insistir na política do ‘P’ maiúsculo, da transformação. Porque se não tiver política, a gente não arruma dinheiro de Brasília, a gente não consegue transformar as escolas de Pernambuco como estamos transformando”, analisou.

Unificação

O governador reiterou que os brasileiros, por mais desencantados que estejam com o País, precisam continuam acreditando. “O Brasil é maior do que qualquer crise e há de sair dela com unidade. Para o ano vamos ter uma eleição importante. Mas a gente primeiro tem de trabalhar em 2017 (…) a gente precisa ter a capacidade, através da política, de fazer um ano de 2018 que pense o futuro. Independente do resultado eleitoral de 2018, o Brasil tem que ter a capacidade de eleger homens e mulheres que pacifiquem e unam o País”, completou.

8 COMENTÁRIOS

  1. Tem que defender mesmo,pra ver se engana os abestalhados, em 2018 botam todos de volta,só faltou dizer que Lula quando morrer vai ser canonizado,logo o bichin é santo,muita demagogia deste políticos,melhor ficar calado.

  2. “Caminho exitoso de Eduardo”? 900 obras paralisadas e 12 bilhões em dívidas em menos de uma década é “caminho exitoso”? Para um técnico do TCE que deveria ser bom em cálculo financeiro, essa foi uma mancada e tanto.

  3. Só falta dizer que o dinheiro que elegeram Paulo, FBC e Filhos, foi doação do além. Esse pessoal tem a cara de pau de dizer que foi dado perdão da metade das dividas dos pequenos produtores, sabe quem são os maiores devedores, o Guilherme sabe disso o empenho pra pagar as dividas não é a toa, eles são os maiores devedores, enquanto o pequeno deve merreca. Fruto e Forte, as fazendas deles e dos parentes etc…. Mais tem os babacas que adoram ladrões.

  4. guilherme é gente boa ja votei nele, mas se juntou com esses coelhos da parte de fbc ja sabe né. é guilherme e tolentino os dois que estao sendo enganados. sinto muito, por tolentino vi la no blog de ricardo banana a alegria de ze neto ao lado de miguel, fbc e ze batista a alegria de quem vai receber todo apoio., e tolentino aos poucos sendo esquecido. levanta a cabeça tolentino eu votaria em voce se voce nao estivesse desse lado, ainda a tempo. e guiherme tambem nao era pra esta ai, oswaldo coelho nunca que iria se juntar com fbc.

DEIXE UMA RESPOSTA

Comentar
Seu nome